Existe o ‘bem comum’? artigo de Montserrat Martins

 

opinião

 

[EcoDebate] Existe o “bem comum” a todos ou existem apenas interesses de categorias profissionais, classes sociais, culturais, étnicos, religiosos? Quando se discute a economia do país há interesses comuns a todos ou apenas conflitos de interesses ?

Em comentário no site Sul 21, Jorge Nogueira diz que “trata-se dos interesse de classes próprios e antagônicos e não de maniqueísmo bem contra o mal. Há empresários bons e ruins, trabalhadores bons e ruins, mas essas características pessoais são suplantadas pelo funcionamento do mercado capitalista. Os empresários desejam pagar o mais baixo possível e os trabalhadores elevar seus salários, já havia reconhecido Adam Smith. O empresário bonzinho que não levar em conta a concorrência do mercado e não atuar para reduzir seus custos de produção, o que inclui reduzir salários e dispensar mão de obra, irá à falência”.

No século XXI vivemos a crise climática e a da água, o aquecimento global e a poluição das águas estão tornando o planeta inviável para a vida de todos, aumentam tumores, alergias, doenças urbanas. Outras situações desafiam a lógica tradicional e o protótipo de um novo paradigma é o Google, tido como o melhor emprego do mundo, onde seus funcionários tem uma série de regalias para lhes inspirar na criatividade e produtividade. Há conceitos surgindo como o de “capital intelectual” e através da internet e novas mídias surgem novas formas de negócios, de trabalho, de interação e participação social, econômica e política. A imagem não só das pessoas, como também das empresas, passa a ter valor de acordo com o modo como essa se relacionar não só com seus funcionários, mas também com a sociedade em geral.

O governo brasileiro, que vem sofrendo críticas duras da grande mídia, tem se defendido às vezes com a teoria de que fere interesses de classes – o que sempre é uma boa justificativa porque baseada em fatos reais, mas nem sempre é sincera. Porque vivemos a quarta gestão de um governo que se elegeu com um discurso para o “bem comum” afirmando que a vida poderia melhorar para todos, do operário ao empresário, expectativa a que de fato pareceu corresponder nas duas primeiras gestões, com benefícios econômicos para todas as classes sociais.

André Singer formulou isso no livro “Os sentidos do lulismo” onde expôs a proposta de um governo que estimule os setores “produtivistas” em contraste com os “rentistas”, da mera especulação financeira. Se essa aliança de setores empresariais de portes diversos, de trabalhadores assalariados e classes médias, de diversos segmentos sociais enfim, pode funcionar durante pelo menos uma década, não seria a comprovação de que pode existir um “bem comum”? A agora vivemos a quebra disso, ou desvios no exercício do poder? O “bem comum” é o desafio do século XXI.

Montserrat Martins, Colunista do Portal EcoDebate, é médico psiquiatra, bacharel em Ciências Jurídicas e Sociais e presidente do IGS – Instituto Gaúcho da Sustentabilidade.

Publicado no Portal EcoDebate, 04/05/2015

[cite]


[ O conteúdo do EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, ao EcoDebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário do Portal EcoDebate

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário do Portal EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Alexa

Top