Brasil é o 5º colocado mundial no ranking dos coletores solares para aquecimento de água

 

energia solar

 

IEA – Agência Internacional de Energia aponta o país como o 5º colocado mundial no ranking dos coletores solares para aquecimento de água

A Agência Internacional de Energia acaba de divulgar o relatório “Aquecimento Solar no Mundo – o mercado e sua contribuição para o suporte de energia”. O estudo avalia a capacidade total instalada em operação no mundo até o final de 2013. O relatório aponta o Brasil como o 3º colocado mundial em coletores solares abertos instalados e o 4º colocado em coletores fechados.

No ranking geral, o país ocupa a 5a. posição com 6,726 GWth e 9,6 milhões de m², atrás da China com 374 milhões de m², EUA com 24 milhões de m², Alemanha com 17 milhões de m² e Turquia com 15 milhões de m².

O relatório, que inclui os dados de mercado de 60 países que representam 95% do mercado mundial, revelou uma capacidade instalada total de 374,7 GWth, correspondendo a um total de 535 milhões de metros quadrados de área de coletores em operação no mundo. Em 2013, foi instalada 55,0 GWTh no mundo todo, correspondendo a 78,6 milhões de metros quadrados de coletores solares.

A grande maioria da capacidade total em operação foi instalada na China (262,3 GWth) e Europa (44,1 GWth), que juntos responderam por 82% da capacidade total instalada.

A capacidade instalada restante foi partilhada entre os Estados Unidos e Canadá (17,7 GWth), Ásia, excluindo a China (10,0 GWth), América Latina (8,7 GWth), os grupo de países Israel, Jordânia, Líbano, Marrocos, territórios palestinos e Tunísia (6.1 GWth), Austrália e Nova Zelândia (5,9 GWth) e países da África Subsaariana, Ilhas Maurício, Moçambique, Namíbia, África do Sul e Zimbabwe (1,2 GWth). O volume de “todos os outros países” mercado é estimado em 5% das instalações totais (18,7 GWth).

O Brasil foi um dos países com maior crescimento em 2013, 965 MWth, ficando atrás apenas de China e Turquial . Outros países também tiveram crescimento considerável, como a Índia, Alemanha e EUA. Essa ampliação na capacidade de geração do aquecimento solar no ano de 2013 supera a potência de uma turbina de Itaipu, de 700 MW, suficiente para abastecer uma cidade com 1,5 milhão de habitantes como Guarulhos na grande São Paulo.

“Vemos que nosso país tem uma capacidade imensa para ter a energia solar térmica como uma de suas principais fontes de energia renovável”, diz Luiz Augusto Ferrari Mazzon, presidente do DASOL – Departamento de Aquecimento Solar da ABRAVA – Associação Brasileira de Refrigeração, Ar Condicionado, Ventilação e Aquecimento. “Somos um país de vasta extensão, com sol o ano todo. A tendência é que nos próximos relatórios, ocupemos uma posição de ainda mais destaque”, diz.

No momento em o cenário nacional apresenta restrições energéticas que levou nos últimos dois anos ao acionamento intensivo das usinas termoelétricas, movidas por combustíveis fósseis como o óleo, gás e carvão, e que trazem a indesejável poluição, salta aos olhos a desejável diversificação da matriz energética a partir de fontes renováveis de energia, como a solar e eólica.

O Brasil é um país privilegiado pelos raios solares e tem nos coletores solares térmicos um grande aliado na produção de energia limpa, a partir dessa fonte inesgotável. Anualmente, o setor de aquecimento solar contabiliza os metros quadrados de coletores produzidos por suas indústrias, que correspondem a certa capacidade de geração de energia, como no caso das usinas hidroelétricas, apresentada em MW – Megawatts. Para os coletores solares, que têm como resultado energia térmica de aquecimento de água, sua mensuração recebe o índice “th” junto da unidade MW.

A China lidera o mercado mundial com 262.262 MWth, equivalente a 374,7 milhões de metros quadrados. Quando comparado o índice da capacidade de produção de energia solar térmica pelo número de habitantes do país esse ranking se altera, e a liderança é do Israel com 38,2 kWth/mil habitantes, no qual a China passa a ocupar a segunda posição com valor de 33,0.

Nesse indicador o Brasil tem a 33ª. colocação, com apenas 2,6 kWth/mil habitantes. Isso demonstra a grande oportunidade para o desenvolvimento da aplicação da tecnologia de aquecimento solar em alguns nichos de mercado como hospitais, hotéis, academias, clubes, piscinas e residências, colaborando com a diversificação da matriz energética nacional sem impactos ambientais.

