A nova projeção da população brasileira do IBGE, artigo de José Eustáquio Diniz Alves

 

diferentes projeções para a população brasileira: 2010-2100

 

População / Demografia

[EcoDebate] O IBGE divulgou as novas projeções da população brasileira, na última quarta-feira, dia 25 de julho, com a população estimada em 208,5 milhões de habitantes em 2018. A grande novidade, em relação à projeção anterior, é que o pico populacional acontecerá em 2047, quando o número de brasileiros chegará a 233,2 milhões de pessoas. Nos anos seguintes, haverá um decrescimento demográfico e a população brasileira deverá ficar com 228,3 milhões de habitantes em 2060.

Projeções demográficas não são exercícios de tiro ao alvo, pois é muito difícil acertar na mosca com décadas de antecedência. Traçar o caminho provável é mais importante do que supor o ponto exato da chegada. O que as projeções fazem é computar um cenário populacional de médio e longo prazo, a partir de técnicas demográficas sofisticadas, considerando a estrutura por idade e sexo (em um dado momento), o histórico da dinâmica das taxas de mortalidade, fecundidade e migração, no passado recente, e as suposições sobre as tendências futuras das três taxas, que constituem os três componentes básicos da demografia. Estimar o volume e a composição dos indicadores demográficos do futuro é fundamental para o bom planejamento das políticas públicas e para a correta tomada de decisão dos investimentos do setor privado. Quando se alteram as condições socioeconômicas, que afetam os componentes demográficos, os números projetados também se modificam. Por isto, as projeções demográficas precisam ser atualizadas periodicamente.

Nas projeções divulgadas cinco anos atrás (revisão de 2013), o IBGE previa uma população de 209,2 milhões de habitantes em 2018, um pico populacional de 228,4 milhões em 2042 e uma população de 218,2 milhões em 2060. Portanto, o que mais mudou não foram os números de 2018, mas sim a data do máximo populacional e a população projetada para 2060. Na projeção divulgada essa semana, a população de 2018 é menor do que a prevista na revisão 2013, mas a população das décadas seguintes é maior. O que aconteceu foi uma mudança na população de partida (2010), usando a estrutura etária do censo de 2010 com calibração para melhorar a cobertura para a população em idade mais jovem e também uma revisão das taxas de fecundidade para o futuro, que, neste momento, não indicam uma queda tão rápida como na revisão anterior

Para efeito de comparação, o gráfico acima apresenta o resultado do volume populacional entre 2010 e 2060, segundo as duas últimas projeções do IBGE e a projeção média realizada pela Divisão de População da ONU, revisão 2017. Nota-se que a projeção da ONU, entre 2010 e 2060 está muito próxima da revisão 2018, do IBGE, com o pico populacional ocorrendo também em 2047 e a população de 2060 em 229,3 milhões contra 228,3 milhões. A projeção da ONU se estende até o final do século e estima uma população de 190,4 milhões de habitantes em 2100.

Observa-se que até 2030 as três projeções apresentadas no gráfico são muito semelhantes. As diferenças ocorrem nas décadas seguintes e decorrem de hipóteses diferenciadas, fundamentalmente, sobre o comportamento futuro da taxa de fecundidade. Indubitavelmente, o censo de 2020 vai trazer elementos mais precisos sobre a dinâmica demográfica brasileira atual e fornecerá elementos mais precisos para subsidiar um nova projeção populacional a ser realizada no início da década de 2020.

O que temos de incerteza e de certeza sobre as projeções sobre o futuro da população brasileira no século XXI?

Não há certeza sobre o número exato da população nas próximas décadas e nem a data precisa do momento em que a população vai fazer a transição do crescimento para o decrescimento demográfico (pico populacional). Mas há uma certeza muito grande que a população brasileira vai continuar crescendo nas duas próximas décadas, deve passar por um ponto de inflexão em algum momento da década de 2040 e deve apresentar decrescimento populacional na segunda metade do atual século. É difícil saber qual será o volume exato da população brasileira em 2100, mas se não for os 190 milhões previstos na projeção da ONU, existe uma alta probabilidade que seja um valor menor do que o atual.

Outra certeza é que a sociedade brasileira vai passar por um rápido processo de envelhecimento populacional e a proporção de idosos vai superar a proporção de jovens de 0 a 14 anos. Mas isto é assunto para um outro artigo.

Referências:

IBGE: Projeção da População das Unidades da Federação por sexo e idade: 2000-2030, revisão 2013 http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/projecao_da_populacao/2013/default.shtm

IBGE: Projeção da População (revisão 2018), Rio de Janeiro, 25/07/2018
https://www.ibge.gov.br/estatisticas-novoportal/sociais/populacao/9109-projecao-da-populacao.html?=&t=o-que-e

UN/DESA, World Population Prospects: The 2017 Revision.
https://esa.un.org/unpd/wpp/

 

José Eustáquio Diniz Alves, Colunista do Portal EcoDebate, é Doutor em demografia e professor titular do mestrado e doutorado em População, Território e Estatísticas Públicas da Escola Nacional de Ciências Estatísticas – ENCE/IBGE; Apresenta seus pontos de vista em caráter pessoal. E-mail: jed_alves@yahoo.com.br

 

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 27/07/2018

A nova projeção da população brasileira do IBGE, artigo de José Eustáquio Diniz Alves, in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 27/07/2018, https://www.ecodebate.com.br/2018/07/27/a-nova-projecao-da-populacao-brasileira-do-ibge-artigo-de-jose-eustaquio-diniz-alves/.

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Top