Níveis de aprendizagem dos alunos nas séries finais é baixíssimo: de quem é a culpa? artigo de Cláudia Hardagh

 

sala de aula
Foto: Marcos Santos/USP Imagens

 

[EcoDebate] Quando analisamos o aproveitamento dos alunos, nas escolas públicas de São Paulo, levamos em conta os índices de aproveitamento nos exames nacionais e estaduais, conforme reportagens realizadas nos últimos meses.

Temos que ter muito cuidado. É difícil analisar este tema apenas por um caminho, pois um dos grandes problemas ao pensarmos em educação é cair numa visão simplista e não entender a escola, seus atores, professor, aluno, gestor e políticas públicas dentro de uma visão holística, sistêmica.

A culpa é do professor que não ensina, a culpa é do estado que não investe, a culpa é do aluno que é preguiçoso e do gestor que não é democrático. Tudo isso pode ser verdade, mas culpabilizá-los não resolve. Colocar apenas um elemento, dentro de todo sistema, como o mote do fracasso é fazer análise reducionista.

O estado de São Paulo, faz muitos anos, não tem a educação como prioridade, isto é fato! Trata as escolas, alunos e professores com total desprezo, basta lembrar as invasões na escola pelos alunos, o caso da merenda não resolvido, as decisões antidemocráticas de reorganização, enfim são tantos exemplos que não é preciso fazer esforço para provar a colocação feita.

Se não há políticas públicas para educação que escutam todos os sujeitos envolvidos e especialistas em diversas áreas para colaborar em sua melhoria então os resultados ficam sempre muito abaixo do esperado e ficamos tentando arranjar fórmulas mágicas para mascarar uma melhora da situação.

A política pública adotada mostra que temos professores desmotivados, escolas sem projeto, aulas sem sentido e currículo que não atinge o aluno que, vai para a escola, sem perspectiva alguma de, por meio dela, ter um futuro melhor.

É preciso fazer um quadro sistêmico dos problemas para entender o que acontece realmente acontece, é urgente chamar, ouvir e entender todos os envolvidos na situação para essa discussão. Todos, no caso, representam alunos, comunidade, professores, gestores e especialistas. Sem este caminho não acredito que sairemos dos índices tristes de qualificação dos alunos.

Se o aluno passa 13 anos na escola e não aprende o mínimo necessário para fazer a leitura de mundo, como tanto disse Paulo Freire, então qual a razão de ser da escola no século XXI?

Claudia Coelho Hardagh é professora do Programa de Pós-graduação Educação, Arte e História da Cultura da Universidade Presbiteriana Mackenzie. Pesquisadora do Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra.

 

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 10/02/2017

Níveis de aprendizagem dos alunos nas séries finais é baixíssimo: de quem é a culpa? artigo de Cláudia Hardagh, in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 10/02/2017, https://www.ecodebate.com.br/2017/02/10/niveis-de-aprendizagem-dos-alunos-nas-series-finais-e-baixissimo-de-quem-e-culpa-artigo-de-claudia-hardagh/.

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Top