Desmatamento zero? Uma política possível e viável

 

desmatamento

 

Desmatamento zero? Uma política possível e viável. Entrevista com Carlos Nobre

IHU

“Desmatamento zero” não é um slogan nem uma utopia. “É uma política concreta e viável. O grande potencial econômico da Amazônia pode ser valorizado dentro de um sistema que, a partir da sua incalculável biodiversidade, deixe a floresta intacta.”

A reportagem é de Lucia Capuzzi, publicada por Avvenire, 27-10-2019. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Palavra de Carlos Nobre, um dos climatologistas mais conhecidos do mundo, Prêmio Nobel da Paz de 2007 pela sua contribuição na elaboração do quarto relatório do Painel Internacional sobre Mudanças Climáticas da ONU.

Nascido em São Paulo, no Brasil, há 67 anos, Nobre é conhecido principalmente pelos seus estudos sobre a possível savanização da Amazônia, ou seja, o risco de que a região se transforme em uma terra semiárida, uma vez ultrapassado o limiar do desmatamento-limite.

No ritmo atual, três quartos da floresta poderiam se tornar savana já em cerca de 30 anos. Por essa razão, segundo o cientista, o Sínodo, ao qual ele foi chamado para fazer uma intervenção, pode contribuir para uma conscientização coletiva sobre a ameaça que pesa sobre a vida humana.

“A função da ciência, porém, não é apenas lançar o alerta: nós, estudiosos, somos chamados a encontrar possíveis alternativas Também nisso a assembleia sinodal pode ser de grande ajuda.”

Eis a entrevista.

Como se poderia desenvolver o “potencial econômico” da Amazônia sem devastá-la?

Mudando radicalmente o modo de empregar os recursos naturais amazônicos. A floresta já perdeu um dos seus 6,2 milhões de quilômetros quadrados, principalmente por causa da agricultura intensiva. A soja, uma das monoculturas mais difundidas, porém, tem uma baixa produtividade. Ou seja, rende pouco em comparação com o grau de destruição provocado. A maior riqueza da Amazônia não é a terra, é sua biodiversidade, a maior do planeta.

Como a biodiversidade pode se tornar um recurso econômico?

A floresta é rica em elementos como o açaí, com elevadas propriedades medicinais, as castanhas, o cacau, o babaçu (usado em cosméticos). A sua produção é compatível com a sobrevivência das árvores e com o respeito pelos direitos dos povos nativos.

Não existe o risco de implementar uma espécie de extrativismo ecológico?

Pelo contrário, eu falo de um novo paradigma. O extrativismo se baseia na exportação de matérias-primas pouco processadas. Isso não só tem impactos devastadores sobre o ambiente e os habitantes que o habitam, mas sequer cria riqueza para estes últimos. A alternativa a esse sistema é a valorização dos recursos amazônicos de um modo ecologicamente sustentável. Ou seja, sem uma exploração intensiva da terra, graças ao uso de tecnologias de vanguarda. Os produtos que eu citei não devem ser vendidos brutos, mas sim processados. Tomo o exemplo do açaí: ele está presente nas bebidas, nos medicamentos, nas maquiagens, além de ser consumido como alimento. Ele gera um negócio de 15 bilhões de dólares: apenas um bilhão retorna à Amazônia.

Como a comunidade internacional pode contribuir para essa virada?

Através do consumo responsável. Se cidadãos-compradores e fundos de investimento exigissem certificados de sustentabilidade de toda a cadeia produtiva das matérias-primas amazônicas, o desmatamento desapareceria em pouco tempo. Ao mesmo tempo, é necessária uma cooperação internacional para favorecer o desenvolvimento científico e tecnológico imprescindível para criar uma nova bioeconomia com desmatamento zero.

Por que o mundo deve se interessar pela Amazônia?

Amazônia armazena todos os anos entre um e dois bilhões de toneladas de dióxido de carbono, uma contribuição essencial para a contenção do aquecimento global. Se a floresta desaparecesse, 200 bilhões de toneladas de gás acabariam repentinamente na atmosfera. Sem falar da contribuição essencial para a regulamentação das chuvas.

 

(EcoDebate, 29/10/2019) publicado pela IHU On-line, parceira editorial da revista eletrônica EcoDebate na socialização da informação.

[IHU On-line é publicada pelo Instituto Humanitas Unisinos – IHU, da Universidade do Vale do Rio dos Sinos Unisinos, em São Leopoldo, RS.]

 

PUBLICIDADE / CONTEÚDO RELACIONADO



[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

3 comentários em “Desmatamento zero? Uma política possível e viável

  1. Lamentavelmente, no cenário macro econômico em que estamos (lei da demanda e oferta), com uma demanda crescente por soja e carne nos principais mercados mundiais, qualquer alternativa que mantenha a floresta em pé não tem se mostrado competitiva (a realidade apontando o desmatamento corrobora o que falo). Porém acredito que a floresta tem que ser mantida pelo seu valor intrínseco (ainda que não explicitamente monetarizado pelos parâmetros atuais). Nesse sentido, a única saída que vejo é o Brasil receber algum “fundo de compensação”, sobretudo das nações “ricas” para manter a amazônia preservada.

  2. Glórias ao Consumo Responsável.
    É insuportável ter que ouvir falar desse tal de “Consumo Responsável” em um Planeta já esgotado e extremamente povoado por seres humanos, que há muito trabalha em déficit, e em que não há nenhuma perspectiva de adoção de medidas para conter o crescimento populacional humano tão necessário e indispensável ao desenvolvimento econÔmico capitalista, o qual, nas atuais condições, só ocorre à custa da destruição da vida em breve espaço de tempo. É terrivelmente insuportável. Mas – e isto agrava a situação – além de sermos obrigados a assistir, impotentes, a esse terrível quadro de destruição, ainda somos forçados a ouvir falar de “Consumo Responsável”, que sabemos não tem condição de acontecer, e de que se fala, “apenas”, como propaganda enganosa. É Terrível.

Deixe uma resposta

Top