Comunidades rurais da China são mais vulneráveis a eventos climáticos extremos do que as pessoas que vivem em áreas urbanas

 

Quente ou frio, os moradores rurais são mais vulneráveis a eventos climáticos extremos

International Institute for Applied Systems Analysis (IIASA)*

 

Temperaturas extremas, tanto frias quanto quentes, trazem maior risco de mortalidade para as pessoas que vivem nas comunidades rurais da China do que nas áreas urbanas, de acordo com um estudo recente publicado na revista Environmental Health Perspectives. A disparidade entre o risco de mortalidade urbano e rural foi encontrada em toda a população, mas foi maior para as mulheres do que para os homens e para as pessoas com mais de 65 anos.

“Estes resultados vão contra a suposição geral de que os residentes urbanos estão em maior risco devido ao efeito de ilha de calor urbana, que aumenta as temperaturas nas cidades em comparação com as áreas circundantes”, diz o pesquisador do IIASA, Stefan Hochrainer-Stigler, co-autor do estudo. liderada pelo participante do Programa de Verão dos Jovens Cientistas de 2016 (YSSP), Kejia Hu, em colaboração com outros pesquisadores na China e no IIASA.

“O risco é composto por três elementos-chave – perigo, exposição e vulnerabilidade”, diz Wei Liu, pesquisador do IIASA. “Embora as ondas de calor urbanas possam significar um nível de risco mais alto, as populações urbanas têm menos tempo de trabalho ao ar livre e melhor habitação, talvez com ar condicionado, que reduz a exposição, além de melhor acesso ao suporte de saúde pública, o que reduz a vulnerabilidade.

É bem sabido que o calor e o frio extremos causam mortes. Os extremos de temperatura podem levar tanto à mortalidade direta por exposição quanto a exacerbar outras doenças, incluindo doenças cardíacas e respiratórias. No entanto, a maioria dos estudos anteriores sobre este tópico tem se concentrado em países desenvolvidos, e muito poucos diferenciaram entre populações urbanas e rurais, seja em termos de dados de temperatura ou exposição da população.

Na nova análise, os pesquisadores usaram dados meteorológicos, poluição do ar, densidade populacional e mortalidade da província de 2009 a 2015 para estimar o número de mortes urbanas e rurais atribuíveis a temperaturas quentes e frias.

As novas descobertas sugerem que, deixando de fora diferenças importantes entre as áreas rurais e urbanas e as populações, estudos anteriores podem ter subestimado o impacto global das temperaturas extremas na mortalidade da população.

“Este é o primeiro estudo realizado em um país em desenvolvimento que encontra uma disparidade rural-urbana nos riscos de mortalidade por calor e frio. É importante observar que os riscos de mortalidade (associados a temperaturas frias e altas eram mais altas nas áreas rurais do que nas áreas urbanas”. para todos os tipos de doenças, pessoas com idade superior a 65 anos e ambos os grupos de sexo “, diz Hochrainer-Stigler.

Os pesquisadores dizem que suas descobertas têm importantes implicações para a política, particularmente nos países em desenvolvimento. Investimentos em saúde em áreas rurais poderiam ajudar a reduzir a vulnerabilidade, e medidas direcionadas para garantir que as pessoas possam aquecer e resfriar suas casas poderiam ajudar a reduzir a exposição.

“Enquanto a urbanização rápida está ocorrendo, no mundo em desenvolvimento ainda existe uma grande porcentagem da população vivendo em áreas rurais”, diz Liu. “Essas pessoas são mais propensas a trabalhar longos dias ao ar livre e também a ter uma cobertura deficiente do sistema de saúde pública. Esses dois fatores levam a uma maior vulnerabilidade”.

 

Evidence for Urban–Rural Disparity in Temperature–Mortality Relationships in Zhejiang Province, China

 

Referência:

Hu K, Guo Y, Hochrainer-Stigler S, Liu W , See L, Yang X, Zhong J, Fei F, et al. (2019). Evidence for Urban–Rural Disparity in Temperature–Mortality Relationships in Zhejiang Province, China. Environmental Health Perspectives 127 (3): e037001. DOI:10.1289/EHP3556.
[http://pure.iiasa.ac.at/id/eprint/15773/]

 

* Tradução e edição de Henrique Cortez, EcoDebate.

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 12/03/2019

"Comunidades rurais da China são mais vulneráveis a eventos climáticos extremos do que as pessoas que vivem em áreas urbanas," in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 12/03/2019, https://www.ecodebate.com.br/2019/03/12/comunidades-rurais-da-china-sao-mais-vulneraveis-a-eventos-climaticos-extremos-do-que-as-pessoas-que-vivem-em-areas-urbanas/.

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Top