Em meados do século, a mudança climática aumentará a demanda por energia, mesmo com aquecimento moderado

 

Indicadores Climáticos
Indicadores Climáticos

 

O mundo depende da energia tanto para o bem-estar humano quanto para o desenvolvimento contínuo da sociedade. O uso de energia é, no entanto, também um dos sistemas humanos que é mais diretamente influenciado por mudanças no clima, o que torna crucial obter informações sobre os impactos das mudanças climáticas na demanda de energia.

A maioria dos estudos anteriores explorou este tópico para um único país ou continente, ou para um único setor (principalmente famílias). Além disso, os pesquisadores utilizaram apenas projeções climáticas de um único modelo climático ou de apenas alguns modelos climáticos.

Neste novo estudo, os autores fizeram uma análise global usando projeções de temperatura de 21 modelos climáticos e projeções de população e economia para cinco cenários socioeconômicos. Essas informações foram inseridas em um modelo estatístico para calcular as mudanças na demanda por três combustíveis e quatro setores econômicos, para determinar como a demanda de energia mudaria em relação ao clima atual, sob cenários modestos e de alto aquecimento em torno de 2050.

Os resultados indicam que, em comparação com os cenários de referência em que a demanda de energia é impulsionada apenas pelo crescimento da população e da renda, as mudanças climáticas aumentam a demanda global de energia por volta de 2050 em 11-27% com moderado aquecimento e 25-58% com aquecimento vigoroso. Grandes áreas dos trópicos, assim como o sul da Europa, a China e os EUA, provavelmente experimentarão os maiores aumentos. As maiores mudanças na demanda são devidas à eletricidade necessária para o resfriamento e ocorrem nos setores industrial e de serviços da economia.

A magnitude do aumento depende de três fatores incertos: os caminhos futuros das emissões globais de gases de efeito estufa, as diferentes maneiras pelas quais os modelos climáticos usam essas informações para projetar extremos de temperaturas quentes e frias em várias regiões do mundo e a maneira pela qual os países os padrões de consumo mudam sob diferentes cenários de futuros aumentos de população e renda.

“Uma maneira importante pela qual a sociedade se adaptará ao aumento das temperaturas da mudança climática é aumentando o resfriamento durante as estações quentes e diminuindo o aquecimento durante as estações frias. Mudanças no condicionamento espacial impactam diretamente os sistemas de energia, pois as empresas e residências exigem menos gás natural, petróleo e eletricidade para atender às necessidades mais baixas de aquecimento e mais eletricidade para satisfazer as necessidades de refrigeração ”, explica a coautora do estudo, Enrica de Cian, da Universidade Ca ‘Foscari. de Veneza e do Centro Euromediterrânico sobre as Alterações Climáticas (CMCC).

“Se o aquecimento futuro fará com que a demanda por energia aumente ou diminua é uma questão crucial”, acrescenta o coautor do estudo, Ian Sue Wing, pesquisador da Universidade de Boston. “Se o uso de energia aumenta e leva a emissões adicionais de gases de efeito estufa que aprisionam o calor, o aumento do consumo de energia para condicionamento de espaço poderia tornar mais difícil e oneroso mitigar o aquecimento futuro. Quantificar este risco requer compreender como a demanda por energia por diferentes tipos de consumidores em diferentes climas será afetada pelo aquecimento. Os resultados de nosso estudo podem no futuro ser usados para calcular como a dinâmica do mercado de energia determinará mudanças no consumo de energia e emissões ”.

Segundo os autores, uma importante qualificação é que os resultados do estudo representam os impactos iniciais do aquecimento global. Eles não levam em conta os ajustes adicionais no fornecimento de combustível e preços, e as subsequentes respostas de substituição por produtores e consumidores em todo o mundo que os impactos desencadearão. Embora essas forças provavelmente levem a mudanças extremas no consumo de energia que são menos extremas, elas também incorrem em custos de adaptação que afetarão a economia mais ampla e a renda das famílias.

“Quanto menor o nível de renda por pessoa, maior a parcela de renda que as famílias precisam gastar para se adaptar a um determinado aumento na demanda de energia”, diz Bas van Ruijven, pesquisador do Programa IIASA Energia e principal autor do estudo . “Alguns cenários em nosso estudo pressupõem um crescimento continuado da população e, nesses casos, o aumento da temperatura em 2050 pode expor meio bilhão de pessoas nos países de renda mais baixa do Oriente Médio e África a um aumento na demanda de energia de 25% ou mais. Os pobres enfrentam desafios à adaptação que não são apenas financeiros – em áreas que têm fornecimento de eletricidade não confiável, ou falta de conexões de rede, o aumento da exposição a dias quentes aumenta o risco de doenças relacionadas ao calor e mortalidade ”.

Enquanto as sociedades estão fazendo o melhor para mitigar a mudança climática, os formuladores de políticas precisam estar cientes de que mesmo os níveis moderados de mudança climática levarão a aumentos na demanda por energia em várias áreas ao redor do mundo. O desenvolvimento econômico em países empobrecidos será essencial para ajudar as pessoas a se adaptarem aos impactos das mudanças climáticas.

Referência:

van Ruijven BJ, De Cian E, Wing IS (2019). Amplification of Future Energy Demand Growth due to Climate Change. Nature Communications DOI: 10.1038/s41467-019-10399-3 [http://pure.iiasa.ac.at/id/eprint/15966/]

 

Fonte: International Institute for Applied Systems Analysis (IIASA), com tradução e edição de Henrique Cortez, EcoDebate.

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 26/06/2019

Em meados do século, a mudança climática aumentará a demanda por energia, mesmo com aquecimento moderado

, in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 26/06/2019, https://www.ecodebate.com.br/2019/06/26/em-meados-do-seculo-a-mudanca-climatica-aumentara-a-demanda-por-energia-mesmo-com-aquecimento-moderado/.

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Top