O clima está aquecendo mais rápido do que nos últimos 2.000 anos

 

Em contraste com as flutuações climáticas pré-industriais, as mudanças climáticas atuais e antropogênicas estão ocorrendo em todo o mundo ao mesmo tempo. Além disso, a velocidade do aquecimento global é maior do que em pelo menos 2.000 anos.

University of Bern*

Muitas pessoas têm uma imagem clara da “Pequena Idade do Gelo” (de aproximadamente 1300 a 1850). É caracterizado por pinturas que mostram pessoas patinando em canais holandeses e glaciares avançando para longe nos vales alpinos. O fato de ter sido extraordinariamente fresco na Europa por vários séculos é comprovado por um grande número de reconstruções de temperatura usando anéis de árvores, por exemplo, não apenas por pinturas históricas.

Como também existem reconstruções semelhantes para a América do Norte, foi assumido que a “Pequena Idade do Gelo” e o igualmente famoso “Período Quente Medieval” (aproximadamente 700 – 1400) foram fenômenos globais. Mas agora um grupo internacional liderado por Raphael Neukom, do Centro Oeschger para Pesquisa sobre Mudanças Climáticas da Universidade de Berna, está pintando um quadro muito diferente dessas supostas flutuações climáticas globais.

As flutuações climáticas no passado variaram de região para região

“É verdade que durante a Pequena Idade do Gelo, geralmente era mais frio em todo o mundo”, explica Raphael Neukom, “mas não em todos os lugares ao mesmo tempo. Os períodos de pico dos períodos quentes e frios pré-industriais ocorreram em diferentes momentos ” De acordo com o cientista do clima de Berna, a hipótese de fases climáticas ocorrendo ao mesmo tempo em todo o mundo surgiu por causa de uma impressão que é definida pela história climática da Europa e América do Norte. Na ausência de dados de outras partes da Terra, essa noção foi aplicada a todo o planeta, aumentando as expectativas de que os períodos relativamente frios ou quentes ao longo dos últimos 2.000 anos fossem fenômenos globalmente síncronos. Mas agora foi demonstrado que esse não era o caso.

Os autores do estudo em “Nature” vêem a explicação para isso como sendo que os climas regionais nos tempos pré-industriais foram influenciados principalmente por flutuações aleatórias dentro dos próprios sistemas climáticos. Fatores externos como erupções vulcânicas ou atividade solar não foram intensos o suficiente para causar temperaturas marcadamente quentes ou frias em todo o mundo por décadas, ou mesmo séculos.

Os pesquisadores contaram com um banco de dados do consórcio internacional de pesquisa PAGES (Past Global Changes, www.pastglobalchanges.org), que fornece uma visão abrangente dos dados climáticos dos últimos 2.000 anos, para a investigação de cinco épocas climáticas pré-industriais. Além de anéis de árvores, também inclui dados de núcleos de gelo, sedimentos de lagos e corais. Para realmente colocar os resultados em teste, a equipe liderada por Raphael Neukom analisou esses conjuntos de dados usando seis modelos estatísticos diferentes – mais do que nunca. Isso permitiu o cálculo da probabilidade de décadas e séculos extremamente quentes ou frios, e não apenas o cálculo das temperaturas absolutas. O resultado foi que nenhum quadro globalmente coerente surgiu durante os períodos investigados. “As temperaturas mínima e máxima foram diferentes em diferentes áreas”, diz Raphael Neukom.

O atual período quente está acontecendo em todo o mundo pela primeira vez

Os resultados parecem muito diferentes para a história recente. Ambos os estudos mostram que o período mais quente dos últimos 2.000 anos foi mais provável no século XX. Eles também mostram que esse era o caso de mais de 98% da superfície da Terra.

Isso mostra – mais uma vez – que a mudança climática moderna não pode ser explicada por flutuações aleatórias, mas por emissões antrópicas de CO2 e outros gases de efeito estufa. O que não sabíamos até agora é que não apenas as temperaturas globais médias no século 20 estão mais altas do que nunca em pelo menos 2.000 anos, mas também que um período de aquecimento está afetando todo o planeta ao mesmo tempo pela primeira vez. E a velocidade do aquecimento global nunca foi tão alta quanto é hoje.

Referências:

Neukom, R., Steiger, Nathan, Gómez-Navarro, J. J., Wang, J., & Werner, J. P. (2019). No evidence for globally coherent warm and cold periods over the pre-industrial Common Era. Nature, DOI: 10.1038/s41586-019-1401-2
https://www.nature.com/articles/s41586-019-1401-2

 

PAGES 2k Consortium. (2019). Consistent multidecadal variability in global temperature reconstructions and simulations over the Common Era. Nature Geoscience, DOI: 10.1038/s41561-019-0400-0
https://www.nature.com/articles/s41561-019-0400-0

 

* Tradução e edição de Henrique Cortez, Ecodebate.

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 25/07/2019

O clima está aquecendo mais rápido do que nos últimos 2.000 anos, in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 25/07/2019, https://www.ecodebate.com.br/2019/07/25/o-clima-esta-aquecendo-mais-rapido-do-que-nos-ultimos-2-000-anos/.

 

PUBLICIDADE / CONTEÚDO RELACIONADO



 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Top