População, guerra e fome no Iêmen, artigo de José Eustáquio Diniz Alves

 

população, por faixa etária. Iêmen

 

[EcoDebate] O Homo sapiens nasceu na África e começou a emigração para o resto do mundo, há cerca de 80 mil anos, exatamente pelo Estreito de Bab-al-Mandeb, que separa o Iêmen, no sul da Península Arábica, de Djibuti, no nordeste da África. Naquela época o Iêmen era uma área fértil e rica, tendo sido o primeiro local fora da África a receber o Homo Sapiens, que a partir dali se espalhou pelo resto do Planeta.

O Iêmen tem uma das mais antigas civilizações do mundo. A população do Iêmen era de 4,4 milhões de habitantes em 1950, chegou a 17,9 milhões no ano 2000 e a 28,3 milhões em 2017. Em 67 anos a população foi multiplicada por 6,4 vezes. As projeções da ONU indicam que a população do Iêmen pode chegar a 44,4 milhões de habitantes por volta de 2040. Portanto, poderá decuplicar em 90 anos.

A densidade demográfica que estava em 8,3 habitantes por km2 em 1950, chegou a 54 hab/km2 em 2017 e deve atingir 81 hab/km2 em 2040 (lembrando que a maior parte do território do país é constituída por desertos).

Contudo, este acelerado crescimento demográfico pode ser interrompido pela tríade: “fome, guerras e epidemias”, tal como caracterizado pelo que se costumou chamar de “choque malthusiano”. A situação atual do Iêmen é dramática, sendo que a pressão demográfica é agravada pela crise ambiental, econômica e política.

Uma coalizão liderada pela Arábia Saudita fechou as fronteiras do Iêmen e suspendeu as entregas de ajuda humanitária em resposta a um ataque com mísseis dos rebeldes huthis que foi interceptado perto do aeroporto de Riad. Segundo a ONU o Iêmen vive a maior fome em massa do mundo, agravando a situação que já era catastrófica no país.

Cerca de 17 milhões de iemenitas têm uma necessidade desesperada de alimentos e sete milhões correm o risco de passar fome e contrair cólera. Carregamentos da Cruz Vermelha tem sido bloqueados. A coalizão militar árabe liderada pela Arábia Saudita interveio no Iêmen em março de 2015 para apoiar o presidente Abedrabbo Mansour Hadi depois que os huthis o obrigaram a se exiliar.

Em dezembro de 2017, o ex-presidente do Iêmen, Ali Abdullah Saleh, foi morto após ser alvo de ataque. Ele era aliado há três anos dos houthis, insurgentes que controlam a capital do país, mas teve a sua sentença de morte confirmada após anunciar a ruptura com o grupo. Saleh, que abandonou a presidência do país em 2012, ficou contra uma coalizão militar liderada pela Arábia Saudita e terminou sendo mais uma vítima da guerra civil iemenita, que sofre com a rivalidade entre os poderes sauditas e iranianos. Os gráficos abaixo mostram que o Iêmen estava avançando no processo da transição demográfica, com redução das taxas de mortalidade infantil, aumento da esperança de vida e queda das taxas de fecundidade.

 

perfil populacional do Iêmen

 

A TFT que estava em 8,8 filhos por mulher na década de 1980 caiu para pouco menos de 4 filhos no quinquênio 2015-20. Porém, a guerra, a fome e as epidemias podem fazer voltar a subir a mortalidade ou até mesmo a fecundidade.

O gráfico abaixo mostra as projeções populacionais do Iêmen até 2100. Se olharmos pelo lado da fecundidade a população vai continuar crescendo. Contudo, o choque pode vir pelo lado da mortalidade, estabelecendo freios não desejados e não planejados. A tríade “miséria, epidemias e guerras” pode provocar um colapso social.

 

 projeções populacionais do Iêmen até 2100

 

O Iêmen enfrenta a pior guerra de sua história e a maior crise de fome dos tempos modernos. O país importa mais de 85% de toda a sua necessidade alimentar e de remédios. A Secretaria geral de assuntos humanitários da ONU, alertou que a menos que voltem a abrir as fronteiras para os envios de ajuda, o Iêmen viverá a maior fome que o mundo já viu em muitas décadas, com milhões de vítimas. Pode ocorrer um “choque malthusiano” com aumento das taxas de mortalidade.

A comunidade internacional precisa ajudar o país a resolver seus problemas e garantir a continuidade da transição demográfica e a sobrevivência do seu povo. O Iêmen sofre ao continuar sendo um joguete na disputa geoestratégica entre a Arábia Saudita e o Irã. São milhões de vidas que precisam de esperança em um futuro melhor e problemas demográficas, econômicos e sociais que precisam ser resolvidos.

 

José Eustáquio Diniz Alves, Colunista do Portal EcoDebate, é Doutor em demografia e professor titular do mestrado e doutorado em População, Território e Estatísticas Públicas da Escola Nacional de Ciências Estatísticas – ENCE/IBGE; Apresenta seus pontos de vista em caráter pessoal. E-mail: jed_alves@yahoo.com.br

 

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 23/02/2018

População, guerra e fome no Iêmen, artigo de José Eustáquio Diniz Alves, in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 23/02/2018, https://www.ecodebate.com.br/2018/02/23/populacao-guerra-e-fome-no-iemen-artigo-de-jose-eustaquio-diniz-alves/.

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Top