Número de crianças vacinadas no mundo bate recorde em 2017; Brasil registra queda na cobertura nos últimos 3 anos

 

saúde

 

Por Lucas Pordeus León, da Radioagência Nacional

 

 

A Organização Mundial da Saúde, a OMS, e o Unicef, Fundo das Nações Unidas para a Infância, apresentaram os dados da vacinação de crianças no mundo. Em 2017, 123 milhões de crianças foram imunizadas em todo o planeta.

Número recorde da série histórica, que começou em 2010. Como resultado, a cobetura do sarampo e da rubéola, por exemplo, cresceu de 35%, em 2010, para 52%, em 2017. Contudo, a entidade ressalta que 20 milhões de crianças ainda ficaram de fora das imunizações, número necessário para se ter uma cobertura vacinal desejável.

Já o Brasil vem demonstrando uma queda nas imunizações a partir de 2015 e 2016. A vacina tríplice viral, contra o sarampo, caxumba e rubéola, tinha cobertura próxima a 100% em 2014 e caiu para 85% no ano passado. A vacina contra a poliomielite, que tinha uma cobertura de mais de 95% do público-alvo, em 2015, caiu para 78% em 2017.

E a cobertura da vacina tríplice bacteriana, contra a difteria, tétano e coqueluche, que estava acima de 90% do público-alvo até 2015, caiu para 78% em 2017.

A Sociedade Brasileira de Imunizações acredita que a redução na cobertura vacinal tem relação com a sensação de baixo risco das pessoas em relação as doenças, já que muitas foram controladas. O vice-presidente da instituição, Renato Kfouri, alertou que as vacinas devem continuar.

O especialista argumenta que o Programa Nacional de Imunizações não sofreu cortes orçamentários que expliquem essa redução e que no país não existem grupos anti-vacinas organizados a ponto de pressionar a política de imunizações. Para o pediatra infectologia Renato Kfouri, o país precisa adotar novas estratégias de vacinação.

A chefe da área de saúde do Unicef, Cristina Albuquerque, lembra que a responsabilidade da imunização é dos municípios e opina que o país tem as condições necessárias para recuperar o nível de vacinação.

O Unicef recomendou, entre outras medidas, que o país sensibilize os gestores municipais para a necessidade, urgente, de melhorar a cobertura vacinal.

Em nota, o Ministério da Saúde informa que as recomendações do Unicef estão em sintonia com as ações da pasta, como o aumento em 60% do valor dos recursos para campanhas publicitárias entre 2015 e 2017.

A pasta diz ainda que acendeu o alerta vermelho em relação a poliomielite. Segundo dados do ministério, 312 municípios estão com a cobertura abaixo dos 50%.

No próximo mês, será realizada em todo o país a Campanha Nacional de Vacinação contra a Poliomielite e o Sarampo, no período de 6 a 31 de agosto. O ministério da Saúde informa que é necessário que todas as crianças compareçam aos postos de vacinação.

 

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 19/07/2018

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Top