‘População está decepcionada com Belo Monte’, diz líder de movimento em Altamira

 

A inauguração da Usina Hidrelétrica Belo Monte, no Rio Xingu (PA), não trouxe alegria para a população de Altamira, onde o empreendimento está situado, segundo a coordenadora do Movimento Xingu Vivo para Sempre, Antônia Melo, moradora da cidade. Segundo ela, até quem apoiou a construção da usina hoje está decepcionado.

 

Usina Hidrelétrica Belo Monte
Usina Hidrelétrica Belo Monte. Foto: Osvaldo de Lima/Norte Energia
 

“Os empresários da cidade, que mais apoiaram o projeto, foram enganados, porque a empresa e o governo prometerem que todo o material para a barragem seria comprado nas lojas deles e isso não aconteceu”, disse Antônia à Agência Brasil.

As primeiras unidades geradoras da hidrelétrica foram inauguradas hoje (5), com a presença da presidenta Dilma Rousseff.

Insatisfação

A população local não foi convidada para o evento, segundo Antônia. Ela diz que há um descontentamento total da maioria dos movimentos sociais da cidade, especialmente de indígenas, pescadores, ribeirinhos. “Não vemos condicionantes para a melhoria da vida do povo”, ressalta. Outra questão levantada é o assentamento das famílias que foram retiradas de suas moradias por causa da construção da usina.

Para Antônia, ainda há famílias que não foram reconhecidas pela empresa como beneficiárias e não receberam indenização. Ela também critica o saneamento que foi feito na cidade. “A maioria da população de Altamira tem que comprar água para consumir porque a água daqui não presta”, diz.

Antônia também ressalta a insegurança da população com a barragem. “Ninguém sabe qual o futuro de Altamira, se vai alagar tudo”. Segundo ela, o movimento vai continuar lutando contra a construção da usina. “Belo Monte não é fato consumado para nós. Tem muita história ainda pela frente”, afirma.

De acordo com a Norte Energia, empresa responsável pela implantação, construção, operação e manutenção da usina, aproximadamente 14% do total do orçamento de Belo Monte (R$ 25,8 milhões) foram empregados em ações de redução dos impactos do empreendimento nos 12 municípios da área de influência da Usina, como instalação da rede de saneamento básico de Altamira, construção de escolas e unidades de saúde, além do reassentamento da população que vivia em áreas insalubres.

Por Sabrina Craide, da Agência Brasil, in EcoDebate, 06/05/2016

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à Ecodebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

4 comentários em “‘População está decepcionada com Belo Monte’, diz líder de movimento em Altamira

  1. Gostaria de indagar dos moradores da região de Belo Monte sobre a qualidade da água na cidade.
    A coordenadora do Movimento Xingu Vivo para Sempre, Antônia Melo, diz que a água da cidade não presta.
    Esse assunto precisa ser denunciado e cobrado da empresa que abastece a cidade.

  2. Medidas como essa adotada pela Norte Engenharia faz co que a população ficam contraria a construção de usina hidrelétrica. É a falta de comprometimento do cumprimento de medidas de preservação, conservação e recuperação ambientais que são de longo prazo. E a falta de fiscalização e punição por parte também dos órgãos ambientais.

  3. Está tudo errado, não é possível engolir essa história eu não acredito nisso, “me da um nó nas tripas” ler matérias dessa natureza.
    É tanta promessa de melhoria, e o pior, documentada (EIA/RIMA e PBA), protocolada no IBAMA, financiada por bancos e aplaudida por um grupo de políticos (Governo e Oposição) e empresários sem moral e sem legitimidade nenhuma.
    As construtoras receberam por isso, por que não cumprir com os documentos (sabemos que exitem falhas nesses documentos), mas que garantam as condições essenciais minímas previstas neles, e o nosso órgão fiscalizador está em favor de quem meu Deus??????
    Poxa é muita sacanagem, esta faltando mais humildade e justiça na alma dessas pessoas (mais abastados e classe politica), que alimentam a indústria da pobreza e da destruição da natureza.
    Nessas horas não me orgulho em ser brasileiro, e muito menos ser humano.
    Se pudesse escolher, gostaria de ser um Urubu-de-cabeça-vermelha…. assistir do alto, mas bem do alto, a ganância desse animal (Homo sapiens sapiens) nefasto e consequentemente a destruição da Terra.

  4. O que é um absurdo em tudo isso, é deslocarem as famílias de seus habitats naturais, levando-as para outros lugares sem condições minímas de sub-existência, outros se quer foram indenizados. Certamente a maioria tinha a pesca como profissão e ao que se pode ver, não o dispuseram outro meio para sustentar suas famílias. Será que em algum momento da elaboração desse projeto alguém pensou nisso? E como devem estar lidando com essa questão da água, já que, segundo a Coordenadora do Movimento Xingu Vivo para Sempre, Antônia Melo, diz que a água da cidade não presta? Essa questão precisa ser denunciada para que as devidas providencias sejam tomadas emergencialmente.

Comentários encerrados.

Top