O colapso econômico e político do regime de Daniel Ortega na Nicarágua, artigo de José Eustáquio Diniz Alves

 

O colapso econômico e político do regime de Daniel Ortega na Nicarágua

[EcoDebate] A Nicarágua é um das nações mais pobres da América Latina. O país sofreu muito com a ditadura da família Somoza que se manteve no poder entre 1936 e 1979, primeiro com Anastásio Somoza que governou de 1936 a 1956, depois Luis Somoza (filho) de 1967 a 1972 e finalmente Anastásio Somoza (irmão de Luis) de 1972 a 1979.

Em 1979 ocorre a Revolução da Nicarágua (que inspirou toda a América Latina) e a Frente Sandinista de Libertação Nacional (FSLN) assume o poder, elegendo Daniel Ortega como presidente do país. Mas, em 1990, os sandinistas perdem as eleições para Violeta Chamorro, o que deu início a uma série de governos liberais.

Porém, em novembro de 2006 a FSLN vence as eleições e Daniel Ortega volta ao poder para iniciar um governo com discurso de esquerda, mas com práticas corruptas e autoritárias, que lembram os métodos da ditadura Somoza. Depois da crise econômica global de 2009, a economia nicaraguense voltou a crescer e apresentou crescimento anual do Produto Interno Bruto (PIB) entre 4 e 6% ao ano, entre 2010 e 2017, conforme mostra o gráfico abaixo.

O relatório do FMI divulgado em abril do ano passado (WEO2018) estimava que o PIB da Nicarágua continuaria crescendo acima de 4% ao ano. Porém, a realidade mudou e o PIB nicaraguense apresentou uma queda de 4% em 2018 e deve cair 5% em 2019, segundo o novo relatório do FMI (WEO2019).

 

Taxa de crescimento anual do PIB da Nicarágua: 1994-2022
Taxa de crescimento anual do PIB da Nicarágua: 1994-2022
Fonte: FMI, WEO, abril/2019 https://www.imf.org/external/datamapper/datasets/WEO

 

A renda per capita da Nicarágua que estava abaixo de US$ 3 mil (só acima da renda do Haiti) subiu nos anos 2000 e chegou a US$ 5,3 mil em 2017. Contudo, ao invés de subir para a casa de US$ 6 mil como previu o relatório WEO2018 do FMI, a renda per capita caiu em 2018 e deve ficar abaixo de US$ 5 mil nos próximos anos, de acordo com os dados do relatório WEO2019, conforme mostra o gráfico abaixo.

 

Renda per capita (em preços constantes – ppp) da Nicarágua: 1994-2022
Renda per capita (em preços constantes – ppp) da Nicarágua: 1994-2022
Fonte: FMI, WEO, abril/2019 https://www.imf.org/external/datamapper/datasets/WEO

 

O que mudou foi o agravamento das condições de vida da população e o surgimento de uma “nova revolução” que está em curso na Nicarágua, quando o povo se mobiliza contra a FSLN e, especialmente, contra o governo de Daniel Ortega e sua esposa (e vice-presidente).

Em meados de abril de 2018, centenas de milhares de nicaraguenses tomaram as ruas da capital Manágua para protestar contra as medidas econômicas do governo. A resposta governamental foi implacável: por meio de prisões (há 647 presos políticos), torturas, violências sexuais contra manifestantes presas e centenas de assassinatos (cerca de 550 mortos).

Entre os mortos estava a estudante brasileira Raynéia Gabrielle Lima, de 31 anos, vítima de disparos efetuados por um grupo paramilitar no sul de Manágua. As manifestações ocorridas nas jornadas de junho de 2013 no Brasil foram fichinha perto do que acontece na Nicarágua a partir de abril de 2018.

O ex-revolucionário sandinista agora é alvo da ira popular. Mas Daniel Ortega tem também outras manchas no currículo. O documentário “Exiliada”, conta a história de Zoilamérica Narváez Murillo, abusada pelo padrasto durante 12 anos, desde que tinha 11 (hoje tem 52). A mãe de Zoilamérica é Rosario Murillo e o padrasto é Daniel Ortega. Segundo denúncias da enteada do presidente da Nicarágua apresentada em 1998, quando já estava com 31 anos, ele abusava dela nos closets de quartos de hotéis em que se hospedava durante as assembleias gerais da ONU em Nova York. Tudo isto com apoio de Rosario Murillo, que abandonou a filha à própria sorte, favorecendo o companheiro e seu projeto de poder.

O fato é que o governo da Nicarágua está em franco confronto com o povo do país. O escritor Eric Nepomuceno, que participou e apoiou a Revolução Sandinista desde o início, hoje tem uma visão extremamente crítica à Dinastia Ortega e à atuação do presidente. Em artigo no sítio Carta Maior ele diz: “Um traidor é e sempre será um traidor. Mas há traidores de pior categoria. José Daniel Ortega Saavedra pertence, com méritos, a essa espécie”.

 

José Eustáquio Diniz Alves, Colunista do Portal EcoDebate, é Doutor em demografia e professor titular do mestrado e doutorado em População, Território e Estatísticas Públicas da Escola Nacional de Ciências Estatísticas – ENCE/IBGE; Apresenta seus pontos de vista em caráter pessoal. E-mail: jed_alves@yahoo.com.br

 

Referência:
Eric Nepomuceno. Daniel Ortega: uma história de traição, Carta Maior, 13/06/2018
https://www.cartamaior.com.br/?/Editoria/Politica/Daniel-Ortega-uma-historia-de-traicao/4/40589

 

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 26/04/2019

O colapso econômico e político do regime de Daniel Ortega na Nicarágua, artigo de José Eustáquio Diniz Alves, in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 26/04/2019, https://www.ecodebate.com.br/2019/04/26/o-colapso-economico-e-politico-do-regime-de-daniel-ortega-na-nicaragua-artigo-de-jose-eustaquio-diniz-alves/.

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Top