Ventos secularizantes: ateus, agnósticos e pessoas sem religião no censo brasileiro de 2010, artigo de José Eustáquio Diniz Alves

Deus quer evitar o mal, mas não pode fazê-lo? Então não é onipotente.

É capaz de evitar, mas não quer? Então é malvado.

Deus pode e quer evitar o mal? Então por que permite a maldade?

Deus não pode e nem quer evitar o mal? Então por que chamá-lo Deus?

(Epicuro de Samos, 341-270 a. C.)

[EcoDebate] O Brasil está passando por um processo de transição religiosa (com queda dos católicos e aumento dos evangélicos), aumento da pluralidade (queda dos cristãos e aumento de outras denominações religiosas) e elevação do percentual de pessoas que se autodeclaram ateus, agnósticos e sem religião.

A pesquisadora Regina Novaes (2004) fala sobre os ventos secularizantes que têm soprado sobre a sociedade brasileira. De fato, o percentual de cristãos (católicos + evangélicos) caiu de 97% segundo o censo demográfico de 1970, para 96% em 1980, para 92% em 1991, para 89% em 2000 e para 87% no último censo de 2010. Concomitantemente, o percentual de pessoas que se declaram sem religião passou de 0,8% em 1970, 1,6% em 1980, 4,7% em 1991, 7,4% em 2000 e 8,0% em 2010.

O interessante a ser notado é que o percentual de pessoas que se declaram sem religião cresce no tempo e no espaço em que aumenta a disputa entre católicos e evangélicos (Alves, Cavenaghi e Barros, 2012 e 2014). Considerando os 5.493 municípios em que os católicos são a categoria majoritária, podemos perceber que quanto menor é a diferença em relação ao percentual de evangélicos, maior é a presença de pessoas que se declaram sem religião. Ou seja, maior pluralidade religiosa significa maior presença de pessoas sem religião.

O mesmo pode ser observado para os municípios em que os evangélicos são maioria. Em 2010, havia 73 municípios onde os evangélicos (tradicionais e pentecostais) superavam o percentual de católicos. De maneira semelhante, podemos perceber que quanto menor é a diferença dos evangélicos em relação ao percentual de católicos, maior é a presença de pessoas que se declaram sem religião.

Considerando as 27 Unidades da Federação, podemos perceber a mesma tendência, ou seja, quanto menor é a diferença entre o percentual de católicos e o percentual de evangélicos, maior é a presença de pessoas que se declaram sem religião. Ou seja, maior pluralidade religiosa significa maior presença de pessoas sem religião também para o nível estadual. Por exemplo, os Estados de Rondônia e Acre possuem maior percentual de pessoas sem religião do que o Estado de São Paulo, pois, neste último, a diferença entre católicos e evangélicos é menor.

Porém, é preciso ter cuidado ao identificar as pessoas sem religião com secularismo. De fato, o crescimento das pessoas que se declaram sem religião já é um sinal de mudança da sociedade brasileira, pois ficou para trás a antiga equação que mostrava: brasileiro = católico. Também fica cada vez mais fraca a associação entre brasileiro e pertencimento religioso.

Contudo, cerca de 95% das pessoas que se declaram sem religião estão mais próximos da categoria “acredita em Deus, mas não tem religião”. O censo demográfico de 2010, mostrou que do total das pessoas sem religião (15,3 milhões), o número de ateus era de 615.096, representando cerca de 4% dos sem religião e os agnósticos eram cerca de 1% dos sem religião. Entre os ateus, 67% eram homens e entre os agnósticos 63% eram homens. Na categoria sem religião predominam os homens e as crianças, adolescentes e jovens.

A origem da palavra Ateu (Atheos) vem do grego e significa “sem Deus”. Os dicionários apresentam o seguinte significado: 1) Que nega a existência de Deus ou de quaisquer outras divindades; Descrente; não demonstra respeito ou consideração por crenças religiosas; que não acredita em nada.