Diante dessa oportunidade e face à situação energética nacional, a ABRAVA – Associação Brasileira de Refrigeração, Ar Condicionado, Ventilação e Aquecimento lançou no início de 2014 o Programa “Um Solar em Cada Casa”, que tem por objetivo conscientizar a sociedade dos benefícios sociais, ambientais, econômicos e energéticos da energia solar térmica.

Cabe observar que na pesquisa de mercado de 2014, realizada pelo Departamento Nacional de Aquecimento Solar – DASOL da ABRAVA, a indústria brasileira acumula em seu histórico produção de 9,8 milhões de metros quadrados de coletores, que equivalem ao potencial de geração de 7,867 mil MWth, praticamente 50% da capacidade instalada de usina de Itaipu que é de 14 mil MW.

Para ler o relatório na íntegra, acesse o link
http://www.iea-shc.org/data/sites/1/publications/Solar-Heat-Worldwide-2015.pdf.

Diante dessa oportunidade e face à situação energética nacional, a ABRAVA – Associação Brasileira de Refrigeração, Ar Condicionado, Ventilação e Aquecimento lançou no início de 2014 o Programa “Um Solar em Cada Casa”, que tem por objetivo conscientizar a sociedade dos benefícios sociais, ambientais, econômicos e energéticos da energia solar térmica.

Cabe observar que na pesquisa de mercado de 2014, realizada pelo Departamento Nacional de Aquecimento Solar – DASOL da ABRAVA, a indústria brasileira acumula em seu histórico produção de 9,8 milhões de metros quadrados de coletores, que equivalem ao potencial de geração de 7,867 mil MWth, praticamente 50% da capacidade instalada de usina de Itaipu que é de 14 mil MW.

Para ler o relatório na íntegra, acesse o link
http://www.iea-shc.org/data/sites/1/publications/Solar-Heat-Worldwide-2015.pdf.

Por Mariana Vidal, DASOL, in EcoDebate, 22/09/2015


[ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Alexa

2 comentários em “Brasil é o 5º colocado mundial no ranking dos coletores solares para aquecimento de água

  1. Para quem for instalar o seu coletor solar para aquecimento de água, cuidado para não cair na mesma armadilha que eu caí. Quando reformei a casa em que iria morar, instalei um desses, assim como uma série de outras aparelhagens que não tinha antes, pois a minha casa está fora do sistema de água/esgoto, então todo o tratamento da água de chuva coletada para que se torne potável e o tratamento do esgoto do sistema é feito localmente. Por isso, quando as primeiras contas de luz vieram grandes (cerca de 500kWh/mês) achei que era culpa das bombas e filtros e lâmpadas de UV.

    Aí, no mês retrasado, meu sistema de aquecimento de água por energia solar quebrou. Uma folha de palmeira caiu em uma das placas, e tive que desligá-lo. A conta de luz seguinte duas semanas depois do acidente, mostrou um consumo por volta de 300kwH. A deste mês, 250kWh. O aquecedor solar colocado para DIMINUIR o consumo de energia estava consumindo tanta energia como TODO O RESTO DA MINHA CASA.

    A porcaria do aquecedor, na verdade, tem um tanque de água quente com uma resistência elétrica, e mantém 24h/dia, 7 dias por semana toda a água do tanque a temperaturas estratosféricas. O período em que precisamos (eu e meu marido) de água quente no dia é menos que meia hora, mas a água do tanque é mantida sempre quente. ´

    É ridículo, eu NÃO havia escolhido colocar um sistema assim quando comprei o aquecedor solar (o sistema foi vendido como um pacote fechado, e os vendedores em momento nenhum explicaram a palhaçada que estavam nos vendendo), e eu não teria colocado um sistema desses, se tivesse tido a escolha. Por enquanto, estamos sem ânimo até de consertar essa porcaria, e usando um chuveiro elétrico, que gasta muito menos energia que a enganação vendida.

    Deixo o relato aqui para que qualquer pessoa que decida colocar um aquecedor solar em sua casa pense bem e pergunte bem antes de tomar a sua decisão, para não serem enganados como eu fui.

  2. Mariana., tb instalei um aquecedor de agua e estou contente., somente pedi para deixar a resistência elétrica do tanque desligada., e tenho obtido bons resultados.

Comentários encerrados.

Top