Exportações brasileiras e a perda de competitividade, artigo de José Eustáquio Diniz Alves

 

151104a

 

[EcoDebate] Do ponto de vista da macroeconomia (sem considerar o lado ambiental), vários países sairam da pobreza adotando uma estratégia de crescimento via aumento das exportações (export-led growth). O Japão e os Tigres Asiáticos fizeram isto, a partir dos anos de 1950, e se deram bem. Tornaram-se países desenvolvidos e com alta qualidade de vida. A China adotou a estratégia export-oriented industrialization a partir de 1980 e manteve um crescimento do PIB por volta de 9% ao ano, durante 35 anos. Hoje, medida em poder de paridade de compra (ppp), a China é a maior economia do mundo e caminha para ter uma renda per capita superior a brasileira.

O Brasil adotou a estratégia de substituição de importações, fechou sua economia e se descuidou da competição internacional. Proteger o mercado interno durante o início do desenvolvimento é uma prática generalizada, mas ficar dependendo do protecionismo eternamente é um caminho para o fracasso. O Brasil apresentou diversos avanços no passado, mas, atualmente, a perda de produtividade da economia brasileira é evidente. O Brasil perde espaço nas exportações mundiais como mostra o gráfico acima. Entre 1950 e 1986 o Brasil exportava mais do que a China e mais do que Cingapura. Mas desde 1987 o Brasil tem diminuído participação relativa no mercado global e, em 2014, Cingapura (que tem uma população de 6 milhões de habitantes e a extensão territorial da cidade do Rio de Janeiro) exportou quase o dobro do Brasil, enquanto a China exportou mais de 10 vezes.

Em 1950, as exportações brasileiras representavam 2,2% do total global, caindo para 1,2% em 2014, enquanto Cingapura teve participação de 2,2% e a China com 12,4%, no mesmo ano. A China foi o caso mais impressionante do mundo, pois estava na miséria na década de 1960, passou por uma série de reformas na década de 1970 e decolou a partir de 1980, sendo que o comércio internacional foi fundamental para o sucesso econômico chinês (com fracasso ambiental). Já o Brasil assiste o declínio de sua participação no comércio internacional, que pode cair para menos de 1% em 2015 ou 2016.

As exportações brasileiras cresceram bastante durante o período do boom internacional das commodities, que ocorreu de 2002 a 2011. Neste período as exportações brasileiras passaram de US$ 60,4 bilhões para US$ 256 bilhões, mesmo com o Real valorizado. Um salto de quatro vezes na esteira do boom do preço dos produtos básicos. Porém, as exportações do Brasil caíram para US$ 225 bilhões em 2014 e devem ficar por volta de US$ 190 bilhões em 2015, voltando para valores abaixo daqueles de 2008. Houve involução do comércio internacional brasileiro, a despeito da grande desvalorização cambial recente.

 

151104b

 

O Brasil é um dos países onde as vendas ao exterior menos contribuem para o PIB. Em 2014, as exportações representaram 11,5% da soma de bens e serviços produzidos pelo país. Foi o sexto menor percentual entre 150 países analisados, segundo levantamento do Banco Mundial. O Brasil só ficou à frente apenas do Afeganistão, Burundi, Sudão, República Centro-Africana e Kiribati. E bem abaixo da média global, de 29,8% do PIB. A China registrou exportações de US$ 2,7 trilhões nos nove primeiros meses de 2015, com um superávit comercial maior do que as reservas brasileiras.

A diplomacia brasileira além de apoiar o processo de reprimarização das exportações, especialmente para a China e BRICS, buscou apoio de países pequenos e sem grandes expressões no comércio mundial. Enquanto isso, os Estados Unidos e mais 11 países fecham o maior acordo comercial regional da história – a Parceria Transpacífico (TPP). O acordo abrangerá 40% da economia global, e inclui, além dos EUA, Austrália, Brunei, Canadá, Chile, Cingapura, Japão, Malásia, México, Nova Zelândia, Perú e Vietnã. Ficar de fora deste bloco pode dificultar uma melhor inserção brasileira nas transações internacionais. Em ambas as situações há uma grande preocupação com as questões ambientais, que não costumam estar em primeiro lugar nas negociações comerciais.

Neste momento de estagflação da economia brasileira, o crescimento das exportações poderia ser uma alternativa para obter receitas cambiais e aumentar o emprego. Isto poderia ter um efeito multiplicador para retirar o país da recessão. Porém, a perda de competitividade e a falta de políticas adequadas tem feito o Brasil regredir sua participação nas exportações mundiais. Neste ano, as exportações somaram 144,5 bilhões de dólares de janeiro a setembro e as importações totalizaram 134,6 bilhões de dólares. O saldo está em US$ 10 bilhões e pode chegar a US$ 15 bilhões até o final de 2015. A queda do preço internacional do petróleo foi fundamental para o melhor desempenho da balança comercial brasileira.

Gerar saldos comerciais positivos é bom para o país, mas o ajuste está sendo feito pela queda das importações e não pelo aumento das exportações. O baixo dinamismo da exportação brasileira é uma péssima notícia para o país que precisa ter uma alternativa para a armadilha da estagflação. O Brasil poderia mirar no exemplo dos países do leste asiático (desde que também cuidasse do meio ambiente).

