Pesquisadores estudam maneiras naturais de redução de calor nas cidades

 

Os cientistas estão pesquisando o efeito da precipitação e do tamanho da população no aumento da temperatura nas cidades em comparação com a paisagem circundante. Eles descobriram que mais espaços verdes podem ajudar a baixar as temperaturas nas zonas urbanas – mas não em todos os lugares.

Eidgenössische Technische Hochschule Zürich*

As ilhas de calor urbano são um fenômeno em que a temperatura em uma cidade é notavelmente mais alta do que na área rural circundante. Quando combinado com o tipo de onda de calor que atingiu muitas partes da Europa no início de julho, o calor urbano pode representar uma ameaça real para idosos, doentes ou outras pessoas vulneráveis.

Cientistas da ETH Zurich pesquisaram ilhas de calor urbano em todo o mundo e descobriram que a eficácia das estratégias de redução de calor nas cidades varia de acordo com o clima regional. “Já sabemos que as plantas criam um ambiente mais agradável em uma cidade, mas queríamos quantificar quantos espaços verdes são realmente necessários para produzir um efeito de resfriamento significativo”, diz Gabriele Manoli,Nature .

Mais espaços verdes: nem sempre a solução mais eficiente

Manoli e seus colegas da ETH Zurich, da Universidade de Princeton e da Duke University estudaram dados de cerca de 30.000 cidades em todo o mundo e seu ambiente circundante, levando em consideração a temperatura média do verão, o tamanho da população e a precipitação anual. O fenômeno das ilhas de calor urbano é mais pronunciado quanto maior a cidade e mais chuvas nessa região.

Como regra geral, mais chuva incentiva o crescimento das plantas na área circundante, tornando-a mais fria que a cidade. Este efeito é mais forte quando a precipitação média anual é de cerca de 1500 milímetros, como em Tóquio, mas não aumenta ainda mais com mais chuva.

 

Figura - O mapa mostra em quais cidades o efeito da ilha de calor é mais significativo. (Gabriele Manoli / ETH Zurique)
Figura – O mapa mostra em quais cidades o efeito da ilha de calor é mais significativo. (Gabriele Manoli / ETH Zurique)

 

Dois extremos climáticos ilustram bem o papel da vegetação no fenômeno urbano das ilhas de calor: regiões muito secas, por um lado, e áreas tropicais, por outro. Através de um plantio cuidadosamente direcionado, uma cidade como Phoenix, nos EUA, pode atingir temperaturas mais baixas do que a paisagem circundante, onde as condições são quase desérticas.

Em comparação, uma cidade cercada por florestas tropicais, como Cingapura, precisaria de muito mais espaços verdes para reduzir as temperaturas, mas isso também criaria mais umidade. Em cidades localizadas em zonas tropicais, espera-se, portanto, que outros métodos de resfriamento sejam mais eficazes, como aumento da circulação do vento, maior uso de sombra e novos materiais de dispersão de calor. “Não existe uma solução única”, diz Manoli.

Informações úteis para os planejadores da cidade

Manoli explica que o principal benefício do estudo é uma classificação preliminar das cidades, na forma de uma visualização clara, orientando os planejadores sobre possíveis abordagens para mitigar o efeito da ilha de calor urbana. “Mesmo assim, a busca de soluções para reduzir as temperaturas em cidades específicas exigirá análises adicionais e um entendimento profundo do microclima”, enfatiza. “Essas informações, no entanto, são baseadas em dados e modelos disponíveis para planejadores e tomadores de decisão de cidades apenas em algumas cidades, como Zurique, Cingapura ou Londres”.

Atualmente, Manoli está analisando dados de outros períodos do ano e estudando quais tipos de plantas são mais adequados para reduzir temperaturas. O apoio da Bolsa Branco Weiss permitiu ao engenheiro ambiental trabalhar com cientistas das áreas de física, estudos urbanos e ciências sociais, com um foco específico em tópicos de pesquisa interdisciplinares.

 

Referência:

Manoli G, Fatichi S, Schläpfer M, Yu K, Crowther TW, Meili N, Burlando P, Katul GG, Bou-Zeid E: Magnitude of urban heat islands largely explained by climate and population. Nature, 4 September 2019, doi: 10.1038/s41586-019-1512-9 [https://doi.org/10.1038/s41586-019-1512-9]

 

* Tradução e edição de Henrique Cortez, EcoDebate.

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 05/09/2019

Pesquisadores estudam maneiras naturais de redução de calor nas cidades, in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 9/09/2019, https://www.ecodebate.com.br/2019/09/09/pesquisadores-estudam-maneiras-naturais-de-reducao-de-calor-nas-cidades/.

 

PUBLICIDADE / CONTEÚDO RELACIONADO



 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Top