Jardins Suspensos, artigo de Roberto Naime

 

Ilustração em brasil.elpais.com

 

[EcoDebate] Sempre foi uma ideia recorrente na civilização humana, a construção de jardins suspensos. Mas agora nem se trata disto, se busca uma humanização maior nas selvas de pedra, integrando a natureza e humanizando um pouco as relações, ao reintegrar o ser humano em suas origens.

Os clássicos jardins suspensos foram construídos na Babilônia, atual Iraque, pelo místico rei Nabucodonosor, no século VI antes de Cristo e se tornaram uma das sete maravilhas do mundo, embora não tenham sido encontrados muitos registros arqueológicos que possibilitassem sua reconstituição ao menos em narrativas. Mas foi obra épica empreendida na chamada Mesopotâmia.

Destaca a lenda que, os jardins foram construídos para satisfazer as vontades da esposa preferida do rei, chamada Amitis, trazida de região montanhosa, com campos e florestas. Raros registros narram a existência de seis terraços, construídos como andares, passando a sensação de serem suspensos. Os andares tinham aproximadamente 120 m3 e eram apoiados por imensas colunas que os registros indicam que chegavam a medir mais de 100m.

A denominação de jardins suspensos vem de narrativas gregas e não corresponde à realidade, como se viu. Concebido por arranjos arquitetônicos arrojados, a construção em terraços fazia uma simulação de elevações. As árvores ao topo, observadas à distância faziam se perpetuar a ilusão de se tratarem de montanhas. Árvores frutíferas e águas que desciam por cascatas, complementavam o cenário.

O “high line” ou linha alta em Nova Iorque é um parque linear, de aproximadamente 2,5km, construído no ano de 2009 numa antiga linha férrea elevada, já abandonada da cidade. E esta obra já está inserida em contexto que busca reintegrar o ser humano com a natureza, da qual faz parte. O “high line” se situa a 8 metros de altura e tem sentido e extensão linear, atravessando 3 bairros da cidade que são relativamente pouco visitados por turistas. Mas igualmente a iniciativa se tornou emblemática e simbólica do sentimento ou sensação de resgate do meio natural, em meio às selvas urbanas.

A antiga linha férrea foi construída com esta finalidade na década de 30 do século passado, quando indústrias e empresas de transporte eram hegemônicas na área. Estes espaços físicos foram agora convertidos em galerias de arte, estúdios de design, lojas, restaurantes, museus e residências.

Não se sabe se o processo de participação pública para patrocinar esta transformação ocorreu e de que forma se desenvolveu, mas certamente a influência de formas organizadas ou informais de exercício de cidadania devem ter concorrido para patrocinar este resgate de cenário tão peculiar, pitoresco e significativo na vida da metrópole.

É certo que no atual contexto são apenas iniciativas que guardam extrema simbologia, além de caracteres que podem marcar a vida das metrópoles ou das cidades. A transformação do chamado “Minhocão” em São Paulo em mais uma destas obras, cuja efeméride é marcante para toda a vida urbana, pode representar uma data com extremo simbolismo, onde a “selva de pedra” da urbanidade resgata um pouco de suas origens naturais e demarca uma nova perspectiva na urbanização. Que privilegia áreas verdes sobre infraestrutura de trânsito e outras necessidades urbanas, que são então redimensionadas na consciência e até no imaginário popular.

Ninguém desconhece que as cidades tem que ter desafogamento de trânsito, montagens adequadas de infraestruturas de transporte e outras necessidades. Mas o aspecto simbólico envolvidos nas transformações de viaduto de tráfego em área verde, são profundamente vinculadas com alterações de paradigmas, que envolvem redefinição de valores, e englobam aspectos fundamentais de toda a vida da cidade para o futuro.

Sempre que houverem conflitos estabelecidos entre estruturas urbanas e áreas verdes ou sítios de preservação, a tendência é que se materializem sensações favoráveis que encorpem a viabilização das áreas verdes ou das localidades de preservação. Esta mudança paradigmática pode ser representada pela implantação da área verde e a nova paisagem estabelecida.

Ninguém será quixotesco de representar interesses que resgatem vidas em cavernas, ou em situações de extrema ausência de conforto ou praticidade. Mas é necessário buscar rupturas e apostar que as mesmas carreguem simbologias capazes de alterar estigmas arraigados e situações implantadas sem qualquer consulta ou aceitação das parcelas envolvidas da população.

O “minhocão” já é incorporado como área livre de tráfego para uso de pedestres em fins de semana e outras oportunidades. Não representaria alteração insolúvel de problema de trânsito ou de infraestrutura urbana em geral, se houvesse sua incorporação definitiva como área de lazer, viabilizando o resgate da natureza numa área altamente urbanizada da cidade de São Paulo.

Dr. Roberto Naime, Colunista do Portal EcoDebate, é Doutor em Geologia Ambiental. Integrante do corpo Docente do Mestrado e Doutorado em Qualidade Ambiental da Universidade Feevale.

Sugestão de leitura: Civilização Instantânea ou Felicidade Efervescente numa Gôndola ou na Tela de um Tablet [EBook Kindle], por Roberto Naime, na Amazon.

 

in EcoDebate, 27/08/2015

Jardins Suspensos, artigo de Roberto Naime, in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 27/08/2015, https://www.ecodebate.com.br/2015/08/27/jardins-suspensos-artigo-de-roberto-naime/.


[ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Alexa

2 comentários em “Jardins Suspensos, artigo de Roberto Naime

  1. O Estado nem se preocupa com os jardins coletivos e individuais do projeto “Minha Casa Minha Vida”…

  2. Que eu saiba o estado não se preocupa com fontes de recursos hídricos, energias alternativas sustentáveis e com nada…infelizmente todo mundo está vendo qual foi a preocupação na última década…sem politização da discussão, que isto não resolve….

    Grande abs…

    RNaime

Comentários encerrados.

Top