Biodiversidade, artigo de Roberto Naime

 

Diversidade Vegetal. Foto: Universidade do Estado da Bahia – UNEB

 

[EcoDebate] A expressão biodiversidade que também significa diversidade biológica é usada para descrever a variedade de espécies da flora e da fauna de uma paisagem. A paisagem engloba flora e fauna e é o elemento básico dos Geobiossistemas. Que podem ser conceituados por unidades territoriais de mesma paisagem, definidas pelas características do meio natural, hierarquizadas por um mesmo sistema de relações.

O Brasil é um país extremamente rico em biodiversidade. Existem milhares de plantas, animais e microrganismos que ainda estão por ser descobertos e descritos, graças a variedade climática e de ecossistemas do país. Estima-se que a exploração da biodiversidade responda por até 5% do Produto Interno Bruto do país atualmente, principalmente nos setores florestal e pesqueiro.

O Brasil já poderia ter aprendido a importância e as vantagens econômicas que a biodiversidade pode trazer. Não é só a beleza dos espécimes animais e vegetais que pode ser explorada em atividades como o ecoturismo.

Cada espécie animal ou vegetal guarda um código genético único, cuja importância na sobrevivência e perpetuação do conjunto das espécies ainda não foi suficientemente avaliada. Os organismos animais ou vegetais individualmente dispõe de uma carga genética única, cujo potencial de uso em cruzamentos genéticos, aperfeiçoamento de espécies e na medicina não foi sequer pensado ainda.

A biodiversidade, quando apresentada como apenas um estoque não diferenciado de genes que podem ser avaliados como mercadorias, está sujeita a racionalizações mercantilistas.

Ao trocamos a visão mercantil do produtor ou consumidor, por uma concepção que envolve o equilíbrio homeostático (que quer dizer equilíbrio dinâmico que é alcançado quando os sistemas tem equilíbrio na entrada e saída de matéria e energia) gerado por certo grau de desenvolvimento econômico associado a certo nível de preservação ambiental, chegaremos mais perto de questões ambientais essenciais

O objetivo seria alcançarmos uma “escolha ótima” entre determinado nível de desenvolvimento econômico e preservação ambiental.

Assim seriam otimizadas e potencializadas as vantagens máximas do desenvolvimento econômico na qualidade de vida e compatibilizadas com a manutenção dos estoques genéticos naturais. Tanto pelo seu potencial estético, quanto pela sua importância genética e potencial de combinações cromossômicas.

Este olhar do mundo exige equilíbrio e desprendimento que nossa sociedade tem demonstrado frequentemente não ter alcançado ainda. Tanto pelas suas deficiências estruturais quanto educacionais. A biodiversidade tem um valor intangível (que não dá para pegar ou mensurar), e este tipo de valor ainda apresenta uma complexidade que não é bem entendida por todos.

Ainda não se sabe quantas espécies vegetais e animais existem no planeta. As estimativas variam entre 10 e 50 milhões, mas até agora os cientistas classificaram e deram nome a cerca de 1,5 milhão de espécies. Entre os especialistas, o Brasil é considerado o país da “megadiversidade”, pois cerca de 20% das espécies conhecidas no mundo estão aqui.

O potencial terapêutico das plantas da Amazônia é muito divulgado e reconhecido. No futuro é esta a matriz que se imagina desenhar para os biomas de todo país. E por exemplos como este que se fala em preservação da biodiversidade.

As políticas públicas mais do que indutoras do desenvolvimento econômico material e acumulativo precisam ter uma visão de desenvolvimento sustentável. Deve haver uma plena integração econômica, social, cultural e ambiental das potencialidades da biodiversidade, que produza uma exploração econômica sustentável e equilibrada de todas as riquezas e potencialidades.

Para que todas as ações sejam convergentes em buscar melhor qualidade ambiental e melhoria na qualidade de vida de todas as populações afetadas.

Dr. Roberto Naime, Colunista do Portal EcoDebate, é Doutor em Geologia Ambiental. Integrante do corpo Docente do Mestrado e Doutorado em Qualidade Ambiental da Universidade Feevale.

EcoDebate, 18/09/2014


[ O conteúdo do EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, ao EcoDebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário do Portal EcoDebate
Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta clicar no LINK e preencher o formulário de inscrição. O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário do Portal EcoDebate
Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Alexa

Um comentário em “Biodiversidade, artigo de Roberto Naime

  1. “As políticas públicas mais do que indutoras do desenvolvimento econômico material e acumulativo precisam ter uma visão de desenvolvimento sustentável. Deve haver uma plena integração econômica, social, cultural e ambiental das potencialidades da biodiversidade, que produza uma exploração econômica sustentável e equilibrada de todas as riquezas e potencialidades.

    Para que todas as ações sejam convergentes em buscar melhor qualidade ambiental e melhoria na qualidade de vida de todas as populações afetadas.” [Dois últimos parágrafos do artigo].

    -Nos dois parágrafos acima citados constam propostas e resultados esperados que são absolutamente incompatíveis com o objetivo principal do sistema capitalista, que é o desenvolvimento econômico, e este não pode coexistir com a sustentabilidade ambiental. Ou se contém o desenvolvimento econômico, beneficiando a ‘qualidade ambiental e melhoria na qualidade de vida (…)’, ou o processo de destruição da biodiversidade seguirá em ritmo cada vez mais acelerado até o sistema entrar em colapso, nas próximas duas, três ou, no máximo, quatro décadas, conforme se pode ver na sequência de estudos que têm sido divulgados.
    Em síntese, o que deve ser julgado é o sistema econômico prevalente no planeta Terra – o capitalismo – e não a vontade política dos governos dos países, pois esta, na melhor das hipóteses, dizemos que tem poderes limitados, quando, na verdade, são um dos instrumentos utilizados pelo sistema para promover sua própria expansão e fortalecimento, ou seja, o desenvolvimento econômico.

Comentários encerrados.

Top