Mudança climática e infertilidade – uma bomba-relógio?

 

O aumento das temperaturas pode tornar algumas espécies estéreis e vê-las sucumbir aos efeitos da mudança climática mais cedo do que se pensava.

“Há o risco de estarmos subestimando o impacto da mudança climática na sobrevivência das espécies, porque nos concentramos nas temperaturas letais para os organismos, e não nas temperaturas nas quais os organismos não podem mais se reproduzir”, explica Tom Price, da Universidade. Instituto de Biologia Integrativa .

University of Liverpool*

Atualmente, biólogos e conservacionistas estão tentando prever onde as espécies serão perdidas devido à mudança climática, para que possam construir reservas adequadas nos locais que eventualmente precisarão se mudar. No entanto, a maioria dos dados sobre quando a temperatura irá impedir que as espécies sobrevivam em uma área é baseada no ‘limite térmico crítico’ ou CTL – a temperatura em que eles colapsam, param de se mover ou morrem.

Em um novo artigo de opinião publicado no Trends in Ecology and Evolution , os pesquisadores destacam que dados extensos de uma grande variedade de plantas e animais sugerem que os organismos perdem a fertilidade a temperaturas mais baixas que os CTL.

Certos grupos são considerados mais vulneráveis à perda de fertilidade induzida pelo clima, incluindo animais de sangue frio e espécies aquáticas. “Atualmente, as informações que temos sugerem que isso será um problema sério para muitos organismos. Mas quais estão mais em risco? Será que as perdas de fertilidade serão suficientes para acabar com as populações, ou apenas alguns poucos indivíduos férteis podem manter as populações? No momento, simplesmente não sabemos. Precisamos de mais dados ”, diz o Dr. Price.

Para ajudar a resolver isso, os pesquisadores propõem outra medida de como os organismos funcionam em temperaturas extremas que se concentram na fertilidade, que eles chamaram de Limite de Fertilidade Térmica ou “TFL”.

“Acreditamos que, se os biólogos estudarem TFLs e CTLs, poderemos descobrir se as perdas de fertilidade causadas pela mudança climática são algo com que se preocupar, quais organismos são particularmente vulneráveis a essas perdas de fertilidade térmica e como projetar programas de conservação. Isso permitirá que as espécies sobrevivam às mudanças climáticas.

“Precisamos de pesquisadores em todo o mundo, trabalhando em sistemas muito diferentes, de peixes, coral, flores, mamíferos e moscas, para encontrar uma maneira de medir como a temperatura afeta a fertilidade naquele organismo e compará-lo com as estimativas da temperatura. em que eles morrem ou param de funcionar “, exorta o Dr. Price.

O trabalho foi realizado em colaboração com cientistas da Universidade de Leeds, Universidade de Melbourne e Universidade de Estocolmo e foi financiado pelo Conselho de Pesquisa do Ambiente Natural do Reino Unido (NERC).

 

Exemplos de organismos que podem estar particularmente em risco de perder a fertilidade devido a altas temperaturas
Imagem: Exemplos de organismos que podem estar particularmente em risco de perder a fertilidade devido a altas temperaturas. Todas as fotografias estão licenciadas sob CC BY 2.0. Créditos: Joaquim Alves Gaspar, Charles Sharp, Toby Hudson e David Glass.

 

 

Referência:

The Impact of Climate Change on Fertility, Trends in Ecology & Evolution, DOI: https://doi.org/10.1016/j.tree.2018.12.002

 

* Tradução e edição de Henrique Cortez, EcoDebate.

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 30/01/2019

"Mudança climática e infertilidade – uma bomba-relógio?," in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 4/02/2019, https://www.ecodebate.com.br/2019/02/04/mudanca-climatica-e-infertilidade-uma-bomba-relogio/.

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Top