Micro centrais elétricas a biogás, artigo de Roberto Naime

 

artigo

 

[EcoDebate] Está sendo desenvolvida e aqui deve ser descrita, apresentada e saudada, a iniciativa, a criação de várias microcentrais termelétricas a biogás, gerado a partir de criação de animais, com a coleta com beneficiamento de esterco por digestão anaeróbica e posterior geração elétrica com possibilidade de conexão pela Companhia Paranaense de Energia (Copel) ao Sistema Interligado Nacional (SIN).

Este novo aproveitamento dado a subprodutos remanescentes em pequenas e médias propriedades rurais, abre uma nova perspectiva de geração de ocupação e renda, integrando potencialidades, principalmente em pequenas propriedades rurais, boa parte delas caracterizada como unidades produtivas de cunho familiar. Esta iniciativa se insere muito adequadamente ao que se considera sustentabilidade nos momentos atuais: viabilidade econômica, social e ambiental. E desmistifica a concepção de que todas as ações são viáveis somente em condições sociais ou econômicas avantajadas. Isto não é verdadeiro, mesmo com escassez de recursos, é possível realizar e abrir novas perspectivas, com criatividade, boa vontade e comprometimento com atitudes engajadas.

No município de Marechal Cândido Rondon, no extremo oeste do Paraná, vários pequenos e médios produtores já viabilizaram esta idéia, com ou sem apoio da Itaipu Binacional, que aqui não pode ser omitida, e que não se pode deixar de saudar pela importância do projeto que auxilia a viabilizar. O projeto conta com apoio também da Embrapa Suínos e Aves do Paraná, cujo site foi pesquisado para obtenção de informações adicionais. Em notícia de site, há indicação que a microcentral termelétrica a biogás do Condomínio de Agroenergia para Agricultura Familiar Sanga Ajuricaba no município citado foi integrada ao Sistema Interligado Nacional (SIN), tornando-se a menor unidade geradora conectada ao sistema. Esta ação tem um potencial simbólico de grande importância. Demonstra que para empreendedores de qualquer possibilidade financeira, é possível empreender e preencher todas as condições de sustentabilidade, gerando ocupação e renda em pequenas propriedades, e possibilitando integração de forma adequada.

Além da autossuficiência energética e dos amplos benefícios ambientais gerados pelas atividades necessárias para geração energética, estas ações integram pequenos produtores rurais em atividades de grande importância, ressaltando-se as dificuldades frequentes que tem se constatado nos reservatórios das geradoras hídricas de energia elétrica pelas inegáveis alterações climáticas que tem propiciado geração irregular de fenômenos pluviométricos. O beneficiamento dos dejetos, tem a capacidade de transformar um grave problema ambiental, causado pelas criações intensivas, que geravam poluição de solo ou contaminação hídrica, em solução alternativa com geração de renda para propriedades agrícolas preferencialmente ligadas a agricultura familiar.

A estimativa é que este condomínio, especificamente, seja responsável pela geração de 800 kWh por dia, ou seja o equivalente a 24mil kWh por mês, que é suficiente para satisfazer o abastecimento de 150 unidades residenciais considerando o consumo médio registrado no país.

Considerando o caso específico da central de Sanga Ajuricaba, que reúne cerca de 33 pequenos produtores rurais, a energia gerada será descontada pelo valor equivalente, na conta dos prédios públicos a Prefeitura de Marechal Cândido Rondon. E esta entidade deverá então remunerar aos integrantes da cooperativa que reúne os participantes do condomínio rural, denominada “Coperbiogás”.

São utilizados preferencialmente dejetos da produção de suínos e de gado leiteiro. Os dejetos são transferidos para biodigestores, onde sofrem decomposição anaeróbica, sendo extraídos aproximadamente a quantia diária aproximada de 800m3 de gás metano. Os biodigestores das várias propriedades rurais estão interligados por meio de um gasoduto de aproximadamente 25km de extensão, que recolhe o gás produzido e executa o transporte do combustível para a microcentral de produção de energia.

