PIB: Países em desenvolvimento ultrapassam os países ricos por larga margem, artigo de José Eustáquio Diniz Alves

 

“Qualquer pessoa é capaz de ficar alegre e de bom humor quando está bem vestida”
Charles Dickens

“Cuidado com todas as atividades que requeiram roupas novas”
Henry Thoreau

 

norte econômico e sul econômico na economia global

 

[EcoDebate] Os dados do FMI mostram que o Produto Interno Bruto (PIB) dos países em desenvolvimento (‘Sul econômico”) ultrapassou o PIB dos países desenvolvidos (“Norte econômico”), em poder de paridade de compra (ppp), desde 2008 e a diferença tem aumentado em favor dos emergentes.

O PIB mundial em 1980 era de US$ 13,2 trilhões (em ppp), sendo US$ 8,4 trilhões para os países “ricos” e US$ 4,8 trilhões para os países “pobres”. Os primeiros representavam 64% da economia global e os segundos 36%. Mas estas percentagens foram se aproximando até 2007 e se inverteram depois de 2008. No ano de 2016 o PIB dos países desenvolvidos foi de US$ 50 trilhões (representando 42% do PIB mundial) e o dos países em desenvolvimento de 70 trilhões (58% do PIB mundial). Para 2022, as estimativas do FMI apontam um PIB mundial de 168 trilhões, sendo US$ 63 trilhões (37,7% do PIB mundial) para os países ricos e US$ 105 trilhões (62,3% do PIB mundial) para os países pobres ou ditos em desenvolvimento ou emergentes.

Ou seja, os países desenvolvidos (economias avançadas) representavam quase dois terços da economia internacional em 1980 e os países em desenvolvimento (economias emergentes) representavam apenas um terço da economia internacional. Em 2016 os números foram, 42% e 58%, respectivamente. Mas em meados da próxima década a correlação de forças vai se inverter e os países em desenvolvimento devem representar dois terços da economia mundial.

Mas esse avanço das economias em desenvolvimento não foi generalizado, mas localizado em poucos países, em especial, na Ásia. Evidentemente, o grande destaque foi a China. Depois a Índia. E mesmo a Indonésia (o quarto maior país do mundo em termos populacionais) dobrou sua participação no PIB mundial. O gráfico abaixo mostra que a participação da União Europeia (EU) e dos Estados Unidos (EUA) caíram continuamente entre 1980 e 2016 e devem continuar caindo até 2022. Já a China passou a ser a maior economia do mundo (em ppp), a Índia caminha para superar os EUA e a UE e a Indonésia tem aumentado persistentemente sua presença na economia internacional.

 

participação da UE, CHINA, ÍNDIA E INDONÉSIA na economia mundial

 

O gráfico abaixo mostra que enquanto a soma do PIB da União Europeia e dos Estados Unidos tem declinado permanentemente no PIB mundial, os três grandes países asiáticos, China, Índia e Indonésia, aumentaram continuamente suas participações. A previsão é que as potências orientais ultrapassem as potências ocidentais em 2020.

 

participação da UE+EUA e da China+Índia+Indonésia na economia mundial

 

Evidentemente, o peso dos países em desenvolvimento no PIB mundial é bastante influenciado pelo tamanho da população. Em 1980, os países desenvolvidos tinham uma população de cerca de 1 bilhão de habitantes e os países em desenvolvimento tinham 3,3 bilhões de habitantes. Em 2016, os números eram 1,2 bilhão de habitantes para os primeiros e 6,3 bilhões de habitantes para os segundos.

O gráfico abaixo mostra que a renda per capita dos países desenvolvidos, em 1980, era de US$ 11 mil (em ppp), e dos países em desenvolvimento de US$ 1,5 mil. Ou seja, os “pobres” tinham apenas 14% da renda dos “ricos”. Em 2016, os primeiros tinham renda de US$ 49 mil e os segundos de US$ 11,2 mil, representando 23%. A estimativa para 2022 é de renda per capita de US$ 60 mil para os países desenvolvidos e de US$ 15,5 mil para os países em desenvolvimento, representando 26%. A despeito da enorme desigualdade de renda, as diferenças estão diminuindo e há uma tendência, lenta mas constante, de convergência entre os dois blocos.

 

renda per capita dos países desenvolvidos e em desenvolvimento: 1980-2022

 

O alto crescimento econômico dos países em desenvolvimento pode ser considerado uma boa notícia do ponto de vista da redução das desigualdades de renda e da redução da pobreza. Contudo, o grande crescimento populacional e econômico dos países em desenvolvimento já tem um enorme impacto negativo sobre o meio ambiente. E para agravar a situação, diversos países – como a China – estão transformando suas tradicionais economias agrárias e rurais (de baixo consumo) em economias urbano-industriais altamente dependentes de carros e energia fóssil, com alto consumo conspícuo e elevada emissão de gases de efeito estufa.

A revolução energética e a descarbonização da economia pode amenizar um pouco os danos causados aos ecossistemas. Mas o mundo deveria investir mais na redução das desigualdades internacionais e na mudança radical no modelo “Extrai-Produz-Descarta” para evitar um colapso ambiental. É impossível continuar aumentando as atividades antrópicas em um quadro onde prevalece o fluxo metabólico natural entrópico.

 

José Eustáquio Diniz Alves, Colunista do Portal EcoDebate, é Doutor em demografia e professor titular do mestrado e doutorado em População, Território e Estatísticas Públicas da Escola Nacional de Ciências Estatísticas – ENCE/IBGE; Apresenta seus pontos de vista em caráter pessoal. E-mail: jed_alves@yahoo.com.br

 

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 27/10/2017

"PIB: Países em desenvolvimento ultrapassam os países ricos por larga margem, artigo de José Eustáquio Diniz Alves," in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 27/10/2017, https://www.ecodebate.com.br/2017/10/27/pib-paises-em-desenvolvimento-ultrapassam-os-paises-ricos-por-larga-margem-artigo-de-jose-eustaquio-diniz-alves/.

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

2 comentários em “PIB: Países em desenvolvimento ultrapassam os países ricos por larga margem, artigo de José Eustáquio Diniz Alves

  1. Pronto! Problemas no planeta Terra já não há mais.
    kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

Deixe uma resposta

Top