Direita no Brasil, o que é fato e o que é paranóia, artigo de Álvaro Rodrigues dos Santos

 

opinião

 

[EcoDebate] Não só, mas especialmente a forma virulenta com que a oposição ao governo federal (aqui incluindo grande mídia, partidos políticos, redes sociais, etc.), e que em essência e sintomaticamente vem sugerindo o “escorraçamento da petralha do poder”, animou, deu vida e sentido a uma Direita que sempre morou latentemente na sociedade brasileira, especialmente em seus estratos sociais médios e ricos.

Mas registre-se, adicionalmente, que a cultura política brasileira, desde suas origens, é uma cultura essencialmente golpista, à Direita e à Esquerda. Ou seja, podemos achar tudo das atuais manifestações de intolerância política e ideológica, menos que sejam atitudes estranhas aos brasileiros. Desculpem-me meus companheiros de Esquerda, passemos por um pequeno exercício, será que nossa indignação seria a mesma se a capa da Veja à véspera das eleições trouxesse uma denúncia bomba contra o Aécio? Respondamos aos nossos travesseiros.

Bem, voltando ao início, a Direita desde há muito não consegue representar-se institucionalmente/partidariamente no Brasil, anda por pegar caronas oportunistas neste ou naquele partido, como agora está a emprestar algum espaço do PSDB. Pelo que não seria necessariamente ruim para a Democracia se finalmente ela perdesse seus pruridos históricos e constituísse organização política própria no contexto democrático, deixando claras e brigando por suas bandeiras ideológicas e políticas, dando casa e cara aos Bolsonaros, Olavos de Carvalho, Dórias, Reinaldos de Azevedo, Coronéis Telhada, Malafaias, outras figuras mais secretas, etc., etc.

Colaboraria muito para esse desfecho político razoavelmente positivo a reafirmação do PSDB como representação ideológica e política intrinsecamente comprometida com a democracia constitucional, negando-se a abrigar ou representar aqueles que, filhos da intolerância, pregam caminhos golpistas e não democráticos de acesso ao poder. Eu acredito piamente que essa será a atitude do PSDB e de suas lideranças históricas.

Em resumo, apesar dos ódios plantados lado a lado nestes últimos anos, e de estarmos em pleno rescaldo de uma campanha caracterizada pelo desejo caricatural de eliminação sumária do adversário, não acredito na capacidade desses estrebuchos fascistas conseguirem qualquer mínimo sucesso em suas indecorosas propostas. Podem, isso sim, em uma sociedade tão despolitizada como a nossa, ganhar, ao menos temporariamente, um certo número de corações e mentes.

Por outro lado, também como vítima do clima do dito rescaldo, tem sido comum a Esquerda brasileira emitir um sem número de emotivos alertas sobre a iminência de golpes de toda a ordem dirigidos à não posse ou ao impeachment da presidente reeleita. Ainda que compreensível, pura paranóia. Paranóia especialmente prejudicial à democracia por ajudar a confundir a sociedade colocando em um mesmo balaio ideológico elefantes, tucanos e pardais, isto é, por não separar no universo oposicionista aqueles segmentos maioritários comprometidos com a democracia daqueles segmentos minoritários seduzidos pelo conservadorismo fascista.

Enfim, o momento está a exigir, como nunca, serenidade, inteligência e responsabilidade das boas cabeças, estejam elas nesse momento onde estiverem.

Geól. Álvaro Rodrigues dos Santos (santosalvaro@uol.com.br)

  • Ex-Diretor de Planejamento e Gestão do IPT e Ex-Diretor da Divisão de Geologia;
  • Autor dos livros “Geologia de Engenharia: Conceitos, Método e Prática”, “A Grande Barreira da Serra do Mar”, “Diálogos Geológicos”, “Cubatão” e “Enchentes e Deslizamentos: Causas e Soluções”;
  • Consultor em Geologia de Engenharia, Geotecnia e Meio Ambiente;
  • Colaborador e Articulista do Portal EcoDebate.