A origem da palavra Agnóstico (Agnostos) vem do grego e significa “desconhecido” ou “não cognoscível”. Agnóstico é a pessoa que considera os fenômenos sobrenaturais inacessíveis à compreensão humana. Os agnósticos consideram inútil discutir temas metafísicos, pois são realidades não atingíveis através do conhecimento, já que a razão humana não possui capacidade de fundamentar ou deixar de fundamentar racionalmente a existência de Deus.

Desta forma, percebe-se que existe uma diferença entre as categorias sem-religião, ateus e agnósticos. Muitos dos sem religião são pessoas que não possuem uma religião definida. Isto acontece, por exemplo, com as crianças de 0-4 anos, especialmente aquelas em que os pais pertencem a religiões diferentes. Na hora de responder ao questionário, os pais dizem que a criança não tem religião definida (pois ainda é muito nova). Acontece também com as pessoas que transitam entre diversas igrejas e que em determinado momento não estão frequentando nenhuma igeja específica.

Olhando o ciclo de vida, percebe-se que os maiores percentuais de pessoas identificadas como sendo da categoria sem-religião (8% do total da população brasileira em 2010) estão nos grupos etários abaixo de 30 anos. O percentual é de cerca 10% no grupo etário 0 a 4 anos, cai um pouco nos dois grupos seguintes e atinge um máximo de 10,6% no grupo etário 20 a 24 anos. Depois dos 30 anos o percentual cai constantemente, em primeiro lugar porque se trata de grupos de coortes mais velhas que nasceram quando o percentual de católicos no Brasil era muito elevado. Em segundo lugar, existe uma tendência universal do percentual de pessoas sem religião diminuir nas idades mais avançadas e que possuem maior probabilidade de morte.

Mas dentro do grupo que se declara sem religião, o percentual de ateus e agnósticos cresce com a idade. Evidentemente, o percentual de ateus e agnósticos de 0-4 anos é muito pequeno. Depois cresce rapidamente até os 30 anos, tem uma estabilidade entre 30 e 50 anos e volta a subir depois dos 60 anos.

Em síntese, parece que os ventos secularizantes vão continuar soprando no Brasil e fazendo com que a categoria de pessoas que se declaram sem religião cresça, especialmente nos locais onde a disputa entre católicos e evangélicos é maior. O percentual de sem religião é maior entre os jovens que nasceram depois de 1980. Isto quer dizer que a tendência a uma maior secularização da população brasileira como um todo deve aumentar na medida em que estas gerações mais jovens envelheçam. Além disto o Brasil está abaixo da média do Global Index of Religiosity and Atheism (2012) do WIN-Gallup International, que aponta uma média mundial de 23% para as pessoas que se declaram sem religião e de 13% para os que se declaram ateus.

Os censos anteriores não trouxeram a opção sobre ateus e agnósticos e desta forma o Brasil não tem uma série histórica para acompanhar aquela parcela da população que se declara não religiosa. Mas a análise por coortes mostra que os ateus e agnósticos crescem ao longo do ciclo de vida. Assim, quanto mais envelhecida for uma população maior será o percentual de pessoas que não acreditam ou não se importam com a existência de Deus (irreligião). Portanto, o Brasil tende a ficar cada vez mais secular na medida em que cresce a pluralidade religiosa.

Referencias:

NOVAES, Regina. Os jovens “sem religião”: ventos secularizantes, “espírito de época” e novos sincretismos. Notas preliminares. São Paulo, Estud. av. vol.18 no.52 São Paulo Sept./Dec. 2004

http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-40142004000300020

ALVES, JED, BARROS, LFW, CAVENAGHI, S. A dinâmica das filiações religiosas no brasil entre 2000 e 2010: diversificação e processo de mudança de hegemonia. Rever (PUCSP), v. 12, p. 145-174, 2012.

http://revistas.pucsp.br/index.php/rever/article/view/14570

ALVES, JED, CAVENGHI, S. BARROS, LFW. A transição religiosa brasileira e o processo de difusão das filiações evangélicas no Rio de Janeiro, PUC/MG, Belo Horizonte, Revista Horizonte – Dossiê: Religião e Demografia, v. 12, n. 36, out./dez. 2014, pp. 1055-1085 DOI–10.5752/P.2175-5841.2014v12n36p1055

http://periodicos.pucminas.br/index.php/horizonte/article/view/P.2175-5841.2014v12n36p1055/7518

