Novo estudo estabelece ligação causal entre clima, conflito e migração

 

A pesquisa liderada pelo IIASA estabeleceu um nexo causal entre clima, conflito e migração pela primeira vez, algo que tem sido amplamente sugerido na mídia, mas para o qual as evidências científicas são escassas.

International Institute for Applied Systems Analysis (IIASA)*

 

Migrantes esperam na fila para se registrarem em Berlim, na Alemanha
UNICEF / Ashley Gilbertson VII – Migrantes esperam na fila para se registrarem em Berlim, na Alemanha.

 

Há numerosos exemplos nas últimas décadas em que as condições climáticas foram responsabilizadas por criar agitação política, guerra civil e, posteriormente, ondas de migração. Um exemplo importante é o conflito em curso na Síria, que começou em 2011. Muitos países mediterrâneos costeiros da Europa também estão inundados de refugiados que chegam por via marítima que fogem do conflito na África.

Os investigadores do IIASA Guy Abel (também afiliado à Universidade de Xangai), Jesus Crespo Cuaresma (também Universidade de Economia e Negócios de Viena), Raya Muttarak (também Universidade de East Anglia) e Michael Brottrager (Johannes Kepler University Linz) procuraram descobrir se é um nexo causal entre a mudança climática e a migração e a natureza dela. Eles descobriram que, em circunstâncias específicas, as condições climáticas levam ao aumento da migração, mas indiretamente, causando conflitos.

“Esta pesquisa aborda o tema amplamente abordado na mídia. Contribuímos para o debate sobre a migração induzida pelo clima, fornecendo novas evidências científicas ”, diz Muttarak.

Os requerentes de asilo têm maior probabilidade de serem influenciados por conflitos do que os migrantes habituais, pelo que os investigadores optaram por utilizar dados de pedidos de asilo de 157 países entre 2006 e 2015 para estudar os padrões. Esses dados foram obtidos das altas comissões das Nações Unidas para os Direitos Humanos (ACNUR).

Como uma medida das condições climáticas nos países originais dos requerentes de asilo, a equipe usou o Índice Padronizado de Evapotranspiração-Precipitação (SPEI) , que mede as secas comparadas às condições normais, identificando o início e fim das secas e sua intensidade. na precipitação, evaporação, transpiração e condições climáticas, como temperatura. Para avaliar o conflito, Abel e a equipe usaram dados sobre mortes relacionadas a batalhas do Programa de Dados de Conflito de Uppsala (UCDP) .

Esses conjuntos de dados foram introduzidos na estrutura de modelagem dos pesquisadores, juntamente com vários conjuntos de dados socioeconômicos e geográficos. Estes incluíam a distância entre o país de origem e o destino, os tamanhos das populações, as redes de migrantes, o estatuto político dos países e os grupos étnicos e religiosos.

Os pesquisadores descobriram que a mudança climática desempenhou um papel significativo na migração, com secas mais severas ligadas à exacerbação de conflitos.

O efeito do clima sobre os conflitos é particularmente relevante para os países da Ásia ocidental de 2010-12, como a chamada Primavera Árabe, revoltas políticas que ocorreram em países como a Tunísia, Líbia e Iêmen, e na Síria, onde o conflito levou a uma guerra civil em curso. Na Síria, particularmente, secas e escassez de água causadas pela mudança climática resultaram em repetidas falhas nas colheitas, com as famílias rurais eventualmente se mudando para áreas urbanas. Isso, por sua vez, levou à superlotação, desemprego e agitação política, e depois à guerra civil. Padrões semelhantes também foram encontrados na África subsaariana no mesmo período de tempo.

“As alterações climáticas não causarão conflitos e subsequentes fluxos de busca de asilo em todo o lado. Mas em um contexto de má governança e um nível médio de democracia, condições climáticas severas podem criar conflitos sobre recursos escassos ”, diz Crespo Cuaresma.

Os pesquisadores dizem que as preocupações relacionadas ao conflito induzido pela mudança climática que leva à migração devem ser consideradas no contexto dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) da ONU. Atualmente, a ligação entre as mudanças climáticas e a migração não é explícita, e elas não são tratadas como inter-relacionadas. Mais pesquisas são necessárias para entender melhor os fluxos migratórios.

Referência

Abel GJ, Brottrager M, Crespo Cuaresma J, Muttarak R (2019). Climate, conflict and forced migration. Global Environmental Change DOI: 10.1016/j.gloenvcha.2018.12.003 [pure.iiasa.ac.at/15684]
http://dx.doi.org/10.1016/j.gloenvcha.2018.12.003

 

* Tradução e edição de Henrique Cortez, EcoDebate

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 24/01/2019

"Novo estudo estabelece ligação causal entre clima, conflito e migração," in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 24/01/2019, https://www.ecodebate.com.br/2019/01/24/novo-estudo-estabelece-ligacao-causal-entre-clima-conflito-e-migracao/.

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Top