Brasil tem menos de 13% do seu território em áreas protegidas

 

Floresta em área indígena na Amazônia (Foto: Damian Nery/Ipam)

 

O papel das unidades de conservação na economia mundial e no futuro da sociedade foi discutido durante a palestra do biólogo George Schaller, durante evento internacional que está reunindo ambientalistas de todo o mundo, em Curitiba (PR)

George Schaller, biólogo naturalizado americano que é referência no estudo de espécies emblemáticas como os gorilas-de-montanhas e os pandas, participou nesta terça-feira (22) da oitava edição do Congresso Brasileiro de Unidades de Conservação (VIII CBUC). O pesquisador falou sobre o papel das áreas protegidas na economia mundial​, no futuro da sociedade​ e, principalmente, na conservação​ da natureza. Dados​ do Ministério do Meio Ambiente (MMA), mostram que o Brasil possui pouco mais de um milhão de km2 de áreas naturais protegidas, equivalente a apenas 12​,8% de toda extensão do território nacional.

​Aos 82 anos de idade e com mais de seis​ décadas de experiência em pesquisa nos seis continentes, o conservacionista veio ao Brasil especialmente para o evento que acontece até sexta-feira (25) – em Curitiba (PR) – ​ e é promovido pela Fundação Grupo Boticário de Proteção à Natureza, em comemoração aos 25 anos da ONG. Segundo Schaller, as áreas protegidas são essenciais para o futuro porque se forem realmente conservadas, elas irão garantir que as pessoas tenham um futuro equilibrado. “Se analisarmos por que São Paulo, por exemplo, está sofrendo com a crise da água? Porque não existem florestas suficientes nos arredores dos mananciais para produzir água. Tudo que queremos e precisamos vem da natureza e muitas vezes nos esquecemos disso”, afirma.

George Schaller, que também é vice-presidente da ONG Panthera, que tem sede em Nova Iorque e trabalha para a conservação dos felinos do mundo, explica que é preciso garantir a conservação efetiva dessas áreas e, para atingir esse objetivo, é necessário o envolvimento da comunidade o que é um ponto crítico. “Como nós podemos convencer a sociedade a proteger o seu próprio futuro? Como nós podemos conseguir benefícios econômicos com isso? Quais benefícios? São perguntas importantes que precisam ser respondidas agora e para isso precisamos de políticos que se interessem pela causa”, ressalta.

Ao ser questionado como as áreas protegidas podem melhorar a vida das pessoas, George Schaller é categórico: “essa é a pergunta mais difícil em conservação. Todos querem mais desenvolvimento, mas quanto mais se tem desenvolvimento, menos se está inclinado a melhorar a vida das pessoas em longo prazo, porque esse crescimento não é sustentável”. Segundo ele, é preciso encontrar formas pelas quais a comunidade entenda que ela depende dessas áreas protegidas, pois elas oferecem os chamados serviços ambientais, como a produção de água, a regulação do microclima, a purificação do ar e fertilização do solo. “Uma forma bem simples e simplista de explicar é que se nós destruirmos as florestas e, por consequência os mananciais, iremos destruir a nós mesmos”, conclui.

Em sua palestra​,​ o biólogo destacou que a sociedade tem agido como se o planeta fosse um grande supermercado, como se os recursos fossem infinitos. “Nós usamos mais recursos da Terra nos últimos 50 anos do que em todo o resto da história humana. Como será o futuro que estamos criando? Então, precisamos que um esforço coletivo seja feito para atingir um equilíbrio entre o desenvolvimento e a conservação, aliando a participação da comunidade e dos políticos”, comenta.

E o Brasil?

George Schaller visitou o país pela primeira vez nos anos 70 e afirma que desde então o Brasil cresceu bastante em ações de conservação, com reservas criadas, profissionais capacitados e milhares de pesquisas realizadas. “Mas normalmente ainda enfrenta-se o problema da falta de investimento em conservação e estímulo à agropecuária desequilibrada”, ressalta.

Ele exemplifica com a situação do Cerrado que já perdeu 80% da sua cobertura original e hoje tem apenas 8,2% do seu território protegido. “E para quê? Para plantar soja que futuramente será usada para alimentar os porcos da China. Será que essa é a maior preocupação do Brasil?”, comenta triste.

George Schaller finaliza afirmando que todos têm responsabilidade na conservação da natureza. “Não existe quem não possa contribuir de alguma forma, desde crianças pequenas até idosos. Seja separando o lixo e destinando adequadamente, protegendo mananciais ou engajando-se em ações para proteger a comunidade”, conclui.

Livro compartilha histórias

O biólogo também lançou o livro ‘Um Naturalista e Outros Animais: Histórias de uma vida em Campo’. A obra é uma compilação de 19 pequenos textos sobre suas viagens e descobertas nos últimos 50 anos. Um dos destaques da publicação são as experiências pessoais de Schaller e a inclusão de inúmeras de suas fotos, sozinho ou com sua família, além de imagens incríveis dos animais de sua pesquisa.

Sobre o Congresso Brasileiro de Unidades de Conservação (CBUC) – O Congresso Brasileiro de Unidades de Conservação é promovido periodicamente pela Fundação Grupo Boticário de Proteção à Natureza. A oitava edição do CBUC acontece de 21 a 25 de setembro de 2015 no ExpoUnimed (PR). Os patrocinadores desta oitava edição são: Instituto Ambiental do Paraná (IAP), Conservação Internacional do Brasil e Votorantim. A primeira edição do CBUC aconteceu em 1997 em Curitiba (PR); em 2000 foi realizada em Campo Grande (MS); em 2002 em Fortaleza (CE); em 2004 em Curitiba (PR); em 2007 em Foz do Iguaçu (PR); em 2009, aconteceu novamente em Curitiba (PR); e, em 2012 em Natal (RN). Mais de 10 mil pessoas já participaram do evento.

Colaboração de Maria Luiza Campos, in EcoDebate, 23/09/2015


[ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Alexa

Top