Estado do Clima 2017: Calor do oceano acima da média

 

Mais de 90% do excesso de calor absorvido pelo sistema climático devido ao aquecimento dos gases de efeito estufa causado pelo homem é armazenado no oceano – não apenas na superfície, mas no fundo. À medida que este calor é absorvido, aumenta a temperatura oceânica e acelera a retirada das geleiras e dos lençóis de gelo, que causam o aumento do nível do mar. O calor também derrete o gelo do mar, alimenta a evaporação e afeta a intensidade dos ciclones tropicais e o branqueamento de corais.

Por Michon Scott e Rebecca Lindsey, NOAA

 

Adaptado do Estado do Clima em 2017, este mapa mostra o conteúdo de calor oceânico no oceano superior (da superfície do mar até uma profundidade de 700 metros) para 2017 em relação à linha de base 1993–2017. É baseado em uma combinação de observações de flutuação do Argo e dados de satélite. Locais com armazenamento de calor acima da média são laranja, enquanto locais com armazenamento de calor abaixo da média são azuis.
Adaptado do Estado do Clima em 2017, este mapa mostra o conteúdo de calor oceânico no oceano superior (da superfície do mar até uma profundidade de 700 metros) para 2017 em relação à linha de base 1993–2017. É baseado em uma combinação de observações de flutuação do Argo e dados de satélite. Locais com armazenamento de calor acima da média são laranja, enquanto locais com armazenamento de calor abaixo da média são azuis.

 

Em todo o mundo, a maioria das bacias oceânicas apresentou um índice de calor acima da média em 2017, consistente com a tendência de longo prazo da absorção de calor dos oceanos devido ao aquecimento global. As exceções incluem o Pacífico Sul central e o Oceano Índico tropical ocidental, uma característica que os autores do Estado do Clima atribuíram a um fluxo incomum de águas quentes superficiais em direção ao leste do outro lado da bacia. (Devido à rotação da Terra, os ventos de superfície e correntes predominantes perto do equador são geralmente para oeste).

Outro padrão interessante é o contraste gritante entre o conteúdo de calor muito acima da média em grande parte do Atlântico Norte e um conteúdo de calor muito abaixo da média nas águas ao sul da Groenlândia. Segundo o relatório, esta acumulação de calor no Atlântico Norte persistiu desde 2009, e o índice de calor abaixo da média a sul da Gronelândia está em vigor desde, pelo menos, 2014. A razão para este padrão não foi totalmente estabelecida, mas pode estar associado a uma redução na circulação meridional do Atlântico.

Abaixo do mapa há um gráfico do conteúdo de calor oceânico ao longo do tempo, da superfície do mar até uma profundidade de 700 metros (2,300 pés) em tons de laranja, e de 700 a 2000 metros (6,600 pés) em tons de roxo. (Diferentes cores representam diferentes conjuntos de dados. Os detalhes podem ser encontrados na Figura 3.6 do Estado do Clima em 2017. ) As tendências do oceano superior e do oceano mais profundo são ambas fortemente positivas, com 2017 exibindo valores recordes altos para ambos.

Em média na superfície da Terra, as taxas de ganho de calor 1993–2017 são de 0,36 (± 0,06) a 0,40 (± 0,18) watts por metro quadrado para 0-700 metros e 0,19 (± 0,07) a 0,35 (± 0,03) para profundidades de 700 a 2000 metros. Menos que um watt por metro quadrado pode parecer uma pequena mudança, mas multiplicada pela superfície do oceano (mais de 360 milhões de quilômetros quadrados), que se traduz em um enorme desequilíbrio global de energia.

Referência:

Johnson, G.C., Lyman, J.M. , Boyer, T., Cheng, L., Domingues, C.M., Gilson, J., Ishii, M., Killick, R., Monselesan, D., Purkey, S.G., Wijffels, S.E. (2018). Ocean heat content [in State of the Climate in 2017]. Bulletin of the American Meteorological Society, 99(8), S72–S77.

 

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 10/08/2018

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Um comentário em “Estado do Clima 2017: Calor do oceano acima da média

Comentários encerrados.

Top