200 mil campos de futebol: esse é o cenário atual do desmatamento no Brasil, artigo de Rodrigo Berté

 

desmatamento

 

[EcoDebate] Nos últimos anos temos percebido que ao invés de as políticas públicas estarem voltadas para o desenvolvimento sustentável, as mesmas estão em desencontro com as propostas de todos os países que buscam crescer e ao mesmo tempo equilibrar a utilização dos recursos naturais.

No Brasil, desde a Eco Rio 92, que estabeleceu a agenda de compromissos globais, a Agenda 21 – composta por 21 compromissos para melhorar as relações do homem com a natureza -, pouco se tem feito, ou ainda há muito para se fazer. Estamos em momentos de discussões sobre a Agenda 2030, que propõe além de revisar as propostas do século passado, criar um movimento positivo de relações que garantirão a perpetuação da espécie humana no planeta e dos demais seres vivos. Porém, os dados não são tão positivos, segundo estudos do Imazon – Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia. Segundo o Instituto, o aumento do desmatamento na Amazônia chegou a 22% em relação a períodos anteriores.

Os estados mais afetados são: Mato Grosso, Pará e Amazonas. O avanço da fronteira agrícola, a mineração e a criação de bovinos têm acelerado o desmatamento que está descontrolado. Por um lado, temos uma legislação dura, ou seja, uma lei que criminaliza os danos causados ao meio ambiente, e por outro lado, vemos a ineficiência estatal para se fazer cumprir a legislação.

O Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) vem monitorando através de imagens do Landsat, ou seja, com precisão de 30 m, o que vem ocorrendo na Amazônia. O reflexo disso são as mudanças climáticas, a extinção de espécies nativas e em especial a migração de populações em decorrência da ocupação destas áreas.

O pasto tomou conta da floresta, e atualmente temos uma população maior de bovinos na Amazônia do que de pessoas. É lamentável que o modelo estabelecido para região não atenda as políticas públicas tão debatidas e formalizadas e importantes eventos já realizados no Brasil e no exterior.

A outra situação que preocupa são as unidades de conservação, que estão sendo desmatadas apesar de serem protegidas. O exemplo mais atual é a Floresta Nacional do Jamanxim, no sudoeste do Pará, que de janeiro a maio desse ano sofreu a devastação de uma área de 57 quilômetros quadrados. E o que mais chama atenção é que no Congresso Nacional há projetos de Lei para diminuírem a extensão das reservas ambientais brasileiras. O Ministério do Meio Ambiente aplicou algumas multas, mas que são ineficientes quando outros interesses estão acima de tudo, o que não são interesses socioambientais.

Rodrigo Berté, diretor da Escola Superior de Biociências do Centro Universitário Internacional Uninter.

 

Colaboração de Lorena Oliva Ramos, in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 04/09/2018

[cite]

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

2 comentários em “200 mil campos de futebol: esse é o cenário atual do desmatamento no Brasil, artigo de Rodrigo Berté

  1. A idéia dos ambientalistas de que deve ser contida a expansão da produção de alimentos é paradoxal, porque a maioria deles produziu filhos, como todos os demais brasileiros que fazem aumentar a população em 2 milhóes por ano e todos demandam por alimento. Para alimentar cada ano 2 milhoes a mais, em quanto deve ser aumentada a produção de alimentos? e qual alternativa que oferecem para aumentar a produção? matar 2 milhões de pessoas ao ano para permitir “desmatamento zero”? sempre que falarem em reduzir desmatamento, falem em como alimentar a mais 2 milhoes de brasileiros por ano, ou ‘% da população e 1% do território/ano. Não venham com esta história de matar gente !

  2. “200 mil campos de futebol: esse é o cenário atual do desmatamento no Brasil, artigo de Rodrigo Berté”.
    [título de artigo publicado no portal EcoDebate em 04/09/2018].
    Comentário: E AINDA FALAM EM SUSTENTABILIDADE.

Comentários encerrados.

Top