Exposição passeia pela história de 15 parques naturais e urbanos do Rio

 

Jardim Botânico do Rio de Janeiro

 

Preservar a natureza que envolve a cidade, formada ao longo dos séculos entre o mar e a montanha, sempre foi um desafio para o Rio de Janeiro. Nas últimas décadas, o crescimento acelerado e a falta de planejamento reforçaram a importância dos parques e áreas de proteção ambiental como bastiões do cenário tropical em que a metrópole carioca está inserida.

A história de 15 dos 45 parques urbanos e naturais, reconhecidos oficialmente na capital fluminense, é o tema da exposição O Rio Que É Verde, inaugurada na noite de ontem (13), para convidados, no Centro Cultural Correios. Painéis em grandes formatos exibem fotos ampliadas e textos, que permitem ao visitante recriar a atmosfera do meio ambiente natural dos 15 parques.

Parte deles foram criados por arquitetos ou paisagistas, a começar pelo pioneiro Passeio Público, no centro da cidade, obra encomendada em 1783 a Valentim da Fonseca, o Mestre Valentim. O Jardim Botânico (1808), a Quinta da Boa Vista (1876), o Parque do Flamengo, obra de 1965, com paisagismo de Roberto Burle Marx, e o recente Parque Madureira Rio+20, de 2012, são alguns dos parques urbanos destacados na mostra.

“Nem sempre, como no auge de seu esplendor, os parques históricos, que datam do século 19, estão preservados, conservando um material primoroso”, diz o cenógrafo Udi Florião, um dos curadores da exposição. “A partir do Aterro [Parque do Flamengo] temos uma série de parques em que o foco é o paisagismo exuberante e tropical”, acrescenta.

A exposição abre espaço ainda para os belos cenários naturais da cidade, como a Floresta da Tijuca e a Área de Proteção Ambiental (APA) entre o Recreio e Grumari, que recebeu, nos anos de 2012 e 2013, a Bandeira Azul, o mais importante certificado de correção socioambiental do mundo.

Segundo Juliana de Carvalho, também curadora da mostra, O Rio Que É Verde vai muito além de uma exposição de fotos. “Os cariocas poderão vivenciá-la de forma sensorial, educativa e interativa”, diz. A inspiração para a mostra veio do livro do mesmo nome, que inaugurou a coleção literária As Cores do Rio, de autoria de Adilson Santos e Regina Mamede.

A visitação do público, com entrada franca, começa hoje (14) e vai até 21 de setembro, de terça-feira a domingo, das 12h às 19h. O Centro Cultural Correios fica na Rua Visconde de Itaboraí, no centro do Rio.

SERVIÇO:
Exposição: “O Rio que é Verde”
Abertura: 13 de agosto, às 19h
Visitação: até 21 de setembro – terça-feira a domingo, das 12h às 19h – GRÁTIS/LIVRE
Local: Centro Cultural Correios – Rua Visconde de Itaboraí, 20 – Centro – Rio de Janeiro – RJ
Telefone: (21)2253-1580
Curadoria: Juliana de Carvalho e Udi Florião
Patrocínio: Fiotec, Comatrix, Telespazio e Prefeitura do Rio de Janeiro.
Apoio Cultural: Centro Cultural Correios

Por Paulo Virgílio, da Agência Brasil.

EcoDebate, 14/08/2014


[ O conteúdo do EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, ao EcoDebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário do Portal EcoDebate
Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta clicar no LINK e preencher o formulário de inscrição. O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário do Portal EcoDebate
Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Alexa

Top