Decrescimento recessivo, com poluição e aumento da pobreza não é bom para ninguém (“Su recesión no es nuestro decrecimiento”). O que não dá é para ficar nesta pasmaceira.

 

José Eustáquio Diniz Alves, Colunista do Portal EcoDebate, é Doutor em demografia e professor titular do mestrado e doutorado em População, Território e Estatísticas Públicas da Escola Nacional de Ciências Estatísticas – ENCE/IBGE; Apresenta seus pontos de vista em caráter pessoal. E-mail: jed_alves@yahoo.com.br

 

in EcoDebate, 04/11/2015

Exportações brasileiras e a perda de competitividade, artigo de José Eustáquio Diniz Alves, in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 4/11/2015, https://www.ecodebate.com.br/2015/11/04/exportacoes-brasileiras-e-a-perda-de-competitividade-artigo-de-jose-eustaquio-diniz-alves/.


[ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Alexa

4 comentários em “Exportações brasileiras e a perda de competitividade, artigo de José Eustáquio Diniz Alves

  1. Lúcida abordagem e congruente levantamento de dados, sem politizar a discussão, as opções se materializaram problemáticas…

    Abs…

    RNaime

  2. “O Brasil poderia mirar-se no exemplo dos países do leste asiático (desde que também cuidasse do meio ambiente).”

    [Final do penúltimo parágrafo do artigo].

    Doutor José Eustáquio Dinaz Alves, com todo o respeito e admiração que tenho por Vossa Senhoria (pois me considero seu discípulo) e diante do cumprimento do meu compromisso teórico com as causas socioambientais, sinto-me na obrigação de dizer da minha convicção de que Vossa Senhoria tem consciência plena de que sua proposta, conforme consta em transcrição no topo deste comentário, onde aparece a expressão: “desde que também cuidasse do meio ambiente”, é, absolutamente, impraticável.
    E digo mais: ao focalizarmos a política em âmbito planetário, vemos que essa estória de ‘competitividade’ nada produz de bom, pois quando favorece o desenvolvimento econômico de algum país está devastando mais e mais o planeta e produzindo a miséria socioambiental de muitos outros países, especialmente daqueles de onde se extraem os recursos naturais a serem exportados. Vossa Senhoria também tem plena consciência desse fato.
    Se desejamos defender a vida no planeta Terra, devemos empenhar esforços para que seja abolida a malígna competitividade e, em seu lugar, façamos florescer o socialismo fraternal em todo o planeta, de forma a que cada ser humano se liberte das fronteiras da competitividade e tenham, todos os seres humanos que habitam a Terra, como seus legítimos irmãos.
    Ou será assim, ou nada será!
    Descumpe-me se a expressão dos meus sentimentos o desagradou, pois que essa não foi minha intenção, e nunca será. Como tentei explicar acima, apenas procurei defender, teoricamente, a causa socioambiental, posto que mais não posso fazer, e, talvez, nem toda a humanidade possa se organizar e se auto-transformar para, em seguida, criar uma sociedade socialista planetária na qual todas as formas de vida tenham condições de brotar e viver de forma plena em um planeta saudável, onde todas as relações dos seres vivos também sejam saudáveis.

    Att. abraços.

  3. Obrigado Roberto. A sua leitura e apoio muito me honram.

    Obrigado também Valdeci. Voce sempre levanta pontos interessantes e faz bons questionamentos. Concordo que é dificil (ou praticamente impossível crescer como a China e cuidar do meio ambiente). Mas a situação da Coreia do Sul é bem melhor do que a da China.

    O objetivo deste artigo foi se contropor a ideia que a simples geração de superavit comercial é bom para o Brasil. O que tentei mostrar é que este superavit está sendo feito via redução das importações em decorrência da estagflação brasileira. Ou seja, na verdade o nível das exportações brasileiras caiu mesmo com a grande desvalorização cambial. Como o nível de consumo interno está baixo e houve queda dos investimentos, então, sem contar com a alternativa do aumento das exportações, a recessão brasileira vai se aprofundar.

    Toda a logica do artigo foi econômica. Não tinha muito espaço para tratar das questões ambientais. Então coloquei uma frase simples só para chamar a atenção para o problema.

    Estas são as dificuldades de querer falar de muita coisa em pouco espaço. Mas cada artigo funciona como uma peça de um quebra-cabeça maior.

    Suas criticas e comentarios são sempre bem vindos.

    Abs, JE

  4. Como leigo no assunto, mas como curioso quero opnar sobre o seguinte: No 1º grafico vemos que nos anos 50 o Brasil estava melhor em exportação, em relação ao total exportado no mundo. Caimos bastante na ditadura militar mas a partir de 2005 a curva voltou a subir e estamos a mais de 250% em relação a 1980.
    Com relação ao veloz crescimento da China, é preciso examinar com mais atenção o custo humano e ambiental.
    Com relação ao acordo transpacifico dos eeuu seria interessante lembrar os principios da antiga aliança para o progresso – que não foi aceita pela America Latina, o NAFTA, que deixou o Mexico na miseria atual, e a ALCA, da qual nos livramos nos anos 90. Abaços do Edmundo

Comentários encerrados.

Top