RIC (Rússia, Índia e China): o triângulo estratégico que pode mudar a governança mundial, artigo de José Eustáquio Diniz Alves

 

silk road routes

 

[EcoDebate] O termo BRIC (tijolo em inglês) foi inventado, em 2001, pelo economista Jim O’ Neill, do banco de investimento Goldman Sachs, com o objetivo de orientar as empresas e os investidores mundiais como ganhar dinheiro com os grandes países “emergentes” do mundo: Brasil, Rússia, Índia, China. Estes quatro países estão entre aqueles da comunidade internacional com maior território ou maior população. O termo fez grande sucesso, especialmente no período do superciclo das commodities. Mas no acrônimo original não havia nenhum país da África, o que era politicamente incorreto. Então foi incluída a África do Sul (South África) e o termo BRIC ganhou uma letra a mais, se transformando em BRICS (que seriam os tijolos da nova economia global). Porém, a África do Sul sempre foi um país muito pequeno (diante dos 3 gigantes) e o Brasil virou país submergente, depois de quatro anos de redução do PIB per capita (de 2014 a 2017). Quinze anos após a invenção do termo, os BRICS desmoronaram.

Mas tirando a primeira letra e a última, o acrônico vira RIC (Rússia, Índia e China) que são os três países que estão forjando uma nova aliança estratégica global e reconfigurando a governança mundial. A Rússia possui o maior território do mundo (área de 17,1 milhões de km², mais de duas vezes o tamanho do Brasil). Índia e China são os dois países mais populosos. Em 2016, a China tinha 1,38 bilhão de habitantes e a Índia 1,33 bilhão de habitantes (a Rússia tinha 143 milhões de habitantes). Daqui a 20 anos, em 2036, a China terá 1,39 bilhão e a Índia terá 1,66 bilhão (a Rússia terá 132 milhões de habitantes). Portanto, até 2036, Índia e China (IC), somarão mais de 3 bilhões de habitantes.

Em termos econômicos os RICs já são uma parcela significativa na economia internacional. Segundo dados de 2016, do FMI (em poder de paridade de compra – ppp), o PIB da China era de US$ 20,9 trilhões, o da Índia de US$ 8,6 trilhões e da Rússia de US$ 3,7 trilhões. Portanto, os RIC tinham um PIB conjunto (em ppp) de US$ 33,2 trilhões. Para comparação, o PIB dos EUA (em ppp), em 2016, era de US$ 18,6 trilhões. Os RIC caminham para ter uma economia duas vezes maior do que a americana e uma população quase dez vezes maior (embora a renda per capita seja entre cinco e seis vezes menor).

Artigo de Federico Pieraccini (11/03/2017) mostra que, enquanto o mundo continua a decifrar, ou digerir, as incógnitas da nova presidência isolacionista dos EUA, de Donald Trump, diversas mudanças importantes estão em andamento na área formada por Rússia, a Ásia Central, a Índia e a China. Enquanto os EUA enveredam no nacionalismo e no bairrismo, há avanços importantes no continente euro-asiático. Com uma população de mais de cinco bilhões de pessoas, o futuro da humanidade passa por esse imenso território. China, Rússia e Irã, estados euro-asiáticos fundamentais, estão esculpindo um papel de liderança no desenvolvimento do vasto continente. A Índia e a China são importantes consumidores de gás do Irã. Além disto, tanto a China quanto a Índia estão cooperando com a Rússia em uma base militar, o que ajuda a entender como Washington perde influência.

Ainda segundo Pieraccini, olhando para os grandes projetos dentro do continente euro-asiático, várias iniciativas se destacam. O projeto “One Belt, One Road”, proposto por Pequim (investimentos de cerca de um trilhão de dólares nos próximos dez anos); a União Econômica Euro-asiática (EAEU) onde Moscou busca integrar as ex-repúblicas soviéticas da Ásia Central; e as iniciativas do Irã no Oriente Médio com o objetivo de trazer estabilidade e prosperidade para a região da Eurásia. O papel indiano neste contexto é mais difícil de administrar, comprimido dentro de um sentimento anti-Paquistão e anti-chinês, bem como uma sujeição aos Estados Unidos, acompanhado de boa amizade histórica com a Federação Russa.

O papel de Nova Delhi nesta parte do mundo é o mais indecifrável, vendo os esforços da Índia (inescrutável) para avançar seus próprios objetivos estratégicos. A importância estratégica de Moscou e Teerã é essencial para equilibrar a posição indiana. Historicamente, a Índia era um importante aliado da URSS e a Índia continuava militarmente a avançar importantes projetos militares com a Rússia. Nos últimos anos, a República Islâmica do Irã tem contribuído grandemente para a diversificação da oferta de energia indiana. O fato de Teerã ser um parceiro privilegiado de Pequim mostra como é um mundo multipolar e também ajuda a equilibrar o sentimento anti-chinês profundamente enraizado no establishment indiano. Neste caso, a Rússia e o Irã estão claramente desempenhando um papel mediador entre a China e a Índia.

