Dos Anaios aos Waiãpi, artigo de Roberto Malvezzi (Gogó)

 

povo Wajãpi
Povo Wajãpi. Foto: Rede de Cooperação Amazônica – RCA / CPT

 

[EcoDebate] Em 1676 houve um massacre indígena violento aqui na região do rio Salitre, em Juazeiro da Bahia. Conta a história que o Padre Martinho de Nantes e seus índios aldeados participaram da repressão aos Anaios, sob o comando de Francisco Dias d’Ávila. O Salitre é um afluente do São Francisco. Um rio famoso que alimentou por muito tempo o gado criado para abastecer Salvador, então capital da Colônia. Dias d’Ávila era o dono da imensa sesmaria que partia de Salvador, da praia do Forte, e se alongava sertão adentro, subindo por léguas e léguas o rio São Francisco.

Segundo o relato de Martinho de Nantes:

acompanhamos as pegadas do inimigo, que foi encontrado…. quase sem armas e morto de fome. Renderam-se todos, sob a condição de que se lhes poupassem a vida. Mas os portugueses, obrigando-os a entregar as armas, os amarraram e dois dias depois mataram a sangue frio, todos os homens de armas, em número de quase quinhentos, e fizeram escravos seus filhos e mulheres” (NANTES, 1979: 53, apud Pessoa, pg. 7).

Quando recebemos notícias de que garimpeiros, sob impulso do governo federal, entram numa aldeia indígena no Amapá e executam seu cacique, nos recordamos de nossas origens e vemos que o instinto assassino dos conquistadores permanece vivo no Brasil atual. A questão dos povos originários é do passado, mas é do presente e continua para o futuro. Elegidos como inimigos dos novos conquistadores, como no passado, continuam marcados para morrer. A crueldade não tem limites, como nunca teve. Não estamos lidando com pessoas humanas dotadas de sentimentos, mas com demônios encarnados, que não tem remorso algum dos assassinatos que cometem.

Perseguidos ao longo da história muitos povos indígenas mergulharam no anonimato para sobreviver. Assim foram as tribos do Nordeste, muitas vezes dadas por extintas. Mas, era apenas uma arte da sobrevivência. Eles estão de volta, e o Papa Francisco quer ouvir esses povos da Amazônia no Sínodo Pan-amazônico. Francisco é crítico ferrenho da civilização ocidental e acha que esses povos têm muito mais contribuições para o futuro da humanidade que seus perseguidores e assassinos.

 

Roberto Malvezzi (Gogó)*, Articulista do Portal EcoDebate, possui formação em Filosofia, Teologia e Estudos Sociais. Atua na Equipe CPP/CPT do São Francisco. Membro da Equipe de Assessoria da REPAM (Rede Eclesial Pan Amazônica)
www.robertomalvezzi.com.br

Referência:

PESSOA, A. E. da Silva. In “Família, Propriedade, Tradição no Brasil Colonial: a Casa da Torre de Garcia d’Avila”. https://ziladoc.com/download/a-casa-da-torre-de-garcia-davila_pdf Acesso em 30/07/19

 

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 01/08/2019

Dos Anaios aos Waiãpi, artigo de Roberto Malvezzi (Gogó), in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 31/07/2019, https://www.ecodebate.com.br/2019/07/31/dos-anaios-aos-waiapi-artigo-de-roberto-malvezzi-gogo/.

 

PUBLICIDADE / CONTEÚDO RELACIONADO



 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Um comentário em “Dos Anaios aos Waiãpi, artigo de Roberto Malvezzi (Gogó)

  1. GOGÓ PERDID NO MEIO DO CAMINHO OU DEFESA SEM ESCRÚPULOS DA CRIMINOSA PREGAÇÃO DA DESTRUÍDORA CRENÇA RELIGOSA?

    . Os invasores portugueses atacaram os ingênuos e indefesos povos indígenas com quem tiveram contato, e destruíram muitos desses povos; mas os invasores portugueses contaram com a importante colaboração da igreja católica. Não foi Gogó?
    . O atual poder dominante capitalista ataca – e destrói, se for necessário – quem cria impedimento ao seu destruidor projeto de desenvolvimento econômico contínuo e infinito, sempre com a inestimável colaboração do trabalho desenvolvido pelas igrejas na pregação das crenças religiosas. Entre esses trabalhos se encontram os realizados pela igreja católica. Não é Gogó?
    . E você, Gogó, ainda vem dizer que o Papa Francisco deseja salvar a civilização ocidental? Mesmo a falta de escrúpulos deve ter limite. Não é Gogó?

Deixe uma resposta

Top