Os dez anos mais quentes e a aceleração do aquecimento global, artigo de José Eustáquio Diniz Alves

 

os 10 anos mais quentes

 

[EcoDebate] O ano de 2014 foi o mais quente do planeta desde o início das medições oficiais em 1880, de acordo com análises da Administração Nacional Oceânica e Atmosférica dos Estados Unidos (NOAA), da Nasa. Em 2014, a temperatura média ficou 0,69°C acima da média do século XX, superando as marcas prévias de 2005 e 2010.

Dos 15 anos mais quentes, 14 ocorreram a partir da virada do milênio. O ano de 1998 foi o mais quente do século XX e ainda está entre os dez anos mais quentes já registrados. Entre 1998 e 2010 a variação da temperatura foi de somente 0,02º C. Isto possibilitou que vários céticos falassem em “hiato” e desaceleração do aquecimento. Mas os dados de 2014 mostram que a variação foi de 0,04º C. entre 2010 e 2014, ou seja, o aquecimento está se acelerando.

As regiões do mundo que apresentaram recordes de calor foram a Rússia, o oeste do Alasca, o oeste dos Estados Unidos (EUA), algumas zonas da América do Sul, parte do litoral australiano, norte da África e quase toda a Europa. O leste dos EUA foi a única região a apresentar esfriamento, em função dos ventos do Ártico (polar vortex).

O aquecimento provoca o desgelo dos polos e a elevação do nível dos oceanos. A média mundial de gelo no Ártico foi de 28,46 milhões de km², a menor área em 36 anos. Ainda segundo a NOAA, na Antártica o gelo marinho caiu ao nível mais baixo já registrados: 33,87 milhões de km². Vários países ilhas (como Tuvalu) estão ameaçados de desaparecimento e várias grandes cidades do mundo estão ameaçadas de inundações.

Considerando os anos extremos, em relação à média do século XX, a temperatura do ano de 1911 foi de -0,44º C, ou seja, quase meio grau Celsius abaixo da média, enquanto o ano de 2014 ficou 0,69º C. acima da média. Entre os extremos a variação foi de 1,13º C. Tendo como referência o final do século XIX, quando foi iniciada a medição, a temperatura média da Terra está 0,8°C mais quente, aquecimento provocado fundamentalmente pelo aumento das emissões de dióxido de carbono e de outros gases de efeito estufa na atmosfera do planeta, gerados, na sua maior parte, pela queima de combustíveis fósseis, desmatamento e ampliação da agricultura e pecuária.

 

temperatura global: 1880 - 2014

 

Nos últimos 50 anos o aquecimento global aumentou 0,15º C. por década. Se esta média continuar nos próximos 100 anos, o mundo vai ultrapassar os 2º C. previstos nos acordos internacionais. A probabilidade de isto acontecer é grande, pois o efeito estufa tem se acelerado devido ao aumento da emissão dos gases de efeito estufa (GEE).

Para agravar a situação, o aquecimento global provoca mudanças climáticas e aumento dos eventos extremos como fortes chuvas em algumas regiões e fortes secas em outras. A região Sudeste do Brasil está passando por sua maior crise hídrica da história. O desmatamento da Amazônia contribui para o aumento da temperatura global e os dois fenômenos contribuem para a falta de água nas maiores cidades do Brasil. Talvez o caos da falta d’água em 2015 abra os olhos da população e dos dirigentes brasileiros para os constantes danos causados à natureza.

A crise hídrica e o aquecimento são problemas globais. Se nada for feito para mudar o sistema que provoca a degradação ambiental os custos humanos e o sofrimento das demais espécies será enorme, colocando em risco a sobrevivência da civilização urbano-industrial tal como a conhecemos até hoje.

José Eustáquio Diniz Alves, Colunista do Portal EcoDebate, é Doutor em demografia e professor titular do mestrado e doutorado em População, Território e Estatísticas Públicas da Escola Nacional de Ciências Estatísticas – ENCE/IBGE; Apresenta seus pontos de vista em caráter pessoal. E-mail: jed_alves@yahoo.com.br

Publicado no Portal EcoDebate, 04/02/2015

Os dez anos mais quentes e a aceleração do aquecimento global, artigo de José Eustáquio Diniz Alves, in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 4/02/2015, https://www.ecodebate.com.br/2015/02/04/os-dez-anos-mais-quentes-e-a-aceleracao-do-aquecimento-global-artigo-de-jose-eustaquio-diniz-alves/.


[ O conteúdo do EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, ao EcoDebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário do Portal EcoDebate

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário do Portal EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Alexa

Um comentário em “Os dez anos mais quentes e a aceleração do aquecimento global, artigo de José Eustáquio Diniz Alves

  1. Note que temperaturas mais frias no norte dos Estados Unidos e sul do Canadá eram esperadas pelos modelos climáticos, que mostram a “Jet stream” (corrente de ventos circumpolar do Ártico) diminuindo de velocidade com a diminuição do contraste de temperatura entre o Ártico e as regiões subtropicais, e, por isso, se tornando mais meândrica (como se deixasse de ser um rio de planalto e se tornasse um rio de planície). Isso faz com que ar ártico seja lançado nas regiões mais ao norte, enquanto ar quente é lançado no Ártico (o que diminui mais a diferença de temperatura entre o Ártico e as regiões subárticas, diminuindo a velocidade da Jet stream e então… acho que deu para entender).

    Ou seja, esse frio exagerado pelos EUA e Canadá deve aparecer por mais alguns anos, até que o sistema entre em equilíbrio de novo.

    Em algum momento, também é possível que grandes quantidades de água fria e doce, vindas das geleiras da Groelândia, diminuiam a velocidade da corrente do Golfo, o que diminuiria drasticamente as temperaturas da Europa Ocidental. Mais uma vez, haverão pessoas dizendo “mas está muito frio para existir aquecimento global”, no segundo pior lugar para dizerem isso (o primeiro é onde já há problemas agora, os EUA).

    É por isso que o termo “mudanças climáticas” é melhor que “aquecimento global”. Mesmo com a grande maioria do mundo se aquecendo, haverá lugares onde fará frio ainda. Mas até o frio já é diferente.

Comentários encerrados.

Top