PF desarticula seita religiosa que submetia fiéis a trabalho escravo

 

trabalho escravo

 

A Polícia Federal deflagrou, na madrugada de ontem (17), a operação De Volta Para Canaã*, para desarticular uma organização criminosa que utilizava uma seita religiosa para se apoderar do patrimônio de seus fiéis, submetendo-os a trabalhos forçados, em situação análoga a de escravos, abrangendo 3 estados da federação. Os investigadores estimam que o patrimônio recebido em doação dos fiéis chegue a pouco mais de R$ 100 milhões.

Cerca de 190 policiais federais cumpriram 129 mandados judiciais, sendo 6 de prisão temporária, 6 de busca e apreensão, 47 de condução coercitiva e 70 de sequestro de bens, envolvendo imóveis, veículos e dinheiro, cumpridos nas cidades de Pouso Alegre, Poços de Caldas, Andrelândia, Minduri, São Vicente de Minas, Lavras, Carrancas (MG), Remanso/BA, Marporá/BA, Barra/BA, Ibotirama/BA, Cotegipe/BA e São Paulo/SP.

As investigações apontaram que os dirigentes da seita religiosa estariam mantendo pessoas em regime de escravidão nas fazendas onde desenvolviam suas atividades e rituais religiosos. Os fiéis, ao ingressarem na seita, eram convencidos a doar seus bens sob o argumento da convivência em uma comunidade onde “tudo seria de todos” e, em seguida, obrigados a trabalhar sem qualquer espécie de pagamento.

Os envolvidos responderão pela prática dos crimes de redução de pessoas à condição análoga à de escravo, tráfico de pessoas, estelionato, organização criminosa, falsidade ideológica e lavagem de dinheiro.

*O nome faz referência à Operação CANAÃ, que investigou o mesmo grupo criminoso resultando na descoberta de fatos novos que ampliaram as investigações. O nome Canaã é uma referência bíblica à terra prometida por Deus a seu povo.

Informações da Polícia Federal, in EcoDebate, 18/08/2015

** Nota da redação: A seita investigada é conhecida como “Comunidade Evangélica Jesus, a verdade que marca”.


[ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Alexa

2 comentários em “PF desarticula seita religiosa que submetia fiéis a trabalho escravo

  1. Algumas comunidades evangélicas estão abusando das benesses constitucionais de liberdade religiosa. Isso é abuso do nome de Deus e da própria pessoa humana.
    Casos como este, que enriquecem as páginas policiais, envergonham-nos a todos e deveriam merecer maior cuidado das nossas “autoridades” que, com suas exceções, se omitem e roubam escandalosamente.
    É um país que, a cada dia, afasta-se de seus rumos.

  2. AS RELIGIÕES E A CRIMINALIDADE.

    Todas as religiões existentes na Terra merecem um tratamento semelhante a esse que foi dado à seita Canaã, pois fazem pregações mentirosas e levam os seguidores, ingênuos e carentes de meios de subsistência, a acreditarem em suas pregações, e pagam grande parte de seus parcos rendimentos, alimentados pela ilusão de serem recompensados por deus com recursos proporcionais ao que doam à igreja, além de conquistarem uma vida eterna na glória de deus.
    Não sei se essas práticas caracterizam estelionato e/ou formação de organização criminosa, mas sei que não são legais, pois levam as pessoas carentes a acreditarem em promessas irrealizáveis, e tiram delas parte do pouco de que dispõem para sobreviver e cuidar da família.

Comentários encerrados.

Top