Cientistas extraem hidrogênio (H2) do petróleo e betume, produzindo combustível livre de poluição e emissões de CO2

 

Cientistas extraem hidrogênio (H2) do petróleo e betume

 

pesquisa

 

Os cientistas desenvolveram um método econômico de larga escala para extrair o hidrogênio (H2) das areias betuminosas (betume natural) e dos campos de petróleo. Isso pode ser usado para alimentar veículos movidos a hidrogênio, que já são comercializados em alguns países, bem como para gerar eletricidade; O hidrogênio é considerado um combustível de transporte eficiente, semelhante à gasolina e ao diesel, mas sem problemas de poluição.

O processo pode extrair hidrogênio de reservatórios de areias petrolíferas existentes, com enormes suprimentos existentes encontrados no Canadá e na Venezuela. Curiosamente, esse processo pode ser aplicado aos campos de petróleo tradicionais, fazendo com que eles produzam hidrogênio em vez de petróleo.

Veículos movidos a hidrogênio, incluindo carros, ônibus e trens, estão em desenvolvimento há muitos anos. Esses veículos foram reconhecidos como eficientes, mas o alto preço de extrair o Hidrogênio das reservas de petróleo fez com que a tecnologia não fosse economicamente viável. Agora, um grupo de engenheiros canadenses desenvolveu um método barato de extrair H2 das areias betuminosas. Eles estão apresentando este trabalho na Conferência de Geoquímica Goldschmidt em Barcelona.

“Há vastas reservas de areia de petróleo em vários países, com enormes campos em Alberta, no Canadá, mas também na Venezuela e em outros países”, disse o Dr. Ian Gates, do Departamento de Engenharia Química da Universidade de Calgary, e da Proton Technologies Inc. ).

Os campos de petróleo, mesmo os campos de petróleo abandonados, ainda contêm quantidades significativas de petróleo. Os pesquisadores descobriram que injetar oxigênio nos campos aumenta a temperatura e libera H2, que podem ser separados de outros gases através de filtros especializados. O hidrogênio não é pré-existente nos reservatórios, mas bombear oxigênio significa que a reação para formar hidrogênio pode ocorrer.

Grant Strem, CEO da Proton Technologies que está comercializando o processo, diz que “Esta técnica pode gerar grandes quantidades de hidrogênio enquanto deixa o carbono no solo. Quando trabalhamos no nível da produção, prevemos que seremos capazes de usar a infra-estrutura e distribuição existentes” para produzir H2 entre 10 e 50 cêntimos por quilo, o que significa que potencialmente custa uma fracção da gasolina por uma produção equivalente “. Isso se compara aos atuais custos de produção de H2 de cerca de US $ 2 / kilo. Cerca de 5% do H2 produzido então alimenta a planta de produção de oxigênio, então o sistema mais do que se paga.

O único produto deste processo é o hidrogênio, o que significa que a tecnologia é efetivamente livre de poluição e emissões. Todos os outros gases permanecem no solo porque não podem passar pelo filtro de hidrogênio até a superfície “.

A tecnologia foi desenvolvida por Ian Gates e Jacky Wang como resultado de um acordo entre a Universidade de Calgary e a Proton Technologies Inc., que agora detém a patente.

O professor Brian Horsfield (Centro Alemão de Pesquisa em Geociências da GFZ, Potsdam) disse: “A pesquisa é altamente inovadora e empolgante. É uma adaptação de alguns conceitos de produção de 1970, mas está sintonizada em uma perspectiva moderna. Um extenso teste de campo será crucial para avaliar como o sistema funciona em escalas industriais e ao longo do tempo ”

Fonte: Goldschmidt Conference*, European Association of Geochemistry

* Tradução e edição de Henrique Cortez, EcoDebate.
, in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 21/08/2019

Cientistas extraem hidrogênio (H2) do petróleo e betume, produzindo combustível livre de poluição e emissões de CO2, in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 21/08/2019, https://www.ecodebate.com.br/2019/08/21/cientistas-extraem-hidrogenio-h2-do-petroleo-e-betume-produzindo-combustivel-livre-de-poluicao-e-emissoes-de-co2/.

 

PUBLICIDADE / CONTEÚDO RELACIONADO



 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Deixe uma resposta

Top