Fuligem proveniente do tráfego rodoviário contribui para o aquecimento global

 

Redução das emissões de transporte teria impactos positivos na saúde e no clima

Leibniz Institute for Tropospheric Research*

 

La Paz e ao fundo sua icônica montanha Illimani (6439m). Foto: Ever Veimar Huanca Lucero
La Paz e ao fundo sua icônica montanha Illimani (6439m asl). Foto: Ever Veimar Huanca Lucero

 

A fuligem proveniente do tráfego rodoviário em países emergentes pode atingir grandes altitudes, onde pode ser transportada por longas distâncias e, assim, contribui para o aquecimento global.

Esta é a conclusão de um estudo realizado por uma equipe internacional de pesquisadores nas cidades bolivianas de La Paz (sede do governo), El Alto e o vizinho observatório da montanha Chacaltaya. A redução de poluentes do tráfego rodoviário, como partículas de fuligem de carros a diesel, deve, portanto, ter alta prioridade, tanto para proteger a saúde da população, nas conurbações crescentes dos países emergentes, quanto para reduzir o aquecimento global. Os resultados foram publicados na revista Atmospheric Environment .

As partículas de fuligem provenientes dos processos de combustão contribuem significativamente para a poluição do ar porque contêm metais pesados e hidrocarbonetos aromáticos policíclicos que são tóxicos. Uma redução de partículas de fuligem através de restrições de condução para veículos a diesel antigos pode reduzir significativamente o impacto na saúde, como estudos de LfULG e TROPOS mostraram com base na zona de baixa emissão em Leipzig 2017. No entanto, a fuligem não só tem efeito negativo sobre humanos saúde, também contribui para o aquecimento global, absorvendo a radiação solar.

Segundo o último relatório do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC), ainda há grandes incertezas com relação às quantidades e distribuição de fuligem na atmosfera. Enquanto observatórios de altitude nos Himalaias ou nos Alpes fornecem insights sobre esses processos, o quadro ainda é muito incompleto, especialmente para o Hemisfério Sul.

Grandes quantidades de fuligem provavelmente entram na atmosfera através de incêndios florestais nos trópicos, bem como do tráfego nas conurbações em crescimento dos países emergentes. Os cientistas, portanto, esperam obter insights importantes do observatório de altitude de Chacaltaya, na Bolívia, que entrou em operação em 2012. A 5240 metros, a estação é atualmente a estação de medição mais alta do mundo.

Chacaltaya é um observatório único no Hemisfério Sul e de grande importância para a pesquisa atmosférica. Com Bogotá (cerca de 7 milhões de habitantes em 2640m), Quito (cerca de 2 milhões de habitantes em 2850m) e La Paz / El Alto (cerca de 2 milhões de habitantes entre 3400 e 4100 m), várias das cidades de rápido crescimento na América do Sul estão localizadas em alta altitude. Portanto, a poluição do ar nesta região tem um impacto particularmente forte na atmosfera e no clima global

Para o estudo recentemente publicado, a equipe de pesquisadores da Bolívia, Alemanha, França, Estados Unidos, Suécia e Itália foi beneficiada de condições únicas: com três estações em diferentes altitudes (centro de La Paz a 3590m, Aeroporto de El Alto a 4040m e Observatório de Chacaltaya). a 5240m), foi possível explicar o transporte vertical de fuligem.

“As medições mostram claramente como a fuligem do vale da cidade emerge com o ar aquecido até o planalto de El Alto e, em parte, até os picos dos Andes”, explica o professor Alfred Wiedensohler, da TROPOS. Do ponto de vista dos cientistas, não há dúvida de que a fuligem em La Paz vem principalmente do tráfego rodoviário. Durante o censo populacional de 21 de novembro de 2012, todo o tráfego na Bolívia foi completamente proibido por 24 horas, para que a população pudesse ser registrada no local de residência. Apenas ambulâncias foram autorizadas a dirigir para operações de emergência.

“O resultado foi impressionante: a carga de fuligem na estrada foi reduzida de cerca de 20 para menos de um micrograma por metro cúbico. Isso corresponde aproximadamente à redução de 100 para cerca de 5%. Não há maneira mais clara de demonstrar a contribuição da fuligem poluição do tráfego rodoviário “, relata Alfred Wiedensohler. “Essa descoberta é importante porque várias cidades da região podem estar enfrentando o mesmo problema. Por exemplo, Cochabamba, a terceira maior área metropolitana da Bolívia, tem sérios problemas de qualidade do ar, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS). Portanto, este estudo pode contribuir para fortalecer a regulamentação para melhorar a qualidade do ar em diferentes cidades do país ”, acrescenta o Dr. Marcos Andrade da LFA-UMSA,

Para os cientistas envolvidos no estudo, é óbvio que o tráfego crescente com veículos a diesel sem filtros de partículas é um risco crescente para a saúde de milhões de pessoas nas megacidades de países emergentes. A fuligem também está diminuindo os esforços para limitar as mudanças climáticas, reduzindo as emissões de gases de efeito estufa

Referência:

Wiedensohler, A., Andrade, M., Weinhold, K., Müller, T., Birmili, W., Velarde, F., Moreno, I., Forno, R., Sanchez, M. F., Laj, P., Ginot, P., Whiteman, D. N., Krejci, R., Sellegri, K., Reichler, T. (2018): Black carbon emission and transport mechanisms to the free troposphere at the La Paz/El Alto (Bolivia) metropolitan area based on the Day of Census (2012). Atmos. Environ., 194, 158-169 p. doi:10.1016/j.atmosenv.2018.09.032
https://doi.org/10.1016/j.atmosenv.2018.09.032

 

* Tradução e edição de Henrique Cortez, EcoDebate.

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 14/12/2018

Fuligem proveniente do tráfego rodoviário contribui para o aquecimento global, in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 14/12/2018, https://www.ecodebate.com.br/2018/12/14/fuligem-proveniente-do-trafego-rodoviario-contribui-para-o-aquecimento-global/.

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Top