As mudanças climáticas intensificaram as chuvas extremas do furacão Maria, que atingiu Porto Rico em 2017

 

O furacão Maria causou mais chuvas em Porto Rico do que qualquer tempestade que atingiu a ilha desde 1956, um feito devido principalmente aos efeitos do aquecimento causado pelo homem, segundo uma nova pesquisa.

American Geophysical Union*

Um novo estudo que analisa a história do furacão de Porto Rico mostra que, em 2017, Maria teve a maior precipitação média das 129 tempestades atingidas na ilha nos últimos 60 anos. Uma tempestade de magnitude de Maria é quase cinco vezes mais provável de se formar agora do que durante a década de 1950, um aumento devido em grande parte aos efeitos do aquecimento induzido pelo homem, de acordo com os autores do estudo.

“O que descobrimos foi que a magnitude da precipitação de Maria é muito mais provável no clima de 2017, quando ocorreu em 1950, em comparação com o início do recorde”, disse David Keellings, geógrafo da Universidade do Alabama, em Tuscaloosa, e principal autor do estudo na revista Geophysical Research Letters da AGU .

Estudos anteriores atribuíram as chuvas recorde do furacão Harvey à mudança climática, mas ninguém havia olhado em profundidade para as chuvas de Maria, que atingiu Porto Rico menos de um mês depois que Harvey devastou Houston e a Costa do Golfo. Precipitações extremas durante as duas tempestades causaram inundações sem precedentes que os colocaram entre os três furacões mais caros já registrados (o outro foi o furacão Katrina em 2005).

O novo estudo contribui para o crescente corpo de evidências de que o aquecimento causado pelos seres humanos está tornando eventos climáticos extremos como esses mais comuns, de acordo com os autores.

“Algumas coisas que estão mudando a longo prazo estão associadas à mudança climática – como a atmosfera ficando mais quente, temperaturas da superfície do mar aumentando e mais umidade disponível na atmosfera – juntas elas tornam algo mais parecido com Maria em termos de magnitude de precipitação ”, disse Keellings.

Construindo uma história de chuva

José Javier Hernández Ayala, pesquisador do clima na Sonoma State University, na Califórnia, e co-autor do novo estudo, é originário de Porto Rico e sua família foi diretamente afetada pelo furacão Maria. Após a tempestade, Hernández Ayala decidiu se juntar a Keellings para ver como Maria era incomum em comparação com as tempestades anteriores que atingiram a ilha.

 

Comparação de luzes à noite em Porto Rico antes (em cima) e depois (abaixo) do furacão Maria. Crédito: NOAA.
Comparação de luzes à noite em Porto Rico antes (em cima) e depois (abaixo) do furacão Maria. Crédito: NOAA.

 

Os pesquisadores analisaram as chuvas dos 129 furacões que atingiram Porto Rico desde 1956, o primeiro ano com registros nos quais eles podiam confiar. Eles descobriram que o furacão Maria produzia a maior chuva diária dessas 129 tempestades: impressionantes 1.029 milímetros (41 polegadas) de chuva. Isso coloca Maria entre os 10 maiores furacões que já atingiram o território dos Estados Unidos.

“Maria é mais extrema em sua precipitação do que qualquer outra coisa que a ilha já viu”, disse Keellings. “Eu só não esperava que fosse muito mais do que qualquer outra coisa que tenha acontecido nos últimos 60 anos.”

Keellings e Hernández Ayala também queriam saber se a chuva extrema de Maria era resultado da variabilidade natural do clima ou das tendências de longo prazo, como o aquecimento induzido pelo homem. Para fazer isso, eles analisaram a probabilidade de um evento como Maria acontecer nos anos 50 versus hoje.

Eles descobriram que um evento extremo como Maria tinha 4,85 vezes mais probabilidade de acontecer no clima de 2017 do que em 1956, e que a mudança na probabilidade não pode ser explicada por ciclos climáticos naturais.

No começo do registro observacional nos anos 1950, uma tempestade como Maria provavelmente derrubaria aquela chuva a cada 300 anos. Mas em 2017, essa probabilidade caiu para cerca de uma vez a cada 100 anos, de acordo com o estudo.

Devido à mudança climática antropogênica, agora é muito mais provável que recebamos esses furacões que derrubam grandes quantidades de precipitação”, disse Keellings.

As descobertas mostram que a influência humana na precipitação de furacões já começou a se tornar evidente, segundo Michael Wehner, cientista climático do Laboratório Nacional Lawrence Berkeley, em Berkeley, Califórnia, que não estava conectado ao novo estudo. Como grande parte do dano de Maria deveu-se à inundação causada pela quantidade extrema de chuva, é seguro dizer que parte desses danos foi exacerbada pela mudança climática, disse Wehner.

Referência:

Keellings, D., & Hernández Ayala, J. J. ( 2019). Extreme rainfall associated with Hurricane Maria over Puerto Rico and its connections to climate variability and change. Geophysical Research Letters, 46, 2964– 2973. https://doi.org/10.1029/2019GL082077

 

* Tradução e edição de Henrique Cortez, EcoDebate.

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 24/04/2019

"As mudanças climáticas intensificaram as chuvas extremas do furacão Maria, que atingiu Porto Rico em 2017," in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 24/04/2019, https://www.ecodebate.com.br/2019/04/24/as-mudancas-climaticas-intensificaram-as-chuvas-extremas-do-furacao-maria-que-atingiu-porto-rico-em-2017/.

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Deixe uma resposta

Top