Exposição a produtos químicos ambientais é um fator de risco importante para o câncer de mama

 

pesquisa

 

A revisão completa dos estudos humanos dos últimos 10 anos revela força de evidência

Por Alexandra Goho*, SILENT SPRING INSTITUTE

A exposição a produtos químicos ambientais, especialmente no início da vida, é um importante fator contribuinte no desenvolvimento do câncer de mama, de acordo com a revisão mais abrangente dos estudos em humanos até o momento. As descobertas podem ajudar a informar estratégias de prevenção destinadas a reduzir a incidência da doença, já que as taxas continuam a aumentar em todo o mundo.

Em 2007, pesquisadores do Silent Spring Institute publicaram na revista Cancer uma revisão histórica de estado-da-ciência sobre a ligação entre produtos químicos ambientais e câncer de mama. A revisão identificou 216 produtos químicos que causam tumores mamários em animais e forneceram um roteiro para o estudo desses produtos químicos em seres humanos. “Essa foi uma verdadeira campanha de alerta”, diz a Dra. Julia Brody, diretora executiva da Silent Spring e cientista sênior. “Agora, dez anos depois, vemos que a evidência é ainda mais forte”.

Desde a primeira revisão, centenas de estudos foram publicados sobre produtos químicos ambientais e câncer de mama. Para capturar e sintetizar a evidência humana, Brody e sua equipe realizaram uma busca sistemática da literatura e identificaram 158 estudos de epidemiologia publicados entre 2006 e 2016. Os pesquisadores revisaram críticamente cada estudo à luz da ciência emergente sobre a biologia subjacente ao câncer de mama, como a influência de genes e hormônios no desenvolvimento da doença.

A revisão da equipe, publicada on-line em 6 de outubro na revista Environmental Research, levou a várias conclusões. Os resultados de estudos-chave sugerem que a exposição a substâncias químicas no início da vida – no útero, durante a puberdade e através da gravidez – aumenta o risco de desenvolver câncer de mama mais tarde. Por exemplo, a exposição precoce ao DDT, às dioxinas, ao químico altamente fluorado PFOSA e à poluição do ar, está associada a um risco aumentado de câncer de mama de duas a cinco vezes. A exposição precoce no local de trabalho em níveis elevados de solventes orgânicos e componentes da gasolina também é um importante fator de risco.

As variações nos genes das pessoas também podem afetar a forma como os corpos das pessoas respondem a certos produtos químicos ambientais. O Long Island Breast Cancer Study Project, que resultou em muitas publicações sobre exposições ambientais e câncer de mama, descobriu que entre as mulheres expostas a hidrocarbonetos aromáticos policíclicos (HAP) – um produto químico no escape de veículos – aquelas com certas variantes genéticas tiveram maior risco de câncer de mama. A Agência Internacional de Pesquisa sobre Câncer (IARC) classificou a poluição do ar exterior como um carcinógeno humano em 2013, e muitos dos componentes da poluição do ar mostraram causar tumores mamários em animais.

A crescente preocupação com os produtos químicos nos produtos de consumo diários também levou a uma série de novos estudos. Muitos produtos químicos para produtos de consumo, como BPA e ftalatos, são disruptores endócrinos. Eles interferem com os hormônios do corpo e podem produzir efeitos em doses baixas. Os resultados de estudos em animais sugerem uma ligação entre câncer de mama e disruptores endócrinos, enquanto a evidência de estudos humanos é mais limitada, diz Rodgers.

“Todos os dias, entramos em contato com muitos produtos químicos diferentes, e novos são constantemente introduzidos no mercado”, diz ela. “Infelizmente, é difícil medir exposições a produtos químicos múltiplos em várias vezes na vida de uma pessoa”.

O outro desafio é que o câncer de mama pode levar anos para se desenvolver. “Não é prático, nem é ético, esperar décadas para que as mulheres desenvolvam câncer de mama para descobrir se um químico causou sua doença”, diz o Dr. Marion Kavanaugh-Lynch, diretor do Programa de Pesquisa de Câncer de Mama da Califórnia. “Esta revisão abrangente da ciência confirma que devemos tomar uma abordagem preventiva”.

O câncer de mama é o câncer mais comum em mulheres em todo o mundo e as taxas de incidência nos EUA estão entre as mais altas do mundo. “O que muitos não percebem é que o câncer de mama é em grande parte uma doença evitável”, diz Brody. Apenas 5 a 10 por cento dos casos são devidos a genes hereditários de alto risco, como BRCA1 e BRCA2. “Tradicionalmente, hormônios farmacêuticos, exercícios e outros fatores de estilo de vida encabeçaram a lista de fatores de risco evitáveis. Agora, as exposições químicas estão subindo ao topo dessa lista”, diz ela.

Os consumidores podem tomar algumas medidas para reduzir suas exposições, escolhendo produtos mais seguros, diz Brody. Mas ela e seus colegas argumentam que são necessárias políticas mais fortes de segurança química e proteção ambiental para proteger o público dessas exposições generalizadas.

Dos 10 produtos químicos, a Agência de Proteção Ambiental dos EUA priorizou para revisão sob a Lei de Controle de Substâncias Tóxicas (TSCA), cinco são carcinógenos mamários ou produtos químicos ligados ao câncer de mama. “Esse é um bom começo”, diz Brody. Os testes de segurança química também podem ser fortalecidos, diz ela, para que os produtos sejam considerados seguros antes de serem colocados no mercado.

###

Para obter dicas sobre como reduzir as exposições a produtos químicos nocivos na casa, baixe Detox Me ( http://www.Detoxmeapp.Org ), aplicativo móvel gratuito da Silent Spring para uma vida mais saudável.

 

Referência:

Rodgers, K.M., J.O. Udesky, R.A. Rudel, J.G. Brody. 2018. “Environmental chemicals and breast cancer: An updated review of epidemiological literature informed by biological mechanisms.” Environmental Research. 160: 152-182. http://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0013935117307971

 

* Tradução e edição de Henrique Cortez, EcoDebate

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 11/10/2017

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Deixe uma resposta

Top