WIN-Gallup International. Global Index of Religiosity and Atheism, 2012

http://www.wingia.com/web/files/news/14/file/14.pdf

José Eustáquio Diniz Alves, Colunista do Portal EcoDebate, é Doutor em demografia e professor titular do mestrado e doutorado em População, Território e Estatísticas Públicas da Escola Nacional de Ciências Estatísticas – ENCE/IBGE; Apresenta seus pontos de vista em caráter pessoal. E-mail: jed_alves@yahoo.com.br

Publicado no Portal EcoDebate, 10/04/2015

Ventos secularizantes: ateus, agnósticos e pessoas sem religião no censo brasileiro de 2010, artigo de José Eustáquio Diniz Alves, in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 10/04/2015, https://www.ecodebate.com.br/2015/04/10/ventos-secularizantes-ateus-agnosticos-e-pessoas-sem-religiao-no-censo-brasileiro-de-2010-artigo-de-jose-eustaquio-diniz-alves/.


[ O conteúdo do EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, ao EcoDebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário do Portal EcoDebate

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário do Portal EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Alexa

2 comentários em “Ventos secularizantes: ateus, agnósticos e pessoas sem religião no censo brasileiro de 2010, artigo de José Eustáquio Diniz Alves

  1. Esse número maior de sem-religião/ateus/agnósticos em locais com maior número de pessoas de religiões diferentes (apesar de todos serem cristãos, católicos e evangélicos se consideram diferentes) é fácil de explicar. Onde não há uma “panelinha” única em que ser aceito socialmente é condicionado a aceitar a religião da maioria preponderante, é muito mais fácil se admitir que não se tem religião.

    Ser ateu-não-religioso-agnóstico é mais confortável que ser negro ou índio ou assemelhado, pois ao contrário desses, não temos a diferença estampada na nossa cara. Mas quando a diferença é conhecida, muitos sofrem preconceitos.

    Duvido que eu seja a única agnóstica que lê este site que já sofreu agressões físicas por ser agnóstica.

    Física, mas não corporal, nada realmente grave: cortaram os pneus do meu carro e o pixaram com mensagens dizendo “Jesus te ama” e “Venha para Deus e isso não vai mais lhe acontecer”. Sei quem liderou o grupo que fez isso (e sei que era um grupo porque havia mais de uma letra nas pixações), sei porque ela nunca tentou me agredir corporalmente (é pequena e covarde, tentou uma vez atiçar um cachorro para cima de mim, mas tentar atacar veterinária usando cachorro é mais idiota ainda do que o resto), e minha reação foi simplesmente me afastei da vizinhança onde isso aconteceu (no “chique” bairro do Jardim América em São Paulo, para quem acha que violência gratuita é coisa de vizinhanças pobres e nunca notou que mortes causadas por homofobia normalmente acontecem na Paulista e imediações).

    Enfrentar o preconceito em grupo é mais fácil, enfrentar o preconceito onde é possível achar pessoas mais tolerantes (como aquelas que admitem que os seus vizinhos não precisam ser da sua religião) é mais fácil. Tem muito lugar que tem católicos “não-praticantes” que a bem da verdade são agnósticos que não querem ser linchados por não terem a religião da maioria, e existem os evangélicos “é bem, tem que ver, o único lugar da cidade para encontrar mulher é na igreja” também. Será que o Brasil está ficando menos religioso, ou será que as pessoas que não são religiosas simplesmente estão tendo a oportunidade de “sair do armário”?

  2. Otimo estudo com respaldo da exelente pesquisa do IBGE, porém , estes numeros nao refletem a integra…Ser cetico é sinonimo de discriminação, enfim “Otimo trabaho de pesquisa.
    Mariana, concordo com suas observaçoes em numero genero e grau, imagina minha linda…Sou negro e cetico!
    Cetico poucos sabem, negro no entanto fica explicito ne!

Comentários encerrados.

Top