Pesquisa sobre a Educação Ambiental no Brasil – Avaliação dos resultados III, por Antonio Silvio Hendges

 

artigo

 

[EcoDebate] Este é o terceiro artigo de divulgação e análise da pesquisa online sobre a educação ambiental no Brasil realizada no segundo semestre/2014 pelo Projeto Escolas Sustentáveis, Projeto AJO Ambiental e grupos SOS Meio Ambiente das redes sociais Linkedin e Facebook com o apoio de outras organizações de educadores e sites sobre temas ambientais. Os artigos anteriores podem ser encontrados aqui no Portal EcoDebate e avaliaram aspectos relacionados com a identificação das entidades participantes – escola pública, escola particular, empresa e organização da sociedade civil – suas regiões geográficas e seus níveis de conhecimento sobre a Política Nacional de Educação Ambiental – Lei 9.795/1999 (PNEA), abrangendo as primeiras três questões de um total de dez.

A quarta questão da pesquisa solicitou que os participantes respondessem se desenvolvem programas e /ou projetos de educação ambiental referenciados na PNEA ou independentes, sendo possível assinalar até duas opções das quatro disponibilizadas. Foram 197 respostas com os seguintes resultados:

– Sim, através da gestão interna dos aspectos ambientais: 34,01% com 67 respostas;

– Sim, em parceria com outras entidades para públicos externos: 30,96% com 61 respostas;

– Sim, programas específicos e direcionados à solução de problemas e impactos imediatos às nossas atividades: 30,46% com 60 respostas;

– Não temos programas específicos, mas incluímos os temas ambientais em outras ações desenvolvidas: 41,62% com 82 respostas.

Importante destacar que a segunda questão, relacionada diretamente com a realização de programas e projetos externos às organizações e para públicos além de suas relações imediatas com 30,96% das respostas demonstra que a maioria das organizações não realiza tais ações, limitando-se à gestão dos aspectos ambientais internos – 34,01% – e problemas imediatos às atividades realizadas – 30,46%. Evidentemente, como era possível se assinalarem até duas alternativas, as entidades que responderam positivamente a esta questão, em alguns casos também assinalaram uma das questões relacionadas com a gestão ambiental interna de suas ações.

Nesta questão, o maior percentual foi dos que responderam que não possuem programas específicos, incluindo os temas ambientais em outras ações desenvolvidas – 41,62%. Se subtrairmos este percentual do total 100, temos 58,38% das instituições participantes da pesquisa com ações ambientais baseadas na PNEA ou independentes internas, imediatas às suas atividades ou externas.

Quanto aos projetos e programas desenvolvidos, a quinta questão da pesquisa abordou quais os principais aspectos destacados. Foram 195 respostas para quatro alternativas das quais era possível a escolha de duas, com os seguintes resultados:

– Eficiência e racionalização no uso dos recursos hídricos e energéticos: 44,10% com 86 respostas;

– Gestão adequada dos resíduos sólidos orgânicos e inorgânicos (compostagem, coleta seletiva, apoio aos catadores, destinação ambiental adequada, etc): 58,46% com 114 respostas;

– Valorização dos espaços públicos, culturais e lazer, preservação de áreas e paisagens naturais, biodiversidade e/ou espécies específicas: 40,00% com 78 respostas;

– Priorizamos os aspectos ambientais imediatos às nossas atividades com parcerias pontuais relacionadas: 28,72% com 56 respostas.

Nesta questão ressalta-se a preocupação dos participantes em relação ao uso dos recursos hídricos e da energia – 44,10% – e com a gestão adequada dos resíduos sólidos – 58,46% – mas também com a valorização de espaços públicos, preservação de áreas e paisagens naturais e da biodiversidade – 40,00%. A quarta alternativa desta questão com 28,72% das respostas e relacionada com a priorização dos aspectos ambientais imediatos às atividades, teve um resultado próximo da terceira alternativa da questão quatro, também relacionada a projetos e programas específicos e direcionados à solução de problemas e impactos imediatos às atividades das organizações – 30,46%.

Nos próximos artigos, serão abordados aspectos relacionados com a metodologia do ensino da educação ambiental, como as entidades participantes da pesquisa entendem suas responsabilidades em relação à educação ambiental, qual o nível de conhecimento sobre a Política Nacional de Resíduos Sólidos – Lei 12.305/20110 e Decreto 7.404/2010 – a responsabilidade compartilhada e a logística reversa como instrumento de gestão para a destinação final ambientalmente adequada dos resíduos tecnológicos.

Antonio Silvio Hendges, Articulista do EcoDebate, professor de Biologia, pós graduação em Auditorias Ambientais, assessoria em Sustentabilidade e Educação Ambiental – www.cenatecbrasil.blogspot.com.br

Nota da Redação: Leiam, ainda, as partes anteriores deste artigo:

Pesquisa sobre a Educação Ambiental no Brasil – Avaliação dos resultados I

Pesquisa sobre a Educação Ambiental no Brasil – Avaliação dos resultados II

Publicado no Portal EcoDebate, 29/01/2015

[cite]


[ O conteúdo do EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, ao EcoDebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário do Portal EcoDebate
Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta clicar no LINK e preencher o formulário de inscrição. O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário do Portal EcoDebate
Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Alexa

Top