Sistemas urbanos flexíveis, Parte 2/2 (Final), artigo de Roberto Naime

 

artigo

 

[EcoDebate] MASSARA (2005) continua refletindo sobre flexibilidade e espaço urbano. Assinala que os sistemas urbanos orientam a distribuição e a localização das mais importantes centralidades urbanas em relação às infraestruturas de geração de energia e articulação de fluxos, às estruturas para lazer e turismo e reequilíbrio ambiental.

É uma proposta de convergência entre sistemas urbanos flexíveis e espaços urbanos.

A metápolis apreende a região da Catalunha a partir de uma leitura que busca organizar todo o território como uma única especialidade integrada, cujos sistemas não podem ser separados.
Caracterizam a Catalunha como uma grande multi-cidade descontínua ou uma geourbanidade interconectada.

O conceito de “metápolis” se relaciona a uma estratégia de aproximação de escalas, de utilizar os atributos territoriais num nível regional.

A partir desta concepção, se analisa a condição do espaço urbano atual diante de um quadro de crescimento de sistemas urbanos flexíveis.

A crescente difusão dos sistemas de telecomunicação, seguidas da constituição de redes sociais e de prestação de serviços remotos vêm produzindo, segundo o arquiteto holandês Winy Maas, alterações significativas na nossa condição urbana.

Ele se refere principalmente à crescente especialização das atividades regionais, bem como a interdependência entre elas e o aumento da população que é seguido de uma concentração urbana elevada, levando em conta os fenômenos que ocorrem no território holandês.

Maas utiliza a definição “metacity” para se referir a um tipo de espacialidade física resultante da crescente interferência dos sistemas de comunicação, informação, circulação na organização das atividades no espaço urbano atual.

“Devido à sempre crescente expansão das redes de comunicação e a incomensurável teia de inter-relacionamentos que ela gera, o mundo tem presenciado o anacronismo do “global-village”, se transformando no estágio mais avançado da metacity” afirma o holandês.

O atributo “meta” aplicado ao caso das cidades está atrelado à uma condição existencial crítica do espaço urbano na qual ele não se revela através de seus edifícios ou vias de circulação e espaços públicos, mas em capacidade de articulação em um sistema urbano ampliado.

Maas propõe o mapeamento desta condição a partir de um processo de levantamento de dados relativos às cidades, processo por ele denominado de “datatown”.

Que é um método de quantificação de dados que pretende descrever as cidades sem dar relevância ao contexto físico, como as questões topográficas ou ambientais e outras.

Aqui é lícito citar a região americana de Norfolk, principal base marítima daquele país. Grandes autoestradas ligam territórios, com aglomerações comerciais, residenciais e industriais ocorrendo ligadas pelas auto-pistas.

Um modelo análogo com a Catalunha, Holanda e Brasília na sua concepção original.

O mundo da conexão permanente, da efervescência e da instantaneidade influencia o “lógus” do uso e da ocupação do espaço.

Referências:

MONTE-MÓR, Roberto Luís de Melo; COSTA, Heloisa S. M. Inovações tecnológicas e novas espacialidades: evidências e tendências recentes. In: ENCONTRO ANUAL DA ANPOCS, 20., 1996, Caxambu.

MITCHELL, Willian. E-topia: a vida urbana mas não como a conhecemos. Tradução: Ana Carmen Martins Guimarães. São Paulo: SENAC, 2002, p. 45-47.

CASTELLS. A sociedade em rede, 1999, p. 503.

GUALLART, Vicente et al. HyperCatalunya: research territories. Barcelona: IAAC, Generalitat e ACTAR, 2003.

MAAS, Winy et al. Metacity Datatown. Rotterdam: MVRDV/010, 1999, p. 16-19.

MASSARA, Bruno. Sistemas urbanos flexíveis e seus impactos no espaço urbano. (in) MASSARA, Bruno. Interfaces Gráficas e Cidades: Tecnologia Digital na Visualização de Dinâmicas Espaciais en Grande Escala. Dissertação de Mestrado. NPGAU/EAU/UFMG, NOV. 2005, p. 30-36. Disponível em <http://www.territorios.org/teoria/H_C_sistemas.html> Acessado em: 26/12/2015.

 

Dr. Roberto Naime, Colunista do Portal EcoDebate, é Doutor em Geologia Ambiental. Integrante do corpo Docente do Mestrado e Doutorado em Qualidade Ambiental da Universidade Feevale.

Sugestão de leitura: Civilização Instantânea ou Felicidade Efervescente numa Gôndola ou na Tela de um Tablet [EBook Kindle], por Roberto Naime, na Amazon.

 

Nota da Redação: Sugerimos que leia, também, o artigo anterior desta série:

Sistemas urbanos flexíveis, Parte 1/2

 

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 28/06/2018

Sistemas urbanos flexíveis, Parte 2/2 (Final), artigo de Roberto Naime, in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 28/06/2018, https://www.ecodebate.com.br/2018/06/28/sistemas-urbanos-flexiveis-parte-22-final-artigo-de-roberto-naime/.

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Top