Propina ou doação, tanto faz… artigo de Roberto Malvezzi (Gogó)

 

dinheiro

 

[EcoDebate] O PT tem bloqueio para fazer autocrítica e admitir seus próprios erros. O problema fundamental não é se o dinheiro das campanhas foi doação ou propina, mas o fato de mergulhar em fábulas de dinheiro privado para ganhar eleições. Antes que legal, é um problema ético e político.

Para a eleição de 2014 o PT recebeu 147 milhões, PSDB 82 milhões, PMDB 76 milhões, PSB 32 milhões, PP 17 milhões, PR 11 milhões, DEM 7 milhões, PC do B 6 milhões, assim todos os partidos, até chegar aos menores (“Quanto cada partido recebeu das empreiteiras da Lava Jato”, congressoemfoco.uol.com.br).

É uma lástima ver pessoas como Moro, gente do Ministério Público, Polícia Federal, gastar meses e meses para tentar discernir se o dinheiro das campanhas foi doação ou propina. São vítimas do legalismo que sempre moveu esse país. Desculpem a sinceridade, mas falta a esses homens a compreensão da formação social e histórica do país, de como a corrupção sempre se constituiu na privatização do Estado brasileiro. Doação ou propina, tanto faz. Quem recebe, uma vez eleito, terá que pagar com obras ou outras benesses. Portanto, falta-lhes um pouco de Raimundo Faoro.

As empreiteiras impõem a agenda de obras no Brasil. Algumas claramente inúteis – Mané Garrincha, estádio de Manaus, etc. –, outras duvidosas – Transposição, Belo Monte, etc. – e que muitas vezes ocupam o lugar e a verba de obras necessárias, como é o caso do saneamento básico, das adutoras, do transporte público urbano, da energia eólica e solar, ou investimentos em educação e saúde.

O que está estampado na mídia tradicional todos os dias – é uma tortura abrir esses jornais e revistas e essa ser a matéria constante há meses – alimenta esse moralismo típico dos fariseus modernos, que coam mosquitos e engolem camelos.

A reforma política proposta pela sociedade civil poderia pôr algum limite nesse poço sem fundo, mas Cunha assassinou a reforma política.

O que resta aos brasileiros de bom senso nesse momento – para além de todos os partidos – é salvar o fiapo de democracia que temos e não perder as conquistas sociais.

Mudanças estruturais profundas, mais uma vez, foram para as calendas gregas.

Roberto Malvezzi (Gogó), Articulista do Portal EcoDebate, possui formação em Filosofia, Teologia e Estudos Sociais. Atua na Equipe CPP/CPT do São Francisco.

 

in EcoDebate, 22/07/2015

Propina ou doação, tanto faz… artigo de Roberto Malvezzi (Gogó), in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 22/07/2015, https://www.ecodebate.com.br/2015/07/22/propina-ou-doacao-tanto-faz-artigo-de-roberto-malvezzi-gogo/.


[ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Alexa

4 comentários em “Propina ou doação, tanto faz… artigo de Roberto Malvezzi (Gogó)

  1. Não concordo com o artigo. Darei minha opinião pessoal. Temos que apoiar o Juiz Sérgio Moro e o Ministério Público e dar-lhes nosso muito obrigado por desnudar sim a corrupção endêmica de nosso Estado Brasileiro, desde o passado até hoje. Não existem santos, sim ! Mas a existência e a prática de erros no passado de outros, não justifica praticarmos os mesmos erros e crimes hoje e amanhã ! Não importa que exista uma pretensa finalidade boa ! Se todo mundo mata e rouba, não justifica que eu possa matar e roubar, também. Continua errado ! É exatamente o contrário ! O erro do outro, não justifica o meu ! A jovem democracia brasileira não merece os corruptos e a roubalheira seja de que partido for! Isto é que é salvar a democracia ! Não sou ladrão ! Não aceito propina ! E não aceito governos apoiados na corrupção e roubalheira ! Seja de que partido for ! Não aceito que os fins justifiquem os meios de corromper a todos e a tudo para manter um partido no poder que já teve no passado um objetivo social ! Já votei neste partido que está aí ! Me considero traído ! Abandonado ! Este projeto foi engolido pela proximidade do poder e das elites e pela falta de ética ! Foi corrompido ! Corrompeu a todos ! Só existe a propaganda da conquista social, por trás é um santo do pau oco ! A grande conquista social deste país só virá se ficarmos livres dos bandidos que usurpam a riqueza do povo ! Esta é a verdadeira revolução social e a verdadeira distribuíção de renda que precisamos ! Parabenizo a mídia que não se cala e não se curva e não se dobra ao governo atual ! E como brasileiro : luto para que um dia fiquemos livres deste mal, seja de que partido for !

  2. O Marcelo tem razao. A corrupcao e inaceitavel, seja de que partido for.
    Mas o Roberto tambem tem razao. A doacao jamais e feita gratuitamente. Envolve cobranca e no final acaba na corrupcao.
    Esperavamos uma reforma politica que proibisse a doacao por empresas ou associacoes. Afinal, empresas ou associacoes nao devem ter coloracao partidaria.
    Paulo Roberto Costa deixou isso claro: e ingenuo pensar que uma empresa vai fazer doacao de milhoes gratuitamente.

  3. Concordo com o Marcelo. Tem uma diferença monumental entre doações legais e CRIME.

    E digo mais: doações transparentes e declaradas privadas são uma forma MELHOR do que o financiamento público para financiar campanhas. O financiamento público também tem cordas amarradas: amarradas com quem já está no poder. Prefiro saber de onde vem as doações, e assim, saber que cordas estão amarradas em quais políticos.

Comentários encerrados.

Top