Dilma veta energias renováveis não hidráulicas no Plano Plurianual 2016-2019

 

A presidente retirou do Plano Plurianual 2016-2019 objetivos, metas e iniciativas voltadas para o fortalecimento das fontes renováveis na matriz energética brasileira, contradizendo seu discurso durante a COP de Paris, em dezembro passado

Dilma discursa na COP de Paris|Roberto Stuckert-PR (Agência Brasil)

Na semana passada, Dilma Rousseff vetou diversos pontos do Plano Plurianual (PPA) para o período de 2016-2019. No Programa 2033, com foco nos objetivos, metas e iniciativas para o setor de energia elétrica, todos os vetos dizem respeito às energias renováveis não hidráulicas e às energias alternativas. Os trechos no PPA que tratam de hidrelétricas e termelétricas (nenhum deles vetado pela presidente) superam em muito aqueles que se referem a energias alternativas e renováveis.

O Objetivo 1169 do Programa diz “Promover o uso de sistemas e tecnologias visando a inserção de geração de energias renováveis na matriz elétrica brasileira” e foi vetado juntamente com as respectivas metas e iniciativas. Elas incluem a adição de 13.100 megawatts de capacidade instalada de geração de energia a partir de fontes renováveis; o incentivo ao uso de fontes renováveis por meio da geração distribuída; o uso de fonte solar fotovoltaica; e a implantação de projetos de desenvolvimento de fontes renováveis. Dilma também vetou iniciativas como “Implantação de Usinas de Fonte Solar em Instalações Públicas” e “Incentivo à Geração de Energias Renováveis”. (leia o documento)

“O veto não é condizente com os compromissos assumidos no acordo de Paris e não é condizente com os últimos leilões de energia que já estão priorizando energias renováveis no Brasil”, afirma Paulo Artaxo, físico e professor da Universidade de São Paulo e referência mundial em mudanças climáticas. O ex-deputado Alfredo Sirkis, diretor executivo do Centro Brasil no Clima, considera a justificativa para o veto “surrealista, meio incompreensível”.

Entre as razões, a presidente escreve que “o Objetivo [1169] seria redundante em relação a outros Objetivos existentes no PPA”, o que “prejudicaria a expressão da política pública, a organização do planejamento e da atuação governamental prevista na estrutura programática do Plano”. A justificativa do veto termina com a afirmação de que as fontes renováveis correspondem a cerca de 40% da matriz energética brasileira. O argumento da redundância foi utilizado para diversos outros vetos do PPA.

Sirkis considera que houve avanços recentes em relação às fontes solar e eólica no país, como “nova regulamentação do solar distribuído pela ANEEL [Agência Nacional de Energia Elétrica]” e o crescimento das energias eólicas. Em 2014, por exemplo, o Brasil foi o quarto colocado mundial na expansão da potência eólica. “[…] Não vamos superestimar os efeitos desses vetos. Mas também não devemos deixá-los passar em brancas nuvens senão virá mais retrocesso”, afirma Sirkis.

O presidente da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp), José Goldemberg, referência internacional na questão de energia, não considera os vetos “má vontade do governo com energias renováveis”. Ele afirma que “esse documento [o PPA] não é um documento que realmente vai fixar politicas de governo, ele fixa linhas gerais”. Para ele, os itens vetados podem ter sido considerados muito específicos pelo governo.

Já o pesquisador Paulo Artaxo cita as propostas brasileiras para a Conferência do Clima de Paris, realizada no fim do ano passado: “Se o Brasil, na sua INDC [o documento com as propostas de cada país para a Conferência do Clima], assumiu o compromisso de aumento da fração de energias renováveis, não faz sentido vetar um item, por exemplo, que implementa o incentivo ao uso de fonte solar fotovoltaica de geração de energia elétrica”.

A INDC brasileira tinha como meta alcançar 45% de contribuição das energias renováveis – incluindo a hidrelétrica – na matriz até 2030. Em discurso na Conferência do Clima de Paris (COP-21), no fim do ano passado, Dilma destacou o papel das renováveis na redução de emissões: “O governo e a sociedade brasileira estão fazendo sua parte. […] Seguimos com nossos esforços de ampliar a participação das energias renováveis na nossa matriz”.

“Eu a vi fazer uma defesa vibrante da solar na sua conferência de imprensa, na COP-21”, lembra Sirkis em entrevista ao ISA. “Bem, passado o ano e em janeiro ela volta à sua postura tradicional, tudo isso é bobagem, é complementar, intermitente, ainda não conseguimos ‘armazenar vento’, solar é perfumaria, o negócio são grandes hidroelétricas e pau na moleira”.

Para o sócio fundador do ISA, Márcio Santilli, são vetos do passado contra o futuro. “Esses vetos protegem o modelo corrupto de geração centralizada contra qualquer ameaça à sua hegemonia moribunda”.

Plano PlurianualO Plano Plurianual é um instrumento com diretrizes para o desenvolvimento das políticas públicas do governo a médio prazo. Previsto pela Constituição, ele contém objetivos, metas e iniciativas para orientar as ações do Estado em um período de quatro anos em diversos setores, incluindo energia elétrica.

Por Victor Pires, ISA

 

Informe do Instituto Socioambiental (ISA), in EcoDebate, 25/01/2016

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à Ecodebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

6 comentários em “Dilma veta energias renováveis não hidráulicas no Plano Plurianual 2016-2019

  1. Não há palavras para mostrar o que se passa no Brasil desde 2003…..são 12 para 13 anos de retrocesso , precisamos tirar esse governo já, e se possível à pauladas petista morto é bem vindo ao inferno….

  2. A esse artigo deveriam dar maior publicidade. O povo, o povão mesmo, deveria tomar conhecimento integral de todas as mazelas desse (des)governo. Dilma é , incompetente, indigna do cargo que ocupa e, pior, denigre a imagem da mulher brasileira. Além disso, faz da mentira a sua atividade principal: É MENTIROSA!!!!!!!!!!!

  3. O jeito é mudar de pais, não dá nós brasileiros não temos poder pra nada quem nos representa lá em Brasilia se juntou a esse modelo de governo podre, sem mais para o momento.
    Wagner A Oliveira um futuro imigrante do Canada.

  4. Entendo que as criticas acima estão eivadas de ódio e me parece criticas de quem não quer aceitar a derrota e que na democracia o voto do povo deve ser respeitado. Se não estamos satisfeitos com o Atual governo, aguardemos as próximas eleições e vamos retirá-lo de forma democrática através do sufragio. Acho que este espaço deve ser reservado ao debate de avanços tecnológicos, em especial a geração de energia fotovoltaica.
    Mas independente do que nos faz, talvez, perplexos com o veto, devemos continuar a busca incessante de novas técnicas e desenvolvimento de programas deste meio de geração de energia que nos permita ampliar os benefícios socioambientais.

  5. Este governo que se diz de esquerda; que é oriundo de uma sigla chamada “PARTIDO DOS TRABALHADORES”; há muito tempo feriu seu estatuto. Além de sucatear o Brasil através dos intermináveis esquemas de corrupção agora quer acabar definitivamente com as chances da minigeração.
    Agora entendemos o por quê desta decisão:
    A Petrobrás acaba de anunciar a venda de suas usinas termelétricas.
    Se os grandes oligopólios da matriz energética brasileira continuarem está garantida uma boa parte de fundo de campanha para o “LULA, O FILHO DO BRASIL”, lembram?
    Como dizia o saudoso Boris Casoy: “Isso é uma VERGONHA”.

Comentários encerrados.

Top