A contaminação por mercúrio em peixes marinhos no Brasil, por Marcelo Tardelli Rodrigues e Manildo Marcião de Oliveira

 

160809
Peixes, crustáceos e moluscos comercializados no Mercado Municipal de Peixe de Cabo Frio-RJ. Foto: Marcelo Tardelli Rodrigues.

 

[EcoDebate] A poluição ambiental representa uma séria ameaça aos ecossistemas costeiros, à vida marinha e, consequentemente, à saúde humana. O mercúrio (Hg) é um metal pesado naturalmente presente em todo o planeta em baixas concentrações. Quando atinge concentrações altas, é decorrente da ação do homem sobre o ambiente, como por exemplo, a atividade garimpeira e despejos de esgotos domésticos e industriais, estes últimos provenientes principalmente de indústrias cloro-álcali, usinas termoelétricas a carvão e incineradores industriais.

Dependendo das condições ambientais, o mercúrio que é introduzido no ambiente pode sofrer alterações através de processos mediados por microorganismos, e ter sua forma química inicial modificada, passando a sua forma organificada, o metilmercúrio (MeHg), que é a forma mais tóxica do elemento, responsável por efeitos prejudiciais sobre a saúde humana através do consumo de alimentos, principalmente de vertebrados marinhos, como peixes carnívoros.

Os peixes podem absorver em seus tecidos e órgãos concentrações de mercúrio presentes no ambiente, através das vias respiratórias (ex: brânquias), do tegumento (ex: pele, escamas) e da alimentação. A capacidade de acumulação, assim como a quantidade de mercúrio presente no peixe, depende principalmente da quantidade e disponibilidade (biodisponibilidade) da forma química em que o elemento está no ambiente, e varia de acordo com a espécie, hábito alimentar, comprimento, peso, idade e mobilidade da mesma.

Um estudo realizado por pesquisadores do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Fluminense (IFF)/Campus Cabo Frio pesquisou, selecionou e analisou 13 estudos (trabalhos científicos) cuja temática foi a “análise das concentrações de mercúrio em espécies de peixes marinhos na costa brasileira”, com o objetivo de mostrar quais espécies foram capturadas em tais estudos e os níveis de mercúrio encontrados nos indivíduos coletados de cada uma dessas espécies. Para a surpresa de todos, 50% dos peixes analisados nesses estudos apresentaram concentrações de mercúrio acima do limite máximo recomendável para consumo humano, estabelecido pela Organização Mundial de Saúde (OMS), que é de 0,5 µg/g (micrograma de mercúrio por grama de tecido muscular) para peixes não-carnívoros e produtos da pesca, e 1 µg/g para peixes carnívoros. Atualmente, o consumo de peixes, moluscos e crustáceos constitui a principal fonte de contaminação de pessoas, cujos efeitos sobre a saúde incluem danos ao sistema nervoso central, coração e sistema imunológico. Os fetos e crianças são especialmente vulneráveis a problemas de desenvolvimento.

No estudo que será publicado em breve, os pesquisadores concluíram que a descoberta de níveis altos de mercúrio em algumas espécies de peixes oceânicos (atum-azul, agulhão-vela, espadarte e tubarão-azul, entre outros) é surpreendente, devido ao fato de que muitos vivem longe da costa. Tais concentrações podem ser explicadas pelo aumento desse elemento ao longo da cadeia alimentar marinha e da distribuição global de mercúrio, com dispersão auxiliada pelas correntes oceânicas e atmosféricas de transporte. No entanto, embora esses altos níveis de mercúrio representem um possível aumento do nível desse elemento nos oceanos, as informações apresentadas nesse estudo serão úteis para a indústria da pesca e órgãos públicos de saúde responsáveis por supervisionar o consumo público de determinadas espécies de peixes. Essas informações também fomentarão a prevenção no consumo de determinadas espécies de peixes oceânicos, principalmente as espécies carnívoras, e novas investigações sobre esse tema, focando no mecanismo de contaminação das espécies estudadas.

Buscamos com essas informações, a formação de um relato que auxilie na conscientização sobre o monitoramento desse metal em ambientes marinhos e na fauna marinha em geral.

Marcelo Tardelli Rodrigues e Manildo Marcião de Oliveira
Programa de Pós-graduação em Engenharia Ambiental (PPEA)
Laboratório de Ecotoxicologia e Microbiologia Ambiental (LEMAM)
Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Fluminense (IFF)

 

in EcoDebate, 09/08/2016

[cite]

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à Ecodebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

2 comentários em “A contaminação por mercúrio em peixes marinhos no Brasil, por Marcelo Tardelli Rodrigues e Manildo Marcião de Oliveira

  1. Questão de suma importancia para o brasileiro consumidor de pescados. Uma pesquisadora da Farmacia e Bioquimica da USP ja desenvolve estudos relacionados a contaminação de mercurio em cações do litoral norte, mais especificamente Ubatuda desde 2003. Uma pesquisadora do Rio de Janeiro desenvolveu um metodo barato para a detecção de Hg em tecidos/materiais. A ONU atraves da Convençao de Minamata tem um agenda a ser imolementada na América Latina sobre a prevençao de contaminação por Hg e segurança alimentar. Publiquei um artigo em 2015 no Congresso Brasileiro do Meio Ambiente de Poços de Caldas, nominado de CASO MINAMATA.

Comentários encerrados.

Top