Paixão por futebol, artigo de Montserrat Martins

 

opinião

 

[EcoDebate] A paixão por futebol aproxima as pessoas de modo instantâneo, gente que nunca tinha se visto antes ao se encontrar num mesmo ambiente e começar a discutir o assunto descobre afinidades imediatas, ou contrariedades eternas, num clima de intimidade que não costuma ser visto em nenhum outro assunto – ou melhor, só comparável às paixões pelos personagens das telenovelas.

O esporte era tido como “preparação para a vida”, hoje sabemos que ele faz parte da vida, pela importância que as paixões clubísticas tem na vida das pessoas, hoje elas são a própria vida concreta e não meramente simbólica. O volume de negócios assumiu proporções comerciais inéditas, movimentando um mercado sempre crescente e cada vez mais diversificado de produtos temáticos, que vão além dos materiais esportivos e envolvem as marcas dos clubes em vários outros produtos.

No futebol “clássico”, pense nas décadas entre os anos 50 até 80, o assunto central era o talento, Pelé e Garrincha como símbolos maiores dessa época. Depois disso ficou claro que esquemas táticos, preparação física e o dito “espírito de grupo” eram tão importantes quanto o talento individual. Cada vez se somam mais fatores a isso, como o marketing clubístico, que gera capacidade de investir no futebol.

Da era do talento, passamos à era dos grandes eventos e dos grandes negócios, inclusive dos direitos de transmissão pela TV e do direito de imagem, do amor ao clube passamos ao clube-empresa. E como em toda a cadeia de negócios capitalistas, quanto maior a complexidade dos negócios, mas ela se presta ao monopólio.

Os maiores em torcida, Flamengo e Corínthians, recebem mais dinheiro pelas mesmas transmissões de TV do que os demais clubes que jogam o mesmo campeonato brasileiro. Ninguém espera que com tantos interesses envolvidos, a arbitragem possa apitar com o mesmo espírito de isenção, pois ninguém quer prejudicar sua carreira sendo vetado por Corínthians ou Flamengo. O mesmo que ocorre no sul com a dupla Gre-Nal, desfavorecida no Brasileiro diante dos mais poderosos, favorecida no Campeonato Gaúcho contra os outros.

A paixão pelo futebol se defronta, agora, com o pragmatismo do “mercado”, o que não chega a ser uma novidade mas um acirramento do monopólio. Digamos que um time com folha salarial de 150 mil enfrente um de 10 milhões. Numa hipótese em que o time menor estivesse vencendo por 2×0, digamos, quando chegasse ao segundo tempo ele sofreria no mínimo a marcação de 2 pênaltis e uma expulsão, se o jogo fosse decisivo. Parece exagero? Não só aconteceu (com o Cruzeiro no Campeonato Gaúcho de 2015) como também surgiram “comentaristas de arbitragem” para justificar as marcações. Os negócios não podem parar, mas o futebol perde com isso. Citei o Cruzeiro, poderia ser outro, o caso do Brasil de Pelotas em 2014, mas o que está em jogo é uma paixão maior, pelo futebol.

Montserrat Martins, Colunista do Portal EcoDebate, é médico psiquiatra, bacharel em Ciências Jurídicas e Sociais e presidente do IGS – Instituto Gaúcho da Sustentabilidade.

Publicado no Portal EcoDebate, 13/04/2015


[ O conteúdo do EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, ao EcoDebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário do Portal EcoDebate

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário do Portal EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Alexa

2 comentários em “Paixão por futebol, artigo de Montserrat Martins

  1. Excelente artigo.
    Com relação a arbitragem, gostaria de tecer um comentário.
    Certo dia, estava fazendo caminhada e conversando com outros caminhantes. De repente, um deles perguntou se iríamos ao jogo de tarde. Antes de respondermos, ele disse: – Se forem, não xinguem o juiz. Quis saber por que ele estava defendendo o juiz e ele respondeu: – Porque o juiz sou eu.

  2. Muito bom um vídeo da torcida xavante que está circulando na internet, sobre a diferença de critérios dos comentaristas de arbitragem da RBS, de acordo com o time.

Comentários encerrados.

Top