Ainda segundo o autor, a estratégia global das três principais nações eurasiáticas visa, principalmente, fortalecer as fronteiras nacionais dos países com as regiões mais turbulentas. Em uma visão estratégica, que historicamente incorpora décadas de planejamento, Teerã, Moscou e Pequim compreenderam plenamente que a estabilidade é o principal objetivo a ser alcançado a fim de promover efetivamente o desenvolvimento econômico que beneficia todas as nações envolvidas. O presidente das Filipinas, Rodrigo Duterte, entendeu os ganhos potenciais da cooperação multipolar e o caminho seguido por seu país nos últimos meses forja um caminho para todas as outras nações asiáticas, especialmente depois que os EUA abandonaram a Parceria Trans-Pacífico (TPP).

O fato é que Rússia, Índia e China (RIC) estão assumindo um protagonismo crescente na Eurásia, com forte influência nos oceanos Pacífico e Índico. Não será difícil ampliar esta influência para a África e a América Latina. A China já é líder na produção de energias renováveis e tem um projeto de construir uma rede elétrica global UHVDC de US$ 50 trilhões até 2050. Isto seria fundamental para a mudança da matriz energética e para a redução das emissões de gases de efeito estufa (Alves, 13/03/2017).

Parece que as elites ocidentais (Estados Unidos e Europa) vão ter que se conformar com um papel diminuído na futura ordem internacional. Isto abre espaço para que o “Consenso de Beijing” substitua o “Consenso de Washington”. Enquanto os EUA constroem muro e a Europa se fecha aos imigrantes e refugiados, os RIC fortalecem um triângulo que está mudando a correlação de forças econômicas globais e a governança internacional. A união dos RICs vai fortalecer a China e apequenar os EUA.

Sob a liderança da China, a política “One Belt, One Road” (um cinturão, uma estrada), que foi anunciado pelo Presidente chinês Xi Jinping em 2013, é um plano estratégico de desenvolvimento que consiste na criação de um corredor econômico, lançado através de uma nova rota da seda. Fazem parte da nova rota, a “Silk Road Economic Belt” (cinturão econômico rota da Seda – que ligará a China com a Europa através da Ásia Ocidental e Central), e a “21st Century Maritime Silk Road” (Rota da seda marítima do século XXI – que ligará a China com os países do Sudeste Asiático, a África e a Europa). E como o nome indica, são circuitos inspirados na antiga rota da seda, que ligava o oriente e o ocidente que foi criada em 200 a.C. (ver figura acima). A China também tem liderado a transição energética para uma matriz renovável, uma mudança na indústria automobilística para os carros EVs plugin e está liderando a instalação de redes elétricas inteligentes. Tudo isto é uma amostra da transição do processo de Ocidentalização para o processo de Orientalização.

Artigo de Jeffrey Sachs “Eurasia is on the rise. Will the US be left on the sidelines?” (09/04/2017) diz: “A maior tendência geopolítica da atualidade não é a “America First”, ou a guerra global contra o terror, ou o Brexit, ou a Guerra Fria renovada com a Rússia. A novidade é a integração económica da Europa com a Ásia, especialmente a União Europeia com a China. A Europa e a Ásia convivem com a maior massa terrestre do mundo, a Eurásia. Eles estão cada vez mais conectados economicamente também. O protecionismo e a belicosidade de Trump acelerarão a integração da Europa e da Ásia e ameaçarão deixar os Estados Unidos à margem da economia e da governança global”.

O livro do jornalista Gideon Rachman, “Easternization: Asia’s Rise and America’s Decline From Obama to Trump and Beyond” mostra como tem se dado a ascensão dos países asiáticos. Ele argumenta que a crescente riqueza das nações asiáticas está transformando o equilíbrio internacional de poder. Especialmente a China, que mesmo com seus problemas (especialmente os ambientais), já está desafiando a supremacia dos Estados Unidos e da Europa.

Já o livro do pesquisador Graham Allison, “Destined for War: Can America and China Escape Thucydides’s Trap?” aponta para a possibilidade de uma Guerra entre EUA e China. A razão é a “Armadilha de Tucídides”, que se refere a um padrão mortal de estresse estrutural que resulta quando um poder crescente desafia um poder governante hegemônico. Esse fenômeno é tão antigo quanto a própria história. Sobre a Guerra do Peloponeso que devastou a Grécia antiga, o historiador Tucídides explicou: “Foi a ascensão de Atenas e o medo que isso incutiu em Esparta que tornou a guerra inevitável.” Nos últimos 500 anos, essas condições ocorreram dezesseis vezes. A guerra estourou em doze deles. Pode acontecer agora com EUA e China.

