Relatores de direitos humanos das Nações Unidas elogiam decisão judicial nos EUA contra Monsanto

 

Relatores de direitos humanos das Nações Unidas elogiaram nesta quarta-feira (15) a decisão judicial nos Estados Unidos que obrigou a Monsanto a pagar indenização de 290 milhões de dólares a um homem que sofre de um câncer terminal que teria sido provocado por herbicida produzido pela empresa.

Segundo os especialistas, a decisão foi um “reconhecimento significativo” do direito humano das vítimas e das responsabilidades que as fabricantes de produtos químicos precisam ter com os consumidores.

Segundo os especialistas, a decisão foi um "reconhecimento significativo" das responsabilidades que as fabricantes de produtos químicos precisam ter com os consumidores. Foto: UN News
Segundo os especialistas, a decisão foi um “reconhecimento significativo” das responsabilidades que as fabricantes de produtos químicos precisam ter com os consumidores. Foto: UN News

 

ONU

Relatores de direitos humanos das Nações Unidas elogiaram nesta quarta-feira (15) a decisão judicial nos Estados Unidos que obrigou a Monsanto a pagar indenização de 290 milhões de dólares a um homem que sofre de um câncer terminal que teria sido provocado por herbicida produzido pela empresa.

Segundo os especialistas, a decisão foi um “reconhecimento significativo” do direito humano das vítimas e das responsabilidades que as fabricantes de produtos químicos precisam ter com os consumidores.

Um tribunal da Califórnia decidiu na sexta-feira (10) que a fabricante de produtos químicos Monsanto terá que indenizar o zelador Dewayne Johnson depois de um júri ter considerado que a empresa não fez alertas suficientes nas embalagens dos herbicidas sobre o risco de câncer com uso do produto.

Johnson, de 46 anos, usou regularmente os herbicidas da Monsanto denominados RoundUp e Ranger Pro em seu trabalho em um colégio, de acordo com a imprensa internacional. Ele foi diagnosticado com linfoma não Hodgkin em 2014, e os médicos afirmaram que ele não tem muito tempo de vida.

“A decisão reconhece a relação causal entre o câncer e os agrotóxicos baseados de glifosato da Monsanto, incluindo o RoundUp, e a negligência da empresa em informar os usuários dos riscos de câncer”, disseram os especialistas independentes da ONU em comunicado.

“Esta decisão é um reconhecimento significativo do direito humano das vítimas, e das responsabilidades das empresas químicas.”

Segundo os relatores, a decisão judicial reflete avaliação de 2015 da Organização Mundial da Saúde (OMS), segundo a qual o herbicida glifosato é “provavelmente cancerígeno a humanos”.

A decisão judicial indicou que “documentos internos da companhia” demonstraram que a Monsanto tinha conhecimento por décadas de que o glifosato, e especificamente o RoundUp, poderia causar câncer. A companhia entrou com recurso.

“Lamentamos o fato de a decisão ter vindo tarde demais, já que Johnson está sofrendo com um câncer terminal. Nenhuma compensação monetária é suficiente por sua vida”, disse o comunicado.

“Manifestamos nossas profundas condolências por sua dor e sofrimento e elogiamos sua coragem e vontade inabalável de lutar por seus direitos.”

Os especialistas da ONU que assinaram o comunicado são Hilal Elver, relatora especial para o direito à alimentação; e Dainius Pūras, relator especial para o direito à saúde física e mental. Elver apresentará um relatório sobre o direito dos trabalhadores da agricultura na Assembleia Geral da ONU em Nova Iorque, em setembro.

Da ONU Brasil, in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 17/08/2018

[cite]

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Um comentário em “Relatores de direitos humanos das Nações Unidas elogiam decisão judicial nos EUA contra Monsanto

  1. É importante decisões como está. Mas o mais importante é a divulgação do fato. Não tenho nada contra a empresa, mas o alerta na embalagem acredito ser uma obrigação imposta pelos órgãos regulares de comércio e distribuição de produtos perigosos como este. Parabéns pelá notícia.

Comentários encerrados.

Top