O descontrole da dívida pública e o futuro do Brasil, artigo de José Eustáquio Diniz Alves

 

evolução da dívida pública brasileira

 

[EcoDebate] Em artigo anterior mostrei que os déficits primário e nominal no Brasil cresceram muito rapidamente desde 2014. O descontrole das contas públicas se tornou um dos problemas centrais do Brasil e é um dos fatores que explica a atual recessão e o recorde de mais de 11 milhões de desempregados no país.

Os crescentes déficits, ao longo do tempo, se transformam em dívida. O Fundo Monetário Internacional (FMI) divulgou novo relatório em abril mostrando que a dívida pública bruta do Brasil subiu de 60,4% do Produto Interno Bruto (PIB) em 2013 para 73,7% em 2015, um aumento sem precedentes. O pior é que a dívida continua subindo e deve alcançar 91,7% em 2021, podendo ficar perto dos 100% do PIB em 2022, ano do aniversário dos duzentos anos da Independência do Brasil.

Em termos absolutos a dívida estava em R$ 2,5 trilhões em 2010, passou para R$ 4,4 trilhões em 2015 e pode chegar a R$ 8,3 trilhões em 2021. O Brasil está seguindo um caminho já trilhado pela Grécia e que pode levar ao desastre.

Os economistas Kenneth Rogoff e Carmen Reinhart, ambos da Universidade de Harvard, publicaram o artigo “Crescimento em tempo de dívida”, em 2010 e que fez grande sucesso. Os autores argumentavam que os países com uma dívida pública acima dos 90% do PIB teriam um crescimento muito inferior do que teriam potencialmente caso a dívida fosse menor.

O estudo dos dois famosos economistas, com base em estatísticas de longo prazo de vários países, se tornou uma referência fundamental das políticas de austeridade para a estabilização das contas públicas. Porém, um estudante de doutorado – Thomas Herndon, da Universidade de Massachusetts – replicando a metodologia descobriu um erro no trabalho original. Isto mostra que o limite de 90% do endividamento não é um fator determinístico.

Mas sem dúvida, uma dívida muito elevada, especialmente no caso brasileiro que tem a ver com pagamento de juros e com despesas que não são relacionadas com o aumento da produtividade, prejudica o crescimento econômico. A trajetória explosiva acontece quando a dívida bruta absoluta cresce enquanto o PIB diminui.

 

160516b

 

Uma dívida pública muito alta induz um aumento da taxa de juros que funciona como freio da economia. Mas uma dívida ultrapassando 100% do PIB (em um país com baixa taxa de poupança) pode levar a uma situação de insolvência e o governo pode ter que emitir moeda para pagar seus compromissos. Neste caso, a dívida gera inflação e hiperinflação. Eliminar os efeitos de uma dívida volumosa sobre a economia é como evitar que a lei da gravidade seja inexorável.

Não custa lembrar que a inflação no governo peemedebista de José Sarney foi de quase 2 mil por cento em 1989. Em março de 1990 (último mês de Sarney) a inflação, medida pelo Índice Geral de Preços (IGP), foi de 83,95%. Esta taxa anualizada (1,8395^12) representa uma inflação de 150.106% ao ano. Uma baita hiperinflação.

Para evitar o pior e diante do triste quadro em que se encontra a economia brasileira, seria preciso que o novo governo tomasse medidas urgentes para evitar que a situação deteriorasse nos próximos meses e anos. Os pilares do edifício estão se rompendo e já derrubaram um governo. Como disse o senador Cristovam Buarque: “Tudo isso nos mostra que não há apenas uma crise, há uma decadência civilizatória em curso. A República está em degradação”.

Se nada for feito daqui para a frente, não só outros governos cairão, mas toda a sociedade brasileira vai sofrer, jogando por terra o sonho de um país próspero e justo.

Referências:
ALVES, JED. A crise fiscal e política e a explosão da dívida pública. Ecodebate, RJ, 02/03/2016

ALVES, JED. A explosão dos déficits primário e nominal e a mudança de governo. Ecodebate, RJ, 13/05/2016

 

José Eustáquio Diniz Alves, Colunista do Portal EcoDebate, é Doutor em demografia e professor titular do mestrado e doutorado em População, Território e Estatísticas Públicas da Escola Nacional de Ciências Estatísticas – ENCE/IBGE; Apresenta seus pontos de vista em caráter pessoal. E-mail: jed_alves@yahoo.com.br

 

in EcoDebate, 16/05/2016

O descontrole da dívida pública e o futuro do Brasil, artigo de José Eustáquio Diniz Alves, in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 16/05/2016, https://www.ecodebate.com.br/2016/05/16/o-descontrole-da-divida-publica-e-o-futuro-do-brasil-artigo-de-jose-eustaquio-diniz-alves/.

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à Ecodebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

3 comentários em “O descontrole da dívida pública e o futuro do Brasil, artigo de José Eustáquio Diniz Alves

  1. Bem isso…

    Sem politizar a discussão, o que derrubou a Dilma nem foi a óbvia corrupção, mas o descontrole das contas públicas…

    Abs…

    RNaime

  2. País capitalista “próspero e justo”, só mesmo em sonho.

  3. Bem se não for capitalista, comunista ou socialista que não será nunca! É só ver a realidade dos fatos!

Comentários encerrados.

Top