Os caminhos invertidos das economias da Venezuela e do Vietnã, artigo de José Eustáquio Diniz Alves

 

PIB da Venezuela e do Vietnã

 

[EcoDebate] A única coisa em comum entre a Venezuela e o Vietnã é a letra V. Mas, parece que no Vietnã o V significa vitória e na Venezuela atual o V significa vergonha. Não existe destino preestabelecido para as nações. Quem estava em cima pode cair e quem estava embaixo pode subir. Tudo depende do projeto nacional que é adotado e da capacidade de união do povo para conquistar uma boa qualidade de vida.

O Vietnã conviveu com um logo ciclo de guerras e pobreza. Em meados do século XIX, o Vietnã foi invadido e dominado pela França, dando início a quase um século de ocupação na chamada “União da Indochina” – Vietnã, Laos e Camboja. Em 1940, os alemães ocuparam a França, que perdeu controle sobre suas colônias da Indochina. Em 1941 os japoneses invadiram o Vietnã. Terminada a guerra, em agosto de 1945, o líder comunista Ho Chi Minh protestando contra os colonizadores levou avante a luta pela independência criando a República Democrática do Vietnã.

Porém, a França não desistiu de manter o poder colonial, provocando a Guerra da Indochina que durou quase uma década, terminando em 1954 com a divisão do Vietnã em dois países: o Vietnã do Norte, presidido por Ho Chi Minh e apoiado pela China e o Vietnã do Sul, anticomunista, apoiado pelos Estados Unidos. Em 1965, os primeiros soldados americanos desembarcaram no país ampliando a Guerra do Vietnã, que causou milhões de vítimas e durou até 1975. Com as derrotas da França e dos Estados Unidos, foi criada a República Socialista do Vietnã, em julho de 1976.

Todavia, nos dez anos seguintes, o país viveu o período da “economia subsidiada” (Bao Cap), marcado pela coletivização da agricultura, pelos campos de reeducação forçada, pelo aumento da pobreza e pela carestia generalizada. Houve a fuga de centenas de milhares de refugiados vietnamitas, conhecidos “boat people”. Em 1986, o país estava falido e com uma inflação de mais de três dígitos (700% ao ano).

O Vietnã estava ficando para trás não só em relação às economias mais avançadas (Japão, Coreia do Sul, Taiwan, Singapura), mas também em relação à Tailândia, Malásia e, especialmente a China que iniciou suas reformas em dezembro de 1978, conforme propostas por Deng Xiaoping. Para mudar este quadro, o partido comunista, em 1986, iniciou o período chamado de “renovação” (Doi Moi), permitindo a substituição da coletivização das terras e o controle estatal generalizado pela paulatina abertura econômica do país, com reformas liberalizantes, privatizações e atração de investimentos externos – uma economia de mercado com orientação socialista, seguindo o exemplo da China.

A partir destas mudanças, o Vietnã deu início a um período de crescimento acelerado da economia com redução da pobreza. O gráfico acima, com dados do FMI, mostra que, em 1980, o Produto Interno Bruto (em preços correntes, em poder de paridade de compra – ppp) do Vietnã, de US$ 23,6 bilhões, era 5 vezes menor do que o da Venezuela, de US$ 117,2 bilhões. Mas nas décadas seguintes esta diferença foi se reduzindo e houve praticamente empate em 2014, quando os dois países tiveram um PIB pouco acima de US$ 500 bilhões (mas ainda com uma ligeira vantagem da Venezuela). A partir de 2015 a economia do vietnamita superou a economia venezuelana. Em 2018, o PIB do Vietnã, de US$ 705,8 bilhões foi mais de 2 vezes superior ao PIB de US$ 331 bilhões da Venezuela. Para 2023, o FMI estima que o PIB do Vietnã, de US$ 1,1 trilhão, será mais de 3 vezes superior ao PIB de US$ 320 bilhões da Venezuela.

O gráfico abaixo, também com dados do FMI, mostra que a renda per capita (em poder de paridade de compra – ppp) da população vietnamita passou de US$ 1 mil em 1980 para US$ 6,6 mil em 2018. O crescimento médio da renda per capita foi de 5,1% ao ano, no período. Para 2023, o FMI estima que o Vietnã terá uma renda per capita de US$ 8,7 mil. Todos os indicadores demográficos e sociais melhoraram e o Vietnã deixou de ser um país em guerra e gerador de refugiados. O Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) passou de 0,475 em 1990 para 0,694 em 2017. A taxa de homicídios foi de 3,8 por 100 mil em 2016, segundo a OMS.

 

renda per capita da Venezuela e do Vietnã

 

Estas estatísticas do Vietnã contrastam fortemente com as estatísticas da Venezuela, pois o país latino-americano segue uma rota inversa ao do país asiático. Em 1980, a Venezuela tinha uma renda per capita de 18,3 mil, a maior renda entre os países da América Latina, sendo 18 vezes superior à renda per capita do Vietnã. Em 2018, a renda per capita da Venezuela tinha caído pela metade (US$ 9,3 mil), sendo pouco maior do que a do Vietnã. Mas a estimativa do FMI aponta que antes de 2023 a população vietnamita terá uma renda per capita superior à renda per capita venezuelana.

