Evidência de relação entre defeitos congênitos e atividade de poços de petróleo e gás

 

Maior prevalência de defeitos cardíacos congênitos em áreas com alta intensidade de atividade de poços de petróleo e gás

University of Colorado*, Anschutz Medical Campus

 

exploração de petróleo
Foto: University of Colorado

 

Mães que vivem perto de atividades mais intensas de desenvolvimento de petróleo e gás têm uma chance 40-70% maior de ter filhos com defeitos cardíacos congênitos (CHDs) em comparação com aqueles que vivem em áreas de atividade menos intensa, de acordo com um novo estudo de pesquisadores da University of Colorado, Anschutz Medical Campus.

“Nós observamos que mais crianças estavam nascendo com um defeito cardíaco congênito em áreas com a maior intensidade de atividade de poço de petróleo e gás”, disse a autora sênior do estudo Lisa McKenzie, PhD, da Escola de Saúde Pública da Universidade do Colorado. Pelo menos 17 milhões de pessoas nos EUA e 6% da população do Colorado vivem a menos de um quilômetro de um poço ativo de petróleo e gás.

O estudo foi publicado hoje na revista peer-reviewed Environment International .

Os pesquisadores estudaram 3.324 bebês nascidos no Colorado entre 2005-2011. Eles analisaram bebês com vários tipos específicos de CC.

Os pesquisadores estimaram a intensidade mensal de petróleo e gás na residência da mãe de três meses antes da concepção até o segundo mês de gravidez. Essa medida de intensidade foi responsável pela fase de desenvolvimento (perfuração, completação do poço ou produção), tamanho dos locais dos poços e volumes de produção.

Eles descobriram que mães que vivem em áreas com os níveis mais intensos de atividade de poços de petróleo e gás têm cerca de 40 a 70% mais chances de ter filhos com DCC. Este é o defeito congênito mais comum no país e uma das principais causas de morte entre bebês com defeitos congênitos. Bebês com DAC têm menos probabilidade de prosperar, mais propensos a ter problemas de desenvolvimento e mais vulneráveis ??a lesões cerebrais.

Modelos animais mostram que os CHDs podem acontecer com uma única exposição ambiental durante o início da gravidez. Alguns dos poluentes atmosféricos perigosos mais comuns emitidos em locais de poços são suspeitos de teratógenos – agentes que podem causar defeitos congênitos – conhecidos por atravessarem a placenta.

O estudo se baseia em um estudo anterior que analisou 124.842 nascimentos na área rural do Colorado entre 1996-2009 e descobriu que os CHDs aumentaram com o aumento da densidade de poços de petróleo e gás ao redor da residência materna.

Outro estudo em Oklahoma que analisou 476.000 nascimentos encontrou associações positivas mas imprecisas entre a proximidade de poços de petróleo e gás e vários tipos de CHDs.

Esses estudos tiveram várias limitações, incluindo não serem capazes de distinguir entre o desenvolvimento do poço e as fases de produção nos locais, e não confirmaram CHDs específicos ao revisar os registros médicos.

As limitações foram abordadas neste último estudo. Os pesquisadores puderam confirmar onde as mães viviam nos primeiros meses de gravidez, estimar a intensidade da atividade do poço e explicar a presença de outras fontes de poluição do ar. Os CHDs também foram confirmados por uma revisão de prontuário e não incluíram aqueles com uma origem genética conhecida.

“Nós observamos associações positivas entre as chances de um parto com uma doença coronariana e exposição materna às atividades de petróleo e gás no segundo mês gestacional”, disseram os pesquisadores do estudo.

Os dados do estudo mostraram níveis mais elevados de CHDs em áreas rurais com altas intensidades de atividade de petróleo e gás, em oposição àquelas em áreas mais urbanas. McKenzie disse que é provável que outras fontes de poluição do ar em áreas urbanas tenham obscurecido essas associações.

Exatamente como os produtos químicos levam a CHDs não é totalmente entendido. Algumas evidências sugerem que elas podem afetar a formação do coração no segundo mês de gravidez. Isso poderia levar a defeitos congênitos.

McKenzie disse que as descobertas sugerem, mas não comprovam, uma relação causal entre exploração de petróleo e gás e defeitos cardíacos congênitos e que mais pesquisas precisam ser feitas.

“Este estudo fornece mais evidências de uma associação positiva entre a proximidade materna para as atividades do poço de petróleo e gás e vários tipos de CHDs”, disse ela. “Juntos, nossos resultados e o desenvolvimento em expansão de poços de petróleo e gás ressaltam a importância de continuar a realizar pesquisas abrangentes e rigorosas sobre as consequências para a saúde da exposição precoce às atividades de petróleo e gás”.

Os co-autores do estudo incluem William Allshouse, PhD, BSPH e Stephen Daniels, MD, PhD, ambos da Universidade do Colorado Anschutz Medical Campus. O estudo foi financiado por uma concessão da American Heart Association.

Referência:

Congenital heart defects and intensity of oil and gas well site activities in early pregnancy
Lisa M.McKenzie, William Allshouse and Stephen Daniels
Environment International
https://doi.org/10.1016/j.envint.2019.104949

 

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 19/07/2019

Evidência de relação entre defeitos congênitos e atividade de poços de petróleo e gás, in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 19/07/2019, https://www.ecodebate.com.br/2019/07/19/evidencia-de-relacao-entre-defeitos-congenitos-e-atividade-de-pocos-de-petroleo-e-gas/.

 

PUBLICIDADE / CONTEÚDO RELACIONADO



 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Top