 

Publicado no Portal EcoDebate, 05/11/2014


[ O conteúdo do EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, ao EcoDebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário do Portal EcoDebate
Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta clicar no LINK e preencher o formulário de inscrição. O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário do Portal EcoDebate
Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Alexa

10 comentários em “Direita no Brasil, o que é fato e o que é paranóia, artigo de Álvaro Rodrigues dos Santos

  1. Me desculpe Álvaro, mas seu artigo é de uma inocência bovina e só presta um desserviço à democracia do pais, ao manter os mesmos mantras da esquerda que nã admite a convivência, mas o exterminio da direita. Simples assim.

    Uma pena desqualificar os movimentos sociais, apenas por que nã estão sintonizados com seu viés ideológico e não se entende a crítica ao PSDB, visto que é um partido eminentemente de esquerda…

    No fundo, se manifesta apenas como mais um cúmplice do projeto do PT de cubanização do Brasil, apesar dos flagrantes eventos de corrupção e ataques à democracia, que se estendem desde o mensalão até o assalto ao erário para promover ditaduras em nações vizinhas.

    Como sempre, mais um texto que vai para o lixo.

  2. De maneira surpreendente, o Brasil talvez seja o único grande país democrático que não tenha um partido de direita declarado. A chamada “direita” aqui é um “caldo” incoerente de tendências fundamentalistas, reacionárias, irracionais, etc …
    Entre os pressupostos da chamada “direita libertária” (vide Ayn Rand) estão: a)meritocracia; b)liberalismo econômico e estado enxuto; b)liberdades individuais acima de tudo, entre outros …
    Porém, tirando os exageros de fora, acho salutar essa oposição crescente aos “16 anos de PT”, dado que são inegáveis as tentativas do citado partido em confundir o Estado Brasileiro com o próprio partido.

  3. Ótimo texto. Recomendo a petistas e tucanos e a todos que compreendem que mais do que nunca neste país a política é necessária, devendo-se separar com apuro o joio do trigo. É também preciso mudar a ideia, muito propagada na ditadura e que persiste, de que política é só jogo sujo e que dela os “cidadãos do bem” devem se afastar. Enquanto isso, as raposas tomam conta do galinheiro. Que a extrema-direita organize e legalize o seu partido e não tenha vergonha de dizer o seu nome. Assim como nunca deixou de fazer os partidos de esquerda, menos nos períodos autoritários, quando foram colocados na clandestinidade.

  4. Caro Flávio Mello,
    Faça sim isso, pois imagino que em seu lixo (ou em suas fogueiras) meu artigo ganhará boas companhias. Talvez até a Constituição Brasileira e algumas encíclicas papais. Meu medo seria pelas companhias que teria caso o colocasse em sua prateleira.
    Álvaro

  5. Prezado Alvaro,

    Respeitando o seu direito de se posicionar, afinal estamos em uma democracia, sinto-me no direito também de lhe lembrar que metade da população brasileira não concorda com o atual governo, isto foi o recado das eleições. Como simples componente da população brasileira entendo que seria até salutar que o PT tivesse perdido as eleições. A alternância de poder é salutar. A permanência de muito tempo no poder leva o partido em direção a um grande desgaste e a uma corrupção generalizada. Isto ocorreu com o PT, o qual já é um partido, digamos “burguês”. A história tem mostrado que quanto mais tempo se fica no poder, maior é a tendência de se utilizar de tudo quanto é instrumento que leve a uma permanência nele, isto está acontecendo hoje com o PT, que está se aparelhando para tal fim, como por exemplo: (i) uma centralização cada vez maior a nível federal dos recursos financeiros, empobrecendo os estados e municípios; (ii) a tentativa real de se amordaçar a imprensa (só pode falar bem do governo); (iii) a colocação em cargos estratégicos do governo, não de técnicos competentes, mas sim de cabos eleitorais medíocres; (iv) a implantação de um sistema de informação a nível de terrorismo, incitando, por exemplo, o sofrido povo nordestino contra o resto do país, o que é lamentável, dentre outros.