Embora a Venezuela tenha reservas petrolíferas equivalentes às da Arábia Saudita, a produção de petróleo vem caindo ano a ano e os danos ambientais são cada vez maiores, como mostra reportagem do site Bloomberg: “Os vazamentos são sinais visíveis do que deu tão horrivelmente errado com a toda poderosa PDVSA. A estatal não publica estatísticas, mas ambientalistas, analistas e trabalhadores mantêm listas aparentemente intermináveis de exemplos de vazamentos de petróleo – desencadeado por válvulas quebradas, juntas rasgadas, canos rachados e assim por diante – que, segundo eles, contaminaram cursos de água, terras agrícolas e infiltrações em aquíferos” (24/11/2018).

O jornal El País relata que a crise levou à criação de serviços de apoio para lidar com casos de depressão, suicídios e um desânimo generalizado: “Em pouco mais de uma década, o alto índice de bem-estar subjetivo que o instituto Gallup atribuía aos venezuelanos desapareceu. A Venezuela costumava estar entre os países mais felizes. Em 2006, quando foi feita a primeira medição, 59% da população considerava que sua situação era pujante — a percentagem mais alta na América Latina —, e apenas 4% indicavam que estavam em condição de sofrimento. Uma década depois, a situação se inverteu: os pujantes caíram para 13%, índice menor apenas que o do Haiti” (24/11/2018).

O contraste entre os dois Vs é realmente chocante. O país asiático, liderado pelo partido comunista, tem conseguido sucesso econômico e social, não tem mais problemas de inflação e de refugiados e tem um taxa de violência muito baixa. Já o país do socialismo bolivariano tem sido um fracasso total em termos econômicos e sociais, tem assistido ao aumento da pobreza e da fome, tem provocado a fuga de milhões de refugiados e deve bater o recorde de hiperinflação em 2019 com um valor superior a 10.000.000% (dez milhões), depois de ter uma hiperinflação de 2,5 milhões em 2018. A taxa de homicídios, uma das mais altas do mundo, foi de 49,2 por 100 mil em 2016, segundo a OMS.

O problema da Venezuela se comparado ao Vietnã, não é a ideologia socialista, pois os comunistas da nação asiática estão conseguindo gerenciar bem o país e elevar o padrão de vida da população vietnamita. Parece que o problema da Venezuela é a existência de uma cleptocracia autoritária e incompetente que está provocando uma mobilidade social descendente como nunca se viu na história. Até o final de 2019, estima-se que cerca de 5 milhões de venezuelanos terão abandonado o país natal.

Nicolás Maduro começa um segundo mandato de seis anos no dia 10 de janeiro de 2019, tendo sido reeleito em um pleito boicotado pela oposição e denunciado como fraudulento pelos EUA, pela União Europeia e por diversos países da América Latina. Os chanceleres do Grupo de Lima, reunidos no dia 04 de janeiro, assinaram um documento em que não reconhecem a “legitimidade do novo mandato do ditador venezuelano”, Nicolás Maduro, por considerar que as últimas eleições presidenciais, em maio, não contaram com as garantias necessárias de um pleito “livre, justo e transparente”. O México foi o único dos 14 países presentes que não assinou o documento, assinado por Argentina, Brasil, Canadá, Chile, Colômbia, Costa Rica, Guatemala, Guiana, Honduras, Panamá, Paraguai, Peru e Santa Lúcia. Também a Assembleia Nacional da Venezuela, que faz oposição ao executivo, declarou no dia 05/01, que o novo mandato de Nicolás Maduro é ilegítimo.

A Venezuela está caminhando para o colapso total e fica mais difícil desconsiderar os erros e as desculpas de Maduro e do sistema Chavista criado para manter o controle centralizado e com forte presença militar. Se o regime bolivariano não abrir mão do poder autocrático e ouvir a vontade da maioria dos habitantes, haverá a continuidade da destruição ampla, geral e irrestrita das mais elementares condições de vida da população venezuelana.

 

José Eustáquio Diniz Alves, Colunista do Portal EcoDebate, é Doutor em demografia e professor titular do mestrado e doutorado em População, Território e Estatísticas Públicas da Escola Nacional de Ciências Estatísticas – ENCE/IBGE; Apresenta seus pontos de vista em caráter pessoal. E-mail: jed_alves@yahoo.com.br

 

Referências:
Fabiola Zerpa. Venezuela Is Leaking Oil Everywhere, Bloomberg, 24/11/2018
https://www.bloomberg.com/news/features/2018-11-24/venezuela-is-leaking-oil-everywhere-and-making-a-dangerous-mess

Florantonia Singer. Depressão e suicídios, os outros números vermelhos da Venezuela, El País, 24/11/2018 https://brasil.elpais.com/brasil/2018/11/22/internacional/1542906296_805078.html

 

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 09/01/2019

Os caminhos invertidos das economias da Venezuela e do Vietnã, artigo de José Eustáquio Diniz Alves, in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 9/01/2019, https://www.ecodebate.com.br/2019/01/09/os-caminhos-invertidos-das-economias-da-venezuela-e-do-vietna-artigo-de-jose-eustaquio-diniz-alves/.

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Um comentário em “Os caminhos invertidos das economias da Venezuela e do Vietnã, artigo de José Eustáquio Diniz Alves

  1. Excelente a matéria do professor José Eustáquio. Parabéns.
    O Vietnã está, certamente, no caminho do desenvolvimento econômico, embora não necessariamente sustentável.
    Um aspecto que poderia contemplar, se continuar com estas análises é o respeito ao meio ambiente que deixa muito a desejar nesse país.

Comentários encerrados.

Top