Os resíduos sólidos dos biodigestores, muito enriquecidos em matéria orgânica, podem ser ainda beneficiados e produzir biofertilizantes para uso próprio ou mesmo para comercialização. Este tipo de insumo é muito empregado e bastante adequado para promover a recuperação física de solos, maior retenção de água e de nutrientes, o que é determinado pela ampliação da fração argilosa do solo.

O biogás produzido também pode ser utilizado para geração de energia interna nas pequenas propriedades rurais consideradas, servindo para cozinhar e esterilizar equipamentos de ordenha. Nota mencionada no site da Embrapa registra que estas experiências inspiraram projetos semelhantes em pequenas farinheiras de Pernambuco, em projetos realizados em parceria com a Centrais Elétricas do rio São Francisco (Chesf) e arranjos em Santa Catarina, em parceria com a Eletrosul. Há menção também a mobilizações de pequenos agricultores na cidade de Toledo, próxima a Cascavel, no oeste paranaense.

É lícito registrar que o modelo desenvolvido é genuinamente brasileiro. Na Europa, em vez de gasoduto transportando o gás gerado, são transportados os dejetos para grandes biodigestores, altamente tecnificados. Todo o projeto tem sido acompanhado pelo Ministério de Minas e Energia, Agência Nacional de Energia Elétrica, Agência Nacional do Petróleo e Empresa de Pesquisa Energética. Espera-se que todas estas agências passem rapidamente da observação para a ação engajada, pois a viabilidade do projeto já foi demonstrada e o potencial da demanda é enorme em todo o país, onde é possível resolver problemas ambientais, conjuntamente com a geração de renda e a produção de energia.

Também acompanham a trajetória da iniciativa a Onudi Internacional, a FAO para América Latina e Caribe e pela Organização Latino-Americana de Desenvolvimento de Energia (OLADE). Há o registro de que o governo uruguaio assinou memorando de entendimento com a Itaipu para instalar iniciativa semelhante no Departamento de San José no vizinho país. Finalizando o projeto já é de conhecimento do conselho consultivo do programa Energia Sustentável para todos (SE4ALL), iniciativa da ONU com o objetivo de promover acesso universal à energia e aumentar a eficiência energética e o uso de energias renováveis.

Só fica aqui manifestado que esta experiência simboliza uma quebra de paradigmas e democratiza a possibilidade de geração de produção e renda com a viabilização da solução de grande problema ambiental.

Dr. Roberto Naime, Colunista do Portal EcoDebate, é Doutor em Geologia Ambiental. Integrante do corpo Docente do Mestrado e Doutorado em Qualidade Ambiental da Universidade Feevale.

Sugestão de leitura: Civilização Instantânea ou Felicidade Efervescente numa Gôndola ou na Tela de um Tablet [EBook Kindle], por Roberto Naime, na Amazon.

 

in EcoDebate, 23/07/2015

"Micro centrais elétricas a biogás, artigo de Roberto Naime," in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 23/07/2015, https://www.ecodebate.com.br/2015/07/23/micro-centrais-eletricas-a-biogas-artigo-de-roberto-naime/.


[ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Alexa

3 comentários em “Micro centrais elétricas a biogás, artigo de Roberto Naime

  1. “Considerando o caso específico da central de Sanga Ajuricaba, que reúne cerca de 33 pequenos produtores rurais, a energia gerada será descontada pelo valor equivalente, na conta dos prédios públicos a Prefeitura de Marechal Cândido Rondon. E esta entidade deverá então remunerar aos integrantes da cooperativa que reúne os participantes do condomínio rural, denominada “Coperbiogás”.”. O micro produtor deveria ser remunerado pelo concessionário da rede elétrica, como acontece em qualquer país desenvolvido… mas acontece que ainda estamos em uma fase de subdesenvolvimento.

  2. Grande notícia, excelente artigo! Vamos aperfeiçoar e popularizar o sistema!

  3. Só uma ressalva: A Embrapa Suínos e Aves fica em Concórdia, Santa Catarina, e não no Paraná.

Comentários encerrados.

Top