No início de abril de 2017, o presidente chinês Xi Jinping se reuniu, pela primeira vez, com Donald Trump, na residência de Mar-a-Lago, para tratar dos crescentes conflitos existentes entre as duas maiores economias do mundo. O presidente americano prometeu pressionar a China. Mas como um “Tigre de Papel” nada fez de concreto e ainda desviou o assunto com o lançamento de mísseis contra uma base aérea da Síria. O resultado foi bom para Xi Jinping que não teve que ceder nada para as pressões de Trump. A China continua com grandes superávits comerciais com os EUA, que em 2016 foi de cerca de US$ 350 bilhões. A China segue o seu caminho ascendente e os EUA seguem sua tendência declinante. Um conflito direto, no momento, foi adiado.

Mas, em vez de fortalecer os laços econômicos e culturais, a proposta do presidente Trump é aumentar os gastos militares e reduzir o gasto social. Ele pretende diminuir imposto para os ricos e fazer um grande programa de investimento em infraestrutura, o que deve elevar a dívida pública. Artigo de Eric Pianin (10/04/2017) mostra que a dívida pública americana deve ter um crescimento exponencial nas próximas 3 décadas, podendo variar de 150% do PIB a 225% do PIB (como mostra o gráfico abaixo), dependendo da dinâmica econômica.

 

continuing current policies would increase debt

 

Sem dúvida, os EUA são uma potência em declínio relativo e com sérias dificuldades econômicas pela frente. A situação da Europa Ocidental não é menos dramática. Segundo Walter Laqueur, autor do livro “Os Últimos Dias da Europa – Epitáfio para um Velho Continente”, o continente europeu vive um estado de letargia, vive uma crise do sistema do “welfare state”, um declínio demográfico, uma pressão de refugiados e imigrantes muçulmanos e africanos e está dilacerada por tensões multiculturais, além de sofrer constantes ataques de terrorismo. Para Roger Cohen, “enquanto a Europa se enfraquece pela ascensão de partidos de esquerda e da direita antimigratória, pelo esfacelamento da periferia grega, uma Europa que vira as costas para os vizinhos orientais, egoísta e sem base moral, enquanto Moscou e Pequim tramam o futuro da Eurásia. Vladimir Putin tem ideias. A Europa, por enquanto, não tem nada”.

Enquanto isto, a Rússia, a Índia e a China (RIC) vão reconfigurando a Eurásia e se fortalecendo para enfrentar uma ofensiva americana no futuro, quando o peso econômico e político dos RICs será maior e o peso da “America First” será menor. A Europa também tende a ser uma região periférica da Eurásia e ficar condicionada aos avanços da China e os RICs.

A Turquia é o país que faz a ponte entre a Ásia e a Europa e é um candidato a entrar na União Europeia. Mas a Turquia vive há meses momentos de turbulência em razão de uma tentativa de golpe por parte das forças armadas, que tentaram tomar o poder assumindo o controle de aeroportos e redes de televisão, além de bloquear pontes na capital Ancara e em Istambul. Contudo, essa tentativa, foi sufocada pelo presidente Recep Tayyip Erdogan. No domingo, 16 de abril de 2017, houve um referendo constitucional para promover as maiores mudanças políticas já vistas desde a fundação do país em 1923. O país está em estado de emergência desde o ano passado. A vitória apertada (51% x 49%) de Erdogan, ligado ao partido islâmico- conservador AKP e que assume abertamente atitudes repressivas contra os seus opositores, foi contestada pela oposição. Isto indica que a maior democracia do mundo islâmico vai enfrentar um período difícil pela frente e é mais uma frente de conflito numa região sobre hegemonia da OTAN. A Turquia praticamente saiu da União Europeia antes de entrar e é mais um sinal de fraqueza da área do Euro.

Também a eleição da França é um marco, pois indica o fim do bipartidarismo e mostra uma sociedade extremamente polarizada, em declínio do padrão econômico, com crescimento dos problemas sociais, aumento da violência, de atentados terroristas e sem saber se quer ficar na União Europeia ou se afundar no isolacionismo e na xenofobia. O presidente François Hollande, com baixíssima popularidade, desistiu de se candidatar e contribuiu para a maior derrota do Partido Socialista em décadas. O candidato da esquerda socialista, Benoît Hamon, sofreu uma derrota histórica. O Partido Republicano também fracassou.

