Princípio da Imparcialidade, artigo de Montserrat Martins

 

artigo de opinião

 

[EcoDebate] “Bonita gravata” diz Lula para Moro, que responde “a sua também é linda”, na charge do Iotti ironizando a linguagem civilizada entre o político e o juiz no interrogatório do primeiro, enquanto os fãs de ambos se digladiam nas redes sociais. Moro afirmou que não tem questões pessoais em relação ao ex-presidente e que julgará de acordo com as provas e com a lei. Ele não poderia se manifestar de outra forma, pois caso contrário teria de se declarar impedido de julgar.

Qualquer que seja a decisão de Moro, sempre caberá recurso às instâncias superiores, e será nelas que se garantirá – ou não – o princípio da imparcialidade do julgador, que é a base do sistema jurídico. Pois o caso do Gilmar Mendes, no STF, não se declarar impedido para julgar Eike Batista, mesmo com sua esposa trabalhando no escritório dos advogados daquele, é um episódio emblemático, que coloca em xeque o nosso sistema.

Quem de nós não seria afetado pelo trabalho do cônjuge num mesmo caso? Quem poderia afirmar, em sã consciência, que tanto faz que sua esposa/marido trabalhe no local que defende uma pessoa que nós tivéssemos que julgar? Que ser humano teria sua imparcialidade colocada acima de vínculos afetivos conjugais?

Em tese, o julgador é capaz de decidir, de acordo com sua consciência, se os fatos objetivos (no caso, o trabalho da esposa) o influenciam subjetivamente. Não se espere de Gilmar Mendes essa autocrítica, que seria legítimo esperar de outros magistrados. Mas nada impede que, não tendo ele admitido a própria suspeição, outros a apontem.

A Procuradoria Geral da República pediu a suspeição de Gilmar e, por mais constrangedor que seja para seus pares julgá-lo, levar isso a sério é fundamental para a seriedade do nosso sistema de Justiça. “À mulher de César não basta ser honesta, tem de parecer honesta”, já diz um dito célebre, que se aplica perfeitamente a Gilmar Mendes e à sua esposa.

Se nosso país, nossas instituições, aceitarem passivamente a falta de autocrítica de Gilmar como suficiente para que ele seja considerado sempre imparcial, estaremos na prática renunciando a critérios básicos para a nossa própria credibilidade nas instituições.

Claro que esse não é o único caso, nem o único ministro, podíamos falar também do Toffoli que foi advogado do PT não se declarando impedido de julgar processos que dizem respeito diretamente ao partido. O princípio é o mesmo. A bola da vez, agora, é saber se as instituições vão deixar por isso mesmo e dar “carta branca” ao Gilmar, que aliás tem sido o maior inimigo da Lava Jato no STF.

Montserrat Martins, Colunista do Portal EcoDebate, é médico psiquiatra, bacharel em Ciências Jurídicas e Sociais e ex-presidente do IGS – Instituto Gaúcho da Sustentabilidade

 

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 15/05/2017

[cite]

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Top