Tendências negligenciadas na precipitação anual revelam riscos subestimados em todo o mundo

 

Uma reanálise das tendências anuais mundiais de precipitação demonstra que o risco para os sistemas humanos e ambientais tem sido subestimado.

Como resultado, pesquisadores encontraram que mais de 38% da população global e mais de 44% da área terrestre experimentaram tendências de precipitação negligenciadas.

University of Maine*

 

chuva
Chuva. Foto: EBC

 

Abordagens de análise de tendências convencionais examinam mudanças na precipitação média anual ao longo do tempo, e erroneamente assumem que mudanças na alta e baixa precipitação seguem o mesmo caminho, de acordo com Anne Lausier, doutoranda em engenharia civil e ambiental da UMaine e bolsista de pesquisa de pós-graduação da National Science Foundation. Shaleen Jain, professor associado de engenharia civil e ambiental.

O registo histórico da precipitação anual é resumido pela função de distribuição de probabilidade (PDF), onde a frequência com que a precipitação ocorre dentro de um determinado intervalo ocorre e a probabilidade de excedência (não-excedência) acima (abaixo) de um dado limite pode ser facilmente estimada .

Em seu artigo, “Overlooked Trends in Observed Global Annual Precipitation Reveal Underestimated Risks”, publicado na revista Scientific Reports, Lausier e Jain apresentam uma tipologia de tendência inovadora usando regressão quantílica e oferecem uma análise abrangente das tendências negligenciadas em todo o mundo.

Sua tipologia de tendência, em vez de se concentrar apenas nas tendências de média e mediana, estende as análises para as caudas superior e inferior do PDF para avaliar a influência combinada do risco e da variabilidade em vários limiares.

As tendências mais negligenciadas incluem um aumento do risco de condições extremas de umidade e aumento da variabilidade encontrados em partes do centro-oeste dos Estados Unidos, norte do Canadá, centro-sul da Ásia e Indonésia – regiões que abrigam quase 860 milhões de pessoas.

Por outro lado, a nova análise abrangente encontrou 840 milhões de pessoas expostas a um risco reduzido de condições de chuva, particularmente na África Austral, América do Sul e partes do norte da Ásia, indicando uma diminuição na incidência de totais anuais elevados.

Estima-se que 630 milhões de pessoas são afetadas por um risco aumentado de condições de seca em partes do sul da Europa, oeste dos EUA, sul do Canadá e norte da África.

Mais de 40% das áreas agrícolas de sequeiro do mundo estão expostas a tendências negligenciadas, incluindo partes da África meridional e ocidental e do centro-oeste dos EUA.

“A adaptação humana à mudança climática requer a compreensão da probabilidade de sofrer impactos prejudiciais”, escrevem Lausier e Jain. “Miscaracterização de riscos para sistemas humanos e ambientais pode subestimar a urgência da adaptação climática ou levar a estratégias inadequadas. Nossos resultados mostram que a população significativa e as áreas de terra na escala global correspondem às mudanças no risco e na variabilidade da precipitação, e são descaracterizadas pelas abordagens convencionais. ”

“Estimativas de risco não confiáveis ou errôneas são uma preocupação especial para contextos e comunidades mais vulneráveis”, dizem os pesquisadores. “Nossos resultados ressaltam como as tendências negligenciadas em termos de extensão espacial, regionalidade e severidade têm implicações para uma série de sistemas humanos e ambientais. A aplicação de nossa abordagem em futuros estudos climáticos permitirá a avaliação de riscos em metas de adaptação mais adequadas ”.

Referência:

Overlooked Trends in Observed Global Annual Precipitation Reveal Underestimated Risks
Anne M. Lausier & Shaleen Jain
Scientific Reportsvolume 8, Article number: 16746 (2018)
https://doi.org/10.1038/s41598-018-34993-5

 

* Tradução e edição de Henrique Cortez, EcoDebate.

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 14/11/2018

Tendências negligenciadas na precipitação anual revelam riscos subestimados em todo o mundo, in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 14/11/2018, https://www.ecodebate.com.br/2018/11/14/tendencias-negligenciadas-na-precipitacao-anual-revelam-riscos-subestimados-em-todo-o-mundo/.

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

2 comentários em “Tendências negligenciadas na precipitação anual revelam riscos subestimados em todo o mundo

  1. APESAR DE TUDO, O PLANETA TERRA É, PARA SEUS HABITANTES, O QUE HÁ DE MAIS IMPORTANTE.

    “Tendências negligenciadas na precipitação anual revelam riscos subestimados em todo o mundo”. [título do artigo].
    Acredito que, quando se referem a “todo o mundo”, estão falando do planeta Terra, e considero essa distorção linguística e de definição uma “ofensa” ao planeta que habitamos; é como se estivessem declarando que seu nome sequer merece ser mencionado. Se não isso, estão presos, ainda, à ideia, há centenas de anos superada, de que a Terra é o universo.
    Seja qual for das hipóteses apresentadas a verdadeira, substituir ‘planeta Terra’ por ‘todo o mundo’ se não significa uma falta de respeito à Terra, representa uma forma de a ela se referir como se fazia há muito tempo, o que demonstra um desconhecimento das descobertas científicas, as quais declaram, atualmente, que o planeta Terra equivale a uma partícula do Universo.
    Portanto, peço, encarecidamente, que todos os escritores, quando falarem do planeta Terra, sintam-se orgulhosos de grafarem, com carinho, planeta Terra, nossa moradia, apesar de tão maltratada e em véspera de sofrer um colapso total, e de nada podermos fazer para evitar essa fatalidade.

Comentários encerrados.

Top