Justiça Federal determina medidas para conter chorume do Aterro de Gramacho na Baía de Guanabara

 

Poluição na Baía de Guanabara
Poluição na Baía de Guanabara. Foto: EBC

 

Por Lígia Souto, da Radioagência Nacional.

A Justiça Federal determinou que sejam tomadas medidas para conter o chorume proveniente do aterro sanitário de Jardim Gramacho, em Duque de Caxias, na Baixada Fluminense.

A sentença chega nove anos após ação ajuizada pelo Ministério Público Federal, que pediu a instalação de três pontos adicionais de monitoramento no aterro, que já foi o foi o maior “lixão” da América Latina.

Mesmo desativado desde 2012, o local continua sendo uma ameça ao meio ambiente. De acordo com o MPF, há fissuras e rachaduras em vários trechos do aterro, que provocam vazamento de chorume para a Baía de Guanabara. Na decisão, o juiz federal Eduardo Maciel afirmou que as provas demonstram efetivo risco de acidentes ambientais, mesmo após o encerramento das atividades.

O procurador da República, Júlio Araújo, explicou que a ação foi motivada após vistorias identificarem falhas no monitoramento da parte hídrica.

Por essa razão, segundo o procurador, a sentença estabeleceu que a empresa Novo Gramacho Energia Ambiental, concessionária responsável pelo aterro, e a Comlurb, Companhia Municipal de Limpeza Urbana, implementem monitoramento contínuo e rigoroso do chorume bruto e tratado para se avaliar a eficiência da redução da poluição.

A reportagem entrou em contato com a Comlurb, que informou, por nota, que recebeu a decisão e está analisando o processo para entrar com recurso. Já a empresa Novo Gramacho não se posicionou sobre a decisão da Justiça.

 

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 28/05/2018

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Top