Probióticos e saúde, artigo de Roberto Naime

 

artigo

 

[EcoDebate] MEYER e BEZERRA, (2013) observam que o consumo de alimentos funcionais vem aumentando gradativamente na mesa dos brasileiros, isso porque seu objetivo principal é melhorar, manter e reforçar a saúde dos consumidores via alimentação. Um dos aditivos que mantém essa função nos alimentos são os probióticos (MEIRELLES et al., 2013).

Os probióticos são ingredientes não digeríveis, presentes principalmente em alimentos lácticos, que sobrevivem as condições adversas do estômago e colonizam o intestino, exercendo a funcionalidade quando em equilíbrio, de impedir a ação de alguns micro-organismos patogênicos (ZIEMER et al.,1998).

Probióticos são então micro-organismos vivos que quando administrados em quantidades adequadas conferem benefícios à saúde do hospedeiro. Para um produto probiótico apresentar a alegação de promoção de saúde no seu rótulo, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA, 2008), estabelece que a quantidade mínima viável da cultura deva estar entre 108 a 109 UFC (Unidades Formadoras de Colônias) por porção do produto (100g).

Os iogurtes e leites fermentados são os alimentos mais comuns a serem suplementados com probióticos, mas sucos e outros alimentos também podem conter probióticos (SOUZA et al., 2003).

Entre os possíveis efeitos benéficos de culturas probióticas sobre a saúde do seu hospedeiro, merecem destaque o estímulo da motilidade ou capacidade de movimentação, alívio de constipações intestinais, controle de infecções intestinais, melhor absorção de nutrientes, alívio de sintomas referentes à intolerância a lactose, diminuição dos níveis de colesterol, efeitos anticarcinogênicos, estímulos do sistema imunológico e produção de anticorpos (ZIEMER et al., 1998; SOUZA et al., 2003; MEIRELLES; et al. 2013 ).

As espécies “Lactobacillus acidophilus”, “Lactobacillus casei”, “Lactobacillus reuterie” e “Lactobacillus rhamnosus” são os principais probióticos do gênero atualmente empregados em alimentos. Estes micro-organismos são tolerantes ao ácido e a bile presente no trato gastrintestinal e são capazes de aderir às células do epitélio intestinal (GOMES et al., 1999).

Grande parte dos brasileiros, não tem um conhecimento avançado sobre as funções dos probióticos ou nem se quer sabem que eles estão presentes na sua alimentação diária.

A importância dos probióticos foi avaliada na manutenção do organismo, e foram verificados os conhecimentos da sociedade referente ao consumo dos mesmos, e a disponibilidade destes alimentos funcionais.

Foi realizada pesquisa de campo com consumidores sobre a ingestão desses alimentos por MEYER e BEZERRA, (2013) e o conhecimento acerca da funcionalidade dos probióticos à saúde, foi auscultada.

Foi possível observar que 98,8% dos entrevistados não tinham conhecimentos sobre os probióticos. Essa falta de conhecimento, segundo MEYER e BEZERRA, (2013) pode estar associada à falta de informação os rótulos dos alimentos, pois como os probióticos são aditivos e considerados alimentos funcionais, em muitos casos não são citados, dificultando assim a divulgação dos mesmos e sua importância (ZIEMER et al., 1998).

Resultados de investigações mostram que existe uma maior disponibilidade desses micro-organismos em queijos, iogurtes e leites. Esse resultado está em conformidade com as observações de SOUZA et al (2003) que afirmam que os iogurtes e leites fermentados são os alimentos mais comuns a serem suplementados com probióticos, mas sucos e outros alimentos também podem conter os mesmos.

MEYER e BEZERRA, (2013) concluem que a maioria das pessoas não tem nenhum conhecimento referente à funcionalidade dos probióticos na saúde humana e que a maioria dos produtos lácteos são os principais veículos desses micro-organismos disponíveis comercialmente.

Estes micro-organismos são essenciais na alimentação e no funcionamento intestinal, e vem sendo demonstrado claramente que o intestino é um dos melhores indicadores com que se pode contar para avaliar a saúde de um indivíduo. Cuidando melhor do sistema gastrintestinal, ocorre a melhoria e o incremento do sistema imunológico e da saúde do indivíduo.

Assim é de extrema importância ressaltar que estes conhecimentos permitem que a sociedade desenvolva uma alimentação saudável com benefícios a sua saúde.

Ou seja, tudo que não tem veneno, agrotóxico e adubação química artificiosa, parece que se adéqua aos organismos humanos e promove melhor qualidade ambiental e qualidade de vida para todas as populações em atmosfera de equilíbrio ecossistêmico e homeostase ambiental.

Referências:

ANVISA, Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Alimentos: alimentos com alegações de propriedades funcionais e ou de saúde, novos alimentos/ingredientes, substâncias bioativas e probióticos. Disponível em: <http://www.anvisa.gov.br/alimentos/comissoes/tecno_lista_alega.htm>. Acesso em 07 de junho de 2012.

GOMES, A. M. P.; MALCATA, F. X. Bifidobacterium spp. and Lactobacillus acidophilus: Biological, biochemical, technological and therapeutical properties relevant for use as probiotic. Trends and food science & technology, v.10, p. 139-158, 1999.

MEIRELLES, P. C.; AZEVEDO, J. S. A. Influência do uso de iogurtes adicionados com probióticos na disbiose intestinal em paciente do sexo feminino avaliada em Consultório nutricional – relato de caso. Disponível em: <http://www.ufpel.edu.br/cic/2007/cd/pdf/CS/CS_02003.pdf>. Acesso em: 19 de out. de 2013.

OLIVEIRA, M. N. Aspectos tecnológicos de alimentos funcionais contendo probióticos. Departamento de tecnologia Bioquímico-Farmacêutica, Faculdade de Ciências Farmacêuticas,Universidade de São Paulo, Março de 2002.

SOUZA, P. H. M.; SOUZA NETO, M. H.; MAIA, G. A. Componentes funcionais nos alimentos. Boletim da SBCTA, v.37, n.2, p. 127-135, 2003.

ZIEMER, C. J.; GIBSON, G. R. An Overview of Probiotics, Prebiotics and Synbiotics in the Functional Food Concept: Perspectives and Future Strategies. International Dairy Journal, v. 8, n.5, v. 7, p. 473-479, 1998

MEYER, Markeli; BEZERRA, Aline Sobreira. Probióticos: Sinônimo de um Metabolismo em Harmonia. Resumos da Jornada de Estudos e Semana Acadêmica do Curso de Nutrição. ISSN 2358-8624. Volume 1, edição anual – 2013

 

Dr. Roberto Naime, Colunista do Portal EcoDebate, é Doutor em Geologia Ambiental. Integrante do corpo Docente do Mestrado e Doutorado em Qualidade Ambiental da Universidade Feevale.

Sugestão de leitura: Civilização Instantânea ou Felicidade Efervescente numa Gôndola ou na Tela de um Tablet [EBook Kindle], por Roberto Naime, na Amazon.

 

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 06/02/2018

Probióticos e saúde, artigo de Roberto Naime, in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 6/02/2018, https://www.ecodebate.com.br/2018/02/06/probioticos-e-saude-artigo-de-roberto-naime/.

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Top