Entre os 11 competidores, quatro estavam próximos de um empate na véspera do primeiro turno: o centrista Emmanuel Macron (24%), a ultradireitista Marine Le Pen (22%), o conservador François Fillon (19%) e o dito ultraesquerdista Jean-Luc Mélenchon (19%). No domingo (23/04), os eleitores classificaram no topo da escolha Emmanuel Macron e Marine Le Pen. Desta forma, o segundo turno será entre um candidato centrista (provável vencedor final) e uma candidata de extrema direita. Portanto, a despeito do bom desempenho de Jean-Luc Mélenchon (19%), o conjunto da esquerda francesa teve uma derrota esmagadora.

Não se sabe se o próximo presidente eleito terá maioria parlamentar, pois a governabilidade vai ser decidida nas eleições legislativas de junho e será bastante difícil o presidente conseguir uma maioria sólida no Legislativo. Uma próxima presidência apequenada não é um destino improvável. A França tem assento permanente no Conselho de segurança da ONU e é um país chave da União Europeia. Por isto, o populismo e o enfraquecimento da França têm impacto global. A França foi o berço do Iluminismo que promoveu a racionalização do mundo e fortaleceu os valores dos Direitos Humanos no sistema democrático. Mas o momento atual mostra que os ideais de igualdade, liberdade e fraternidade estão cada vez mais enfraquecidos diante das crises civilizacional e ambiental.

A Europa – que já foi a vanguarda da globalização e do desenvolvimento capitalista – tende a ser parte da periferia da Eurásia e cada vez mais dependente do progresso da China. Há de se considerar que em outras épocas históricas, a mudança de hegemonia não ocorreu pacificamente e o mundo sofreu duas Guerras Mundiais na tentativa da Alemanha de se tornar a maior potência global. Novamente uma Europa dividida e enfraquecida pode assustar o mundo.

Além do mais, a ascensão da China (e seus aliados) ao posto de superpotência do século XXI pode estar ameaçada, de início, pela sobrecarga da pegada ecológica, pela insustentabilidade da contínua degradação ambiental e pelas mudanças climáticas. Enquanto as civilizações se revezam nos ciclos históricos, o Planeta pode não suportar esta troca estratégica de hegemonia e pode sucumbir diante do alto grau de dominação e exploração dos recursos ecossistêmicos e o definhamento da comunidade biótica.

Referências:

ALVES, JED. Ascensão e queda do BRICS, Ecodebate, RJ, 11/05/2016
https://www.ecodebate.com.br/2016/05/11/ascensao-e-queda-do-brics-artigo-de-jose-eustaquio-diniz-alves/

ALVES, JED. A China e a Rede Elétrica Inteligente global, renovável e UHVDC , Ecodebate, RJ, 13/03/2017
https://www.ecodebate.com.br/2017/03/13/china-e-rede-eletrica-inteligente-global-renovavel-e-uhvdc-artigo-de-jose-eustaquio-diniz-alves/

Federico Pieraccini. The Strategic Triangle that Is Changing the World, Strategic Culture, 11/03/2017
http://www.strategic-culture.org/news/2017/03/11/strategic-triangle-that-changing-world.html

Eric Pianin. All Those Warnings About the National Debt May Understate the Problem,
April 10, 2017
http://www.thefiscaltimes.com/2017/04/10/All-Those-Warnings-About-National-Debt-May-Understate-Problem

Gideon Rachman. Easternization: Asia’s Rise and America’s Decline from Obama to Trump and Beyond, 2017
https://www.amazon.com/Easternization-Asias-Americas-Decline-Beyond/dp/1590518519

Graham Allison. Destined for War: Can America and China Escape Thucydides’s Trap?, 2017
https://www.amazon.com/Destined-War-America-Escape-Thucydidess/dp/0544935276

JEFFREY SACHS. Eurasia is on the rise. Will the US be left on the sidelines?, Boston Globe, 09/04/2017
http://www.bostonglobe.com/opinion/2017/04/09/eurasia-rise-will-left-sidelines/RjCjzDf8edwngjWoMfzL6M/story.html

 

José Eustáquio Diniz Alves, Colunista do Portal EcoDebate, é Doutor em demografia e professor titular do mestrado e doutorado em População, Território e Estatísticas Públicas da Escola Nacional de Ciências Estatísticas – ENCE/IBGE; Apresenta seus pontos de vista em caráter pessoal. E-mail: jed_alves@yahoo.com.br

 

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 26/04/2017

"RIC (Rússia, Índia e China): o triângulo estratégico que pode mudar a governança mundial, artigo de José Eustáquio Diniz Alves," in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 26/04/2017, https://www.ecodebate.com.br/2017/04/26/ric-russia-india-e-china-o-triangulo-estrategico-que-pode-mudar-governanca-mundial-artigo-de-jose-eustaquio-diniz-alves/.

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Top