Agricultura de vazante, artigo de Roberto Naime

 

artigo

 

[EcoDebate] A exploração agrícola de vazantes de açude em pequenas áreas com “irrigação de salvação” garante a produção e não compromete a oferta de água para os consumos humano e animal.

São as faixas de terras situadas às margens dos açudes, barragens, lagoas e leitos dos rios, que são cobertas pelas águas durante o período chuvoso e descobertas durante a época seca.

A técnica de cultivo tradicional de vazante é bastante antiga e conhecida pelos agricultores. O preparo do solo é bastante simples. É feita uma limpeza da área que foi descoberta pelas águas e, em seguida, é feita a abertura de covas no plano ou covas viradas.

O sistema de covas viradas, que é indicado para as culturas de batata-doce ou macaxeira, além de demorado, exige bastante força física. Nestes dois sistemas, não é possível se fazer irrigação de salvação, pois, dependendo da cultura, pode haver uma perda parcial ou total

A Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (EMBRAPA), unidade Semiárido vem implantando unidades de observação em vazantes aplicando a técnica de manejo de solo e água capaz de garantir o sucesso das culturas implantadas. A técnica consiste na determinação das curvas de nível formadas pelo nível da água armazenada no açude

Para fazer o preparo do solo com tração animal, recomenda-se que se faça uma linha paralela à curva formada pela linha da água. Isto se faz necessário porque o solo deve estar firme para facilitar o trabalho do animal. Esta prática aproveita melhor a umidade do solo

Os sulcos e camaleões formados orientam o plantio e facilitam a irrigação de salvação quando se faz necessária.

Nas Unidades de Observação instaladas com batata-doce e guandu, em parceria com os agricultores, o sistema de sulcos e camaleões em curvas de nível, sem uso de adubação e sem agrotóxicos, proporcionou produtividade de até 12 t/ha de batata-doce e 856 kg/ha de grãos de feijão guandu.

Outras culturas estão despertando o interesse dos agricultores tais como o guandu para produção de grãos e produção de forragem

FREITAS et al (2008) asseveram que dentre as formas de erosão hídrica do solo, a erosão em entre-sulcos, muito empregados em agricultura de vazante é uma das que causam maiores danos no processo produtivo dos solos utilizados na agricultura, por provocar perdas de solo, água e nutrientes.

Frente a isso, avaliam a proteção ambiental promovida pela cobertura vegetal da caatinga, do feijão-guandu e da batata-doce, associação muito utilizada em agricultura de vazante.

A cultura tradicional das regiões de seca, sempre determinou cultivos em leitos de cursos de água e fundos de açudes e lagos esvaziados durante os períodos de seca, para maximizar as vantagens de utilização de solos saturados em água e enriquecidos em matéria orgânica e nutrientes.

Referências:

FREITAS, Francisco José de; CANTALICE, José Ramon Barros; BEZERRA Sandro Augusto; SILVA, Maria Daniela Rodrigues de Oliveira SANTOS, Paulo Medeiros do; CORREA, Rossini Matos; LIMA, Priscila Alves; FIGUEIRA, Sandro Barbosa. Erosão em entressulcos sob caatinga e culturas agrícolas. Rev. Bras. Ciênc. Solo vol. 32 no. 4 Viçosa July/Aug, 2008

Agricultura de vazante: uma opção de cultivo para o período seco.
Autoria: ARAUJO, F. P. de; PORTO, E. R.; SILVA, M. S. L. da
Resumo: O trabalho informa que a exploração de vazantes de açude em pequenas áreas com irrigação de salvação, garante a produção e não compromete a oferta de água para os consumos humano e animal.
Ano de publicação: 2004
Tipo de publicação: Folhetos
http://ainfo.cnptia.embrapa.br/digital/bitstream/CPATSA/30063/1/INT56.pdf

 

Dr. Roberto Naime, Colunista do Portal EcoDebate, é Doutor em Geologia Ambiental. Integrante do corpo Docente do Mestrado e Doutorado em Qualidade Ambiental da Universidade Feevale.

Sugestão de leitura: Civilização Instantânea ou Felicidade Efervescente numa Gôndola ou na Tela de um Tablet [EBook Kindle], por Roberto Naime, na Amazon.

 

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 15/03/2018

Agricultura de vazante, artigo de Roberto Naime, in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 15/03/2018, https://www.ecodebate.com.br/2018/03/15/agricultura-de-vazante-artigo-de-roberto-naime/.

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

4 comentários em “Agricultura de vazante, artigo de Roberto Naime

  1. A Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (EMBRAPA) é o grande orgulho nacional, somos o que somos (de bom) graças aos frutos do trabalho dessa empresa.

  2. Caro Prof. Roberto Naime

    Seus artigos sempre me chamam a atenção. : pela cuidadosa seleção dos temas e pela qualidade didáticá com que os aborda.
    Não tinha idieia o que seria ‘agricultura de vazante. Aprendi.
    Mas na frase “abertura de covas no plano ou covas viradas” não ficou bem esclarecido a diferença entre esses dois sistemas.

    Um outro aspecto interessante que seu texto não aborda é o legal. Certamente, por tratar-se de a´rea de preservação permanente (APP) como oficialmente obter as licenças para cultivar nessas áreas. O novo código Florestal trata desse tema?

    Um gde e ftn abç

    Paulo Mancini – pjpmancini@gmail.com

  3. Fico lisonjeado com as observações…
    Acho que não está no Código Florestal…
    Grande abs…
    RNaime

Comentários encerrados.

Top