    E não pense Alvaro que isto se deu somente com o PT. Isto ocorreu também em governos anteriores. Nós votamos no Lula porque acreditávamos que iríamos ter um governo correto, isento de corrupção e democrático, o que infelizmente não ocorreu. O PT tornou-se um partido comum, igual a todos os outros, com uma grande janela de vidro.

    Independentemente disto, temos agora que acreditar que a Dilma rompa de vez com a podridão do seu partido, expulsando-os dos cargos federais, e colocando em seu lugar profissionais competentes, afinal, é impossível que o PT não tenha alguém competente e honesto (acho até que muitos, o importante é aproveitá-los).

  6. Caro amigo Álvaro;

    Parabéns pelo texto e pelas reflexões muito importantes. Países civilizados não se preocupam se são governados pela direita ou pela esquerda. A luta pelo poder fica com os políticos partidários.
    Entendi bem sua intenção em defender o interesse dos que são governados. Somos todos brasileiros, com direitos e obrigações, independentemente de quem esteja no comando. Sou politizado suficientemente para entender o que eu quero para o meu Páis e para os meus compatriotas. Exijo os meus direitos constitucionais e sou contra os desvios de conduta de qualquer governante porque eles são ícones e foram votados para ser os nossos representantes.
    Não podemos dividir o Páis por causa das ideias e das manifestações de uns poucos que se julgam donos do poder. Abaixo a Esquerda e a Direita que se julgam com poderes absolutos. Quem manda é o povo.

    TODO O PODER EMANA DO POVO E EM NOME DEVERÁ SER EXERCIDO.

  7. Prezado Mário Francisco,
    Entendo e respeito suas posições, mas preciso dizer que meu artigo não teve como objetivo defender o PT e os governos petistas. O artigo pretendeu dirigir um alerta e um chamamento para que petistas, peessedebistas e outras agremiações políticas cerrem fileiras na defesa da Democracia constitucional brasileira e não abriguem ou dêem cobertura neste momento pós-eleitoral às insanidades hoje propostas pela Direita de caráter golpista e fascista.
    Nos limites da Democracia, que se faça o bom combate.
    Abs
    Álvaro

  8. O PT tem muitos erros que precisam ser corrigidos.

    Agora, o PSDB.. é tão democratico, que não aceitou a derrota, pois até pediu a recontagem dos votos.

    O que o autor não disse é que em qualquer parte deste planeta a Direita foi sempre camuflada, sinuosa, e vai continuar assim… E o que aconteceu em Honduras e Paraguai ha alguns anos atras foi mera paranoia.

    E para esconder um pouco mais a Direita, alguns chegam a dizer que ela não existe mais. Outra boa maneira de camufla-la.
    Abraços.

  9. Caro Flavio Mello, Não me venha detratar a esquerda, pois foi através dos governos de Lula e DILMA que este país começou a andar. Enquanto a direita queria a todo o custo tirar o PT do poder usando de meios sórdidos como a publicação da VEJA as vésperas da eleição, a qual foi um tiro no pé, vão ter sim que engolir a esquerda e o PT por mais quatro anos.

  10. Usando o jargão popular, PT, PSDB e tantos outros P da vida são farinha do mesmo saco. Depende muito da visão de quem os olha. Hoje o PT é situação porque está no poder, está na situação. O que o difere dos outros? Aproveitam-se e locupletam-se como podem fazem tudo o que condenaram. Repete-se a história: Na França, os que lutaram e derrubaram a Bastilha e lutaram e morreram pela Revolução Francesa ,se decepcionaram com os novos governantes, que eram tão corruptos e arrogantes quanto os anteriores. Que o povo se dane…
    Não poderemos ficar passivos ao assistir aos projetos de Lula, Dilma, Genoíno de transformar o Brasil num Venezuela, Cuba, Bolívia e outras aldeias superadas. Precisamos corrigir os males sociais sem nos mirarmos nesses fantasmas que nos envergonham. Quem nos amedrontam são esses fantasmas que acham que os brasileiros precisam de uma revolução socialista, moldada em modelos e governos fracassados e líderes malucos.
    O povo brasileiro merece algo melhor. No mínimo, mais dignidade e respeito, sem inspirar-se nesses modelos.

Comentários encerrados.

Top