Análise do agronegócio e cadeias produtivas, artigo de Roberto Naime

 

artigo

 

[EcoDebate] HOEFLICH (2007) afirma que o conceito de sistema seria de pouca utilidade se a este não tivesse sido adicionado as ferramentas analíticas, que permitem identificar componentes, determinar fluxos e relações entre componentes e conhecer o desempenho de um sistema.

Este conhecimento é de valor científico, pois com ele é possível determinar limitações e promover intervenções, para aprimorar o funcionamento e desempenho do sistema analisado.

A descrição de um sistema começa pelos seus objetivos que são as razões de sua existência, pela qual o sistema opera. Prossegue com a determinação de seus limites, o que pertence e o que está fora do sistema.

Por exemplo, vai se fazer nova estrada entre São Paulo e Santos. Não faz sentido o sistema abrangido incluir a lua.

Depois vem o contexto, que é o ambiente externo, onde o sistema opera e continua com os componentes, que são os principais segmentos que se relacionam.

A fase descritiva engloba a interação, que são as relações entre os componentes; e os insumos de entradas, que são elementos utilizados pelo sistema, produzidos externamente e produtos de saídas, que são resultados da operação do sistema.

Considerando como sistemas as cadeias produtivas e o agronegócio, a análise desses sistemas implicaria em determinar quais as razões de uma cadeia produtiva existir; até onde e quais elementos pertencem à cadeia produtiva considerada e porquê. Quais os elementos pertinentes que constituem o contexto desses sistemas analisados e quais elementos são competentes da cadeia produtiva e como se relacionam.

E o quê, quando e quanto flui entre os componentes e como se regula estes fluxos, além de quais os insumos utilizados pelos componentes e como são processados internamente para gerar as saídas ou produtos do sistema. E finalizando, qual a natureza qualitativa e quantitativa dos produtos da cadeia produtiva e dos seus subprodutos.

Essas questões apresentadas são apenas iniciadoras do processo analítico, servindo para gerar questões cada vez mais específicas sobre o comportamento dos sistemas em análise. A lógica utilizada neste processo é diferente, partindo do geral para o específico e sempre mantendo a relação entre todas e as partes, o que está no cerne do enfoque sistêmico.

A internacionalização dos mercados finais dos produtos das cadeias produtivas introduziu a necessidade da agricultura ser pensada em termos de iniciadores de desempenho como eficiência produtiva, qualidade de produtos e processos e de competitividade.

Dentro dessas considerações, é fácil constatar uma mudança histórica no perfil dos fatores de produção prioritários para o desenvolvimento da agricultura, de uma situação onde prevaleciam os fatores mão de obra e terra, a agricultura evoluiu para a ênfase no capital, mecanização e terra, que vigorou nas décadas de 1960 e 1970.

Até evoluir para o conceito que começa a predominar nos anos de 1990, no qual os principais fatores para controlar o desempenho da agricultura e lograr sucesso em seus diversos indicadores são primordialmente o conhecimento tecnológico, o de mercados e o de integração agroindustrial (JOHNSON, 1995).

As mudanças verificadas nos mercados finais, com a sua internacionalização, sinalizam impactos que, para serem compreendidos e gerenciados, vão necessitar de visão sistêmica, proporcionada pelo enfoque de agronegócio e cadeias produtivas. Esses impactos serão diferentes, variando de acordo com o tipo de cadeia produtiva.

HOEFLICH (2007) distingue as cadeias produtivas relacionadas com a produção de commodities, tipo milho, trigo, soja, algodão, cacau e cadeias produtivas de produtos diferenciados, como frutas, hortaliças, especiarias.

Num caso é previsível uma intensificação da concorrência internacional pelo mercado de commodities nos próximos anos, sendo previsível que serão competitivas as cadeias produtivas que consigam vantagem pelo preço. Fatores como resíduos tóxicos e origem dos materiais plantados poderão alterar posições de competitividade, como está emergindo no momento, por exemplo, a questão dos alimentos transgênicos.

Já no outro, a busca de preços competitivos pode gerar concorrência interna nas cadeias produtivas. Assim, para as cadeias produtivas de produtos diferenciados, a concorrência poderá ser principalmente pautada pela qualidade e pela agilidade em conquistar e “atender” mercados e seus nichos. Diferenciações de preços serão, possivelmente, de menor importância neste contexto, sendo as questões relativas à qualidade e ao suprimento ágil dos consumidores as de maior impacto sobre a competitividade dessas cadeias produtivas.

Focar a análise da agricultura em cadeias produtivas é uma forma de ampliar a visão para todas as possibilidades de agregação de valor ao produto agrícola, o que pode facilitar a transição de determinados segmentos da situação de produtor de commodities para a de produtor de bens com valor agregado.

Em geral, as possibilidades de agregação de valor ocorrem fora da propriedade agrícola. O setor que representa maior tendência futura de crescimento em valores mobilizados é o de processamento agroindustrial e o de distribuição, o que deverá continuar a se manifestar no futuro, caso se confirme o cenário de tendências.

Contudo, as tendências têm sido confirmada, com pequenas variações. A aceitar como realística as projeções, fica patente que as oportunidades para agregação de valor na agricultura são mais consistentes nos segmentos “depois da porteira” da fazenda.

Assim, a planificação e a gestão desta função só será possível com a ampliação da visão analítica da agricultura, que o conceito de cadeias produtivas e agronegócio pode proporcionar.

Referências:

BERTALANFFY, L. von. An outline of general systems theory. British Journal for the Philosophy and Science, Aberdeen, v.1, p. 134-65, 1950.

BERTALANFFY, L. von. General systems theory: a crítical review. In: BEISHON, J.; PETERS, G. H. Systems behavior. London: Open University, 1972.

BROCKINGTON, N. R. Computer modeling in agriculture. Oxford: Clarendon, 1979. 156p.

CASTRO, A. M. G. de; COBBE, R.V.; GOEDERT, W.J. Prospecção de demandas tecnológicas: manual metodológico para o SNPA. Brasília, DF: EMBRAPA-DPD, 1995. 82 p.

CASTRO, A. M. G.; PAEZ, M. L. A.; LIMA, S. M. V.; GOEDERT, W. J.; FREITAS FILHO, A. de; CAMPOS, F. A. de A.; VACONCELOS, J. R. P. Prospecção de demandas tecnologias no Sistema Nacional de Pesquisa Agropecuária (SNPA). In.: CASTRO, A. M. G.; LIMA, S. M. V.; CAMPOS, F. A de A; VASCONCELOS, J. R. P. Cadeias produtivas e sistemas naturais: prospecção tecnológica. Brasília, DF: EMBRAPA/DPD, 1998.

JOHNSON, B. B.; MARCOVITCH, J. Uses and applications of technology futures in national development: the Brazilian. Experience. Technological Forecasting and Social Change, New York, v.45, p. 1-30, 1994.

JONES, J. G. W. The use of models in agricultural and biological research Institute, 1970. In: SARAVIA, A. Un enfoque de sistemas para el desarrollo agrícola. San Jose, CR: Editorial IICA, 1986. 265 p.

SARAVIA, A. Un enfoque de sistemas para el desarrollo agrícola. San Jose, CR: Editorial IICA, 1986. 265 p.

ZYLBERSZTAJN. D. Políticas agrícolas e comércio mundial: “Agribusiness”: conceito, dimensões e tendências. In: FAGUNDES. H.H. (Org.). Instituto de Pesquisas Econômicas Aplicadas. Brasília, DF: IPEA, 1994. (Estudos de Política Agrícola, n. 28).

HOEFLICH, V. A. Agronegócio: enfoque sistêmico na agricultura. In: HOEFLICH, V. A. Cadeia produtiva do negócio florestal. Curitiba: UFPR; Colombo: Embrapa Florestas, 2007. 17. Apostila do Curso de Pós-Graduação em Gestão Florestal.

 

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 16/10/2018

Análise do agronegócio e cadeias produtivas, artigo de Roberto Naime, in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 23/10/2018, https://www.ecodebate.com.br/2018/10/23/analise-do-agronegocio-e-cadeias-produtivas-artigo-de-roberto-